Poema de agora: O patriota – Eliete Miranda

O PATRIOTA

O déspota arvora-se patriota
E com fala solta e escrota
Sem pudor
Ao mundo arrota
As mentiras de agiota
E aos banqueiros, vende o Brasil
Servil o inútil
Do civil ao militar
Esbraveja a incentivar
o insano amotinar de acéfalos
Eis a pátria amada, salve salve
Às vias de ser assaltada, mal amada
e de miséria assolada.
Chora, pátria mãe gentil, que no covil do falso patriota
O lambe botas serve ao imperialismo
Sem lirismo ou poesia
Asfixia direitos civis
Embosca os incautos “irmãos”
Com auxilio dos falsos cristãos,
Gente de bem emanados no crime
Propõe um regime que da morte fez aliada
Amparada pela moral e os bons costumes
Da elite do atraso
Que ao lado do tal ex-soldado
Malogrado destino traça.
E ameaça a própria cabeça
Que não se esqueça…
Eu avisei!

Eliete Miranda

  • contagem regressiva para retirar um falso patriota/ falso cristao da posição de liderança de um pais que é na sua maioria formado por trabalhadores , que ele sequer faz idéia , por ser um vagabundo inútil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.