Poema de agora: pretérito – Pat Andrade

pretérito

eram muitas estradas
verdes e belas
eram tantas madrugadas
longas e ébrias
eram doces peçonhas
eram quartos estranhos
eram sonhos insólitos
eram manhãs de sol
eram céus azuis
eram dias iguais
eram como teus olhos
que eu não vejo mais

Pat Andrade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *