Poema de agora: O AMOR SENDO UM LABIRINTO – Marven Junius Franklin

O AMOR SENDO UM LABIRINTO

O que dizia François Truffaut sobre o amor?
O que falar do amor de Rapunzel:acorrentado na mais alta torre do fim do mundo [esperando o hipotético]
O amor sendo labirinto de espelhos , onde dorme?
Onde jaz quando deixa de pulsar no peito débil de uma mulher repudiada?
Para onde vagam as almas desprezadas quando se diluem em dor?
Neruda amou o impossível
[falou de rosas em vez de pedra]
e dizia que dois amantes bem-aventurados não têm fim nem extenuação
Sim, o amor é diferente de solidão
[e por isso deveria apenas arquejar sereno a dormir caudaloso
no peito dos amantes]
Oh Natália! Onde achas que meu coração zanza a não ser ao teu redor?
[feito planeta em trajetória pelo seu mundo]

Marven Junius Franklin

Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*