Poema de agora: O PÃO – Ori Fonseca

O PÃO

E essa desnutrição amorosa?
E essa fome infindável de afeto?
A volúpia, o desejo mais secreto,
Secreta em rios da pele pegajosa.

E essa inanição de quem não goza?
E a sede que não cabe no alfabeto?
A fúria da paixão é um dialeto
Que o amante expressa da poesia à prosa.

Eu tenho as fomes mais desesperadas,
Pedindo amor dormido no portão,
Mas os portões têm trancas reforçadas.

O pão do amor é raro no verão,
Mas sigo mendigando nas calçadas,
Vivendo das migalhas desse pão.

Ori Fonseca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *