Poema de agora: Menos agorafóbica ( @Cortezolli)


Menos agorafóbica 

Esvaneço, sumo, desapareço num estalar de dedos. 

Poucos percebem, mas aos que manifestam estranheza não tenho muito que dizer, sem muitas explicações a dar…

Fui viver e me deixar levar.  Atualmente fugitiva do ostracismo ao qual me submeti real, hipotética ou imaginariamente, saí para dançar, dancei, debochei, ri, beijei, bebi, namorei e cheguei cedo para ver o sol raiar.

Hellen Cortezolli

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *