Poema de agora: Pensar e pesar – Giuliana Sanguinete

Pensar e pesar

eu penso penso e peso
o peso de meus pensamentos me fazem pensar na passagem das estações de meus ciclos
mas cá onde moro não se passam muitas
são duas, duras
dolores sempre pensa porque passa por tanto
pensa na vida no passado nos amores
durante as noites tem temores, reza com clamores
porque doce julia é bela singela e sempre tão ela
quando pode se pensar no passado mas o futuro segue a perseguir-te e não se sabe o que fazer o que pensar o que sentir
sinto que sinto tudo no mesmo segundo e fico sem senso sem tempo sem tanto
tanto tempo tanto tento te penso te esqueço
quanto santo sente quando mente e não entende o batente do caboclo no sertão
se confunde com o momento e o sustento
não entendo como a graça é dada e como se recebe como se merece como se descreve
como se entende como se sente e compreende
a mágoa quando bate fere forte e firme
faz com que tudo se confirme
como pode ser feito o momento do desejo?
como faço para sair de onde me encontro e te encontro?
como é feito o pensamento de todo o tempo?
adormeço-me aos poucos entre lutas de senhores que precisam encontrar-se em uma das quatro estações dos quatro cantos desse mundo enquanto vejo pinturas envelhecerem e amores se perderem entre esses tais cantos e encantos que são contados por aí
sabe-se que ao contrário de ti eu me esperto e me completo sem procurar algum fim
tá que fins são necessários mas alguns ciclos eu não tenho pressa de fechar |

Giuliana Saguinete

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *