Poema de agora: SOLILÓQUIO SOBRE O TEMPO – Patrícia Andrade

SOLILÓQUIO SOBRE O TEMPO

o olho do invisível
está cravado em mim

é chegado o tempo

de afiar a navalha
cortar a palavra
rasgar o verso

desafiar essa vida canalha
reinventar a lavra
soltar o verbo

porque o tempo
não cabe na ampulheta
não volta
não para
não faz pausa
e nem exceção

é moto-contínuo
sem rédea ou limite
é estrada sem curva
é ida sem volta

o tempo porém
é remédio pra tudo
é cura pros males
é solução

Patrícia Andrade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *