Poema de agora: Mágica e métrica – Jaci Rocha

Mágica e métrica

Desde criança, olho o céu
Vejo na vida a beleza da magia
sempre soube que as nuvens não eram de algodão!
Mesmo assim, a cada dia,

Inspiro e sinto o gosto adocicado do céu
Do azul entremeado às pequenas alegrias…

Sou assim: realidade, clareza
Permeada da luz do lado bom
Sem esquecer a própria escuridão
Afinal, somos imperfeitas dualidades:

Cristais que exalam a luz que recebem
E acolhem (im)próprias tempestades…

Agradeço, não esqueço
De reverenciar a maré, a cor do sol quando vai
Pequenos elos de delicadeza
Entre nós, o criador e a tarde que cai…

Confesso:

Acho que há um pote de mel
Depois do arco-íris
Afinal, que graça teria?
Não pensar, sonhar e ver

O leve colorido dos dias…

A vida sem a arte do belo
Seria apenas encontro com a brutalidade
– E desta deselegância do existir,
é preciso bem se proteger –

Sem fazer disto a própria realidade:
eis a mágica e a métrica de ‘ser’.

Ainda acredito em fadas,
Em bruxas, em duendes
Na força poderosa da palavra
No elo sagrado de ser gente…

Também não desacredito no avesso:
Paralelas…desencantos e desencontros
Mas, ainda mais, na reza do poeta
Que diz que a vida ‘é a arte do encontro’.

Jaci Rocha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *