Poesia de agora: poema para dias difíceis – Pat Andrade

poema para dias difíceis

tenho habitado
subterrâneos
e ainda assim
a lua mais bonita
me acompanha

vivo dias cinzentos
sob céus muito azuis
escancaro mil bocas
de escárnio
com beijos inesquecíveis

ouço canções de amor
mesmo sob as balas
de uma guerra diária
e antiga

garimpo entre os destroços
diminutas razões
pra viver

o sorriso
tímido e quebrado
num portarretrato
a florzinha seca
num livro velho
o poema ruim
rabiscado na camiseta
a folha arrancada aos prantos
do diário adolescente

decido não parar
de sonhar
mesmo que já
não consiga dormir

vou aprendendo
que não preciso
desistir de mim
mesmo que tudo pareça
irremediavelmente ruim

Pat Andrade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *