Poema de agora: MUNDO CÃO [bramidos que vem de mim] – Marven Junius Franklin

MUNDO CÃO [bramidos que vem de mim]

I

o mundo cão [que vislumbro]
repleto de enfloras fenecidas
– flui em alfobres de sombras –
e abrolha
canções funestas
em antecâmaras de terror

II

o mundo cão [que habito]
abarrotado de estrela colapsadas em quintais de sombras
– faz sinfonia com sinistras madrugadas –
e concebe em seu interior
tiranias e genocídios

III

o mundo cão [que jazo]
adornado com corpos em decomposição
– enterra inocentes em sinistras covas rasas –
e massacra em celas enfadonhas
quem contrasta com sua escuridão

IV

ah, mundo cão!
em tuas esquinas desalumiadas
o medo faz fundeadouro
e os abutres executam a dança do aniquilamento

Marven Junius Franklin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *