Poema de agora: Vadio eu – @rostanmartins

Vadio eu

Eu continuo com as minhas vadiagens,
Mas, atenção:
Vadiagem é muito diferente
De preguiçagem.
O preguiçoso,
Não quer saber de nada,
Nem de ficar numa rede se embalando;
Nem pensando;
Nem apreciando as belezas das flores;
Nem quer saber do pôr do sol.
Nem do amor,
Nem de amar.
Já o vadio:
Adorar amar;
Ser amado;
Gosta do belo;
Ficar horas olhando o rio;

Ser vadio dar muito trabalho.
Então sou um trabalhador.
O bom de ser vadio
É que nunca se aposenta.
Vadio não tem idade.
Nunca fica na inatividade.

Rostan Martins

*Do livro Momentos/2016.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *