Poema de agora: Trabalhador – Klezer Paiva

Trabalhador

Em 1886, justa greve
Persistente, embora leve
Começou entre os “gringos”
Eram os primeiros respingos

A partir do histórico momento
Fez-se forte o movimento
Deflagrou-se árdua luta
De quem vive na labuta

Empós , espraiou-se mundo afora
Como um rastilho de pólvora
A peleja, então ilegal
Tornou-se universal

Passados tantos anos
Conquistas e desenganos
O trabalhador exige respeito
Ainda busca seu direito

Classe que impulsiona a nação
É alvo de perseguição
Há sonhos, ainda distantes
impedidos pela classe dominante

A elite o oprime
A polícia o reprime
É vítima de esquecimento
Como levar para casa o sustento?

No dia a ele consagrado
Quer apenas ser respeitado
Espera ser reconhecido
Que seu trabalho pela lei seja guarnecido……

Klezer Paiva

*Klezer Paiva é poeta e servidor aposentado do Tribunal de Justiça do Amapá.

**Contribuição de Bernadeth Farias. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *