Poema de agora: Lâmina – Mayara La-Rocque

Lâmina

Dizem que tudo começa na infância
O raio
O espectro
A ave
O cedro

A órbita do tempo
se revira nas minhocas
soterradas no estrume

Canta um galo
ao longe
E no ouvido
freme um zumbido
de aurora

Enquanto homens e mulheres
acimentam o chão,
eu lavro uma terra
esquecida

Não sigo os lampejos
as latarias
o trânsito
e os sinais
do mês de dezembro

O sino que toca é outro
Poucos podem ouvir
Porque está além
do cimo das igrejas

ele toca nas quinas
na curva metálica
da janela
sobreaquecendo
ao sol

onde seca o orvalho
nasce sempre
outro tempo

A cada manhã
tem uma lâmina
afiada
Queimando
Evaporando
A água
A sede
– sempre a última gota –
Que tu trazes na memória.

Mayara La-Rocque

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *