Poema de agora: Ode à impermanência – Jaci Rocha

Ode à impermanência

Às coisas impermanentes!
Perfeitas em movimento
As coisas fluídas
Que vão e se transformam ao sabor do vento

Que logo também se desfarão…

Eu brindo o instante, que é o ontem que se transformou
No agora
Que não se demora
Aquela linha acima, desfez…passou

Eu brinco com o instante
Esse sopro de luar, esse verbo em movimento
Que faz a curva delicada do coração se entrelaçar
De tanta leveza, sinto mesmo que posso voar….

E vou.

Eu sinto… o instante
É só o que posso ser
Entre o que passou e o agora
Tudo que importa

É ser e fazer valer.

Jaci Rocha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *