Poema de agora: INFANTE (áquila e.) – @manudosertao

INFANTE

conheci um menino travesso
pouca idade
tinha um riso torto e brilhante
feito o sol fresco da manhã
que nos atravessa
os olhos eram de menino plenamente menino
tão cristalinos quanto as águas
translúcidas de um rio
que percorre margens longínquas
a pele preta
candura farta
o menino tinha o cheiro de deus

áquila e.

*chovia enquanto gravava o áudio desse poema dentro e fora de mim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *