Poema de agora: Procissão MMXX – Jorge Herberth

Procissão MMXX

N’aurora
Do silêncio
Badalam sinos
Marginais

Ardem
Flores
Febre em
Leitos
De Marias e
Madames

Ar de a chama
No tronco do ipê
Da sapucaia
Da castanheira
Frutíferas
Arde

O couro da fera
Do manso
Tamanduá
Arde o chifre
O lombo
Em senzalas
Dessa casa
De grandezas inúteis
Veneno cruel

É o fogo
Na maçã da fé
N’aurora de tolos
Ar de fé
Caminha o fogo
Da Sé
Espalha leigos
Satanases
Exclusão
Migalhas de orações

Cretinos de joelhos duros
Em ceias fartas
Crentes de vinténs

Ar de o fogo
Ar de fé
Vira cinza
A aurora de crendices
Esperanças
Choradeiras

Do fogo
Na garganta
O manto
Da cobra
Em teu olfato
Leigos Noratos, Plácidos
O clero fátuo

Jorge Herberth

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *