Prestes a ter seu primeiro filho, mulher inicia campanha pelo parto natural em Macapá


Camila Bentes do Lago está aos nove meses de gestação e, junto com o marido, tomou a decisão de que seu parto será natural. Ela disse não à cesariana após se informar sobre os danos dessa intervenção à mãe e ao bebê. Camila poderia ser mais um número entre as mães que optam pelo parto natural, porém, sua atitude foi além do individual, com o apoio de amigas ela pretende organizar uma rede de apoio ao processo de humanização do parto em Macapá, e neste sábado, 12, em parceria com o Museu da Imagem e do Som, traz à Macapá a exibição do filme “O Renascimento do Parto”, fora do circuito comercial, mas que é recorde de financiamento coletivo no Brasil.
“Não se trata apenas da escolha de parto normal ou cesariana, a carência de informação pode nos levar a sofrer intervenções absolutamente desnecessárias e até danosas à mãe e ao bebê, além de privar a oportunidade de se vivenciar momentos inesquecíveis de empoderamento feminino e construção de vínculo na família”, diz Camila.
Estudos científicos apontam que, para cada caso de mulher que morre em parto normal, há três que morrem em cesárea. Para cada três bebês que morrem em parto normal, seis perdem a vida na cesárea.
O filme O Renascimento do Parto foi produzido a partir da grande necessidade de se discutir os temas abordados. Baseado nas evidências científicas mais atualizadas, nos casos de violência obstétrica e na visão de profissionais reconhecidos nacional e internacionalmente, o filme conduz a uma profunda reflexão sobre como se pode assumir ativamente a escolha e informação sobre como são os partos e nascimentos.

“Em Macapá, infelizmente, não chegou às salas de cinema e por isso decidi, com algumas amigas, fazer uma exibição independente na cidade. Estou no nono mês de minha primeira gestação e meu processo de escolha por um parto consciente foi duro, pois cada vez me chocava mais com a realidade obstétrica do Brasil. Precisei de força para não desanimar até encontrar profissionais em que confiasse Profissionais que acreditam no papel ativo da mulher neste processo e que, por isso, respeita suas escolhas”, relata.
A intenção é fortalecer um movimento para que o parto humanizado seja a primeira opção da mulher. “Pretendemos nos organizar futuramente para formar uma rede de apoio, partindo do entendimento que se munir de informação é o primeiro passo para tomar as próprias decisões. O Amapá atualmente vive uma migração no processo de
fortalecimento da humanização do parto, quanto mais participação da sociedade, mais poderemos reforçar este movimento”.

Sobre o filme, a futura mãe discorre: “Estamos felizes por exibir este filme que emociona a qualquer pessoa! Logo após a exibição, que começa às 18h, iremos abrir uma discussão onde os participantes poderão compartilhar suas reflexões e
considerações acerca do que viram, por isso, todos são bem-vindos a participar, principalmente as futuras mães e profissionais da área, pois é um debate muito relevante”.

“O Renascimento do Parto – O Filme”
O longa metragem retrata a grave realidade obstétrica mundial e, sobretudo, brasileira, que se caracteriza por um número alarmante de cesarianas ou de partos com intervenções traumáticas e desnecessárias, em contraponto com o que é sabido e recomendado hoje pela ciência. Tal situação apresenta sérias consequências perinatais, psicológicas, sociais, antropológicas e financeiras.
Através dos relatos de alguns dos maiores especialistas na área e das mais recentes descobertas científicas, questiona-se o modelo obstétrico atual, promove-se uma reflexão acerca do novo paradigma do século XXI e sobre o futuro de uma civilização nascida sem os chamados “hormônios do amor”, liberados apenas em condições específicas de trabalho de parto. 

O filme conta com a participação especial do cientista francês Michel Odent, da antropóloga norte-americana Robbie Davis-Floyd, da parteira mexicana Naoli Vinaver, do ator e diretor de cinema Márcio Garcia e sua esposa, a nutricionista Andréa Santa Rosa. Um filme é de Érica de Paula e Eduardo Chauvet.

Serviço:
Exibição do filme O Renascimento do Parto
Local: Sala do MIS – 2º piso do teatro das bacabeiras.
Data: 12.04, às 18h
Entrada: gratuita
Para mais informações: (96) 8123-8240 ou camilacbentes@gmail.com

Rita Torrinha – Jornalista
Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*