Poema de agora: O tempo não conta para a eternidade (Fernando Canto)

O tempo não conta para a eternidade

Aos poetas disfarçados de lógicos

Ainda que tarde
A hora arda
O tempo estanca
E o texto escorre

O tempo é mesmo
Âncora invisível
Bússola quebrada
Teia silenciosa
A entupir as bocas das entranhas.

O tempo não conta para a eternidade
Lírico e lento
Lapida em cinzel de sonho
A pedra etérea da vaidade

Fernando Canto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *