Poema de agora: Quando eu morrer – Ricardo Iraguany

Quando eu morrer

Façam coisas do viver
Façam um zouk Love
Façam uma roda de batuque
Façam um marabaixo, um carimbó
Façam um forrobodó
Quando eu morrer


Não quero choro, nem vela
Que lLaguinho e Favela
Mandala, ladrão e tambor
Quando eu morrer
Não quero tristeza na terra
Quero a alegria cinema
Cantando no meu barracão

Ricardo Iraguany

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.