Poema de agora: Nunca me chame pelo nome


Nunca me chame pelo nome
Nunca diga que me adora 
posto que não é verdade.
Quem ama vibra e se acode,
quem adora se mostra eternidade.
E se ao chover te faz lembrança,
rememora a vida que te apeteceu
Lembra de mim, pequena criança,
e me adora, assim como eu…
Porque do teu amor ainda sigo em riste,
porque teu quadril é o mais safado,
porque minha língua sempre insiste
para o teu prazer, até extasiado.
Já que teu amor nunca fui eu
pois sempre fui quem nunca desejastes,
segue em mim, vida minha,
e me faz tua eterna castidade.
Fez-me quatro o mínimo
Para em mim saciar-te
vem de polícia, minha querida,
e te deixo de amor beijar-te.

Darth J. Vader

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *