Poema de agora: UM DOMINGO – Pat Andrade

UM DOMINGO

o dia era morno e cinza
as árvores estavam quietas
nenhum bem-te-vi cantou
e o japiim se escondeu

uma vaga do Amazonas
atreveu-se a vir mais forte
pra molhar a terra seca e rachada
qual coração de quem sofre

no silencioso domingo
nem o brilho do sol
nem a beleza da chuva
puderam manifestar-se

apenas o grito interior
e a certeza da saudade

Pat Andrade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.