Poema de agora: Tempos Modernos – Jaci Rocha

Tempos Modernos

A última vez que fui ao mercado
Dei com seu João, cabisbaixo
Pensativo, lá, com seus botões…

Alguns dias depois, fui ao cinema
Percebi o quão triste estava a mocinha à minha frente
Parecia quase dormente
Tão nova, eu quase perguntei…

É, há uma delicadeza dispersa
Que cada vez mais desfaz o riso solto
‘Um bom dia ‘ ou verso louco
Que faça as pessoas falarem em amor…

E ainda existem os sensatos
Gente de inexpressão
Que, ao olhar para o lado,
Não enxerga a dor de um irmão…

E há ópio pra curar ou para enlouquecer
E pouco tempo para sentar
Conversar com um amigo ou ver o dia nascer:
Que tempos são esses – já dizia minha avó…

é difícil ser gente e construir no verbo e ação
Tudo que dizem que é felicidade,
e para completar toda essa ambiguidade
também não a sei definir…

Mas, por teimosia, quiçá lealdade à poesia
Quero sempre falar no mistério e alegria
Que é estar e ser, dia a dia, parte dessa jornada
E sonhar tocar o sol com meu belo par de asas

Encontrar a doçura tanta que mora no azul…

Reverenciar , pois, no meio de um incrível mistério
Por uma força qualquer do universo
Existem estrelas e sol e cometas
Riso, borboleta, flor, luar e alegria

E muita coisa doida e linda pra viver!

Jaci Rocha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *