Prefeitura ajuda no planejamento da XVI Parada do Orgulho LGBT de Macapá

IMG_20160412_111040938

A Secretaria Municipal de Assistência Social e do Trabalho (Semast), por meio do Departamento de Promoção da Igualdade e Orientação da Diversidade Sexual (Depir), se reuniu nesta terça-feira, 12, com representantes do público LGBT para tratar sobre o planejamento da XVI Parada do Orgulho LGBT de Macapá. O tema deste ano será “Por mais cidadania eu voto contra a LGBTfobia”. A previsão é que o evento aconteça no dia 28 de agosto.

A 16ª edição da parada tem o intuito de promover uma reflexão acerca da intervenção do sujeito político LGBT na atual conjuntura política, mediante o processo eleitoral. “Atualmente, atravessamos um período de afirmações em defesa de um conservadorismo que estabelece e reafirma preconceitos oriundos e baseados em convicções religiosas, que interferem diretamente no avanço dos direitos civis historicamente conquistados”, enfatizou o coordenador do Depir, Ivon Cardoso.

As entidades discutiram sobre o Projeto Executivo da Parada do Orgulho LGBT de Macapá, composição da comissão executiva e o calendário das reuniões. Estão previstas diversas programações que antecedem o dia da Parada LGBT, entre elas a abertura do mês com uma coletiva à imprensa, Oficina Parada do Orgulho LGBT, Feijoadíssima, Oficina de Prevenção DST/HIV/Aids e Hepatites, Quarta Lesbit e a Sexta da Diversidade.

A organização pretende repetir o sucesso do ano passado, onde levou um público de 6 mil pessoas para participar da manifestação. “Este ano nossa expectativa é que mais de 12 mil pessoas nos acompanhem nessa caminhada”, reforçou o presidente da Federação Amapaense LGBT, André Lopes.

Segundo a pesquisa do Grupo Gay da Bahia, realizada em 2010, a média geral é que a cada dois dias um crime de ódio contra homossexuais é praticado no país. O Brasil ocupa o primeiro lugar na lista de 25 países com mais de 200 assassinatos por ano. Além desses crimes de ódio de caráter homofóbico, há violências dos mais variados tipos contra a população LGBT, as quais estão presentes nas diversas esferas de convívio social e constituição de identidades dos indivíduos. Suas ramificações se fazem notar no universo familiar, nas escolas, nos ambientes de trabalho, nas forças armadas, na Justiça, na polícia, em diversas esferas do poder público, onde se manifesta a homofobia institucional.

Diante dos dados alarmantes, é que o movimento LGBT tem organizado eventos, como a Parada do Orgulho LGBT, que acontece em vários estados brasileiros, que se caracterizaram em uma manifestação social em prol da garantia dos direitos civis da população de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. A principal reivindicação contida no evento tem sido o combate à homofobia e a “luta” pela conquista do reconhecimento e respeito à diversidade sexual, dentro de suas estratégicas políticas.

Texto e fotos: Lilian Monteiro/Asscom Semast
Contatos: 9 8141-1697/ 9 9909-7556

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *