Poema de agora: Poema para meu Cristo (Obdias Araújo)


Poema para meu Cristo

Meu cristo traz
no olhar
restos de noite
e madrugada nos gestos.
É impuro e bom
casto e conivente
arrostando multidões
na orla de seu manto.
Outro dia
vi meu cristo em Montecarlo.
(Não havia anjos ou nereidas
machucando o rosa e o marrom.)
Na terceira rodada
prenderam meu cristo.
Alguns homens
de boa vontade o levaram.
Não havia revolta
em seus olhos negros
como as coisas que ficam
para trás.

Obdias Araújo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *