Programa Expedição Vaga Lume coloca bibliotecas rurais de Macapá entre as melhores do país

1-image011

Num vilarejo a 128 km da sede de Macapá, na comunidade rural de Tracajatuba (distrito de Pacuí), onde o chão é de terra e os moradores não passam de 400 habitantes, uma biblioteca comunitária muito simples, construída em madeira, pequena de tamanho e gigante de iniciativas, ganha destaque nacional, no 7º lugar, entre 150 bibliotecas do programa Expedição Vaga Lume.

O ranking reconhece projetos de incentivo à leitura em zonas rurais que contam com o engajamento da comunidade, uso dos livros e a disseminação pelo gosto à leitura. Aliás, Macapá aparece na classificação geral com o protagonismo de duas localidades. A biblioteca da comunidade de Campina de São Benedito ficou em 10º lugar.

No mês de novembro, as experiências dessas e das outras 7 bibliotecas macapaenses irão ser compartilhadas no Encontro Regional Vaga Lume, que acontecerá na capital amapaense, com a vinda de mediadores de leitura de bibliotecas rurais de outros estados da Amazônia Legal. Duas representantes da Expedição estão em Macapá para organizar o evento, junto com a Secretaria Municipal de Educação (Semed). A educadora Aline Calahani e a produtora Cristiana Mello Leão, da Expedição Vaga Lume, ficam na cidade até domingo, 18, e a coordenadora do projeto em Macapá, Aurilene Tertuliano, da Semed, dará continuidade aos detalhes da organização.
4-image014
A biblioteca localizada na comunidade de Tracajatuba I está diretamente ligada a Escola Municipal Erídio Rocha. Todos os livros pertencentes à unidade escolar encontram-se disponíveis para os moradores terem acesso. Eles se tornaram leitores assíduos. A biblioteca abriga 330 livros e é administrada pelo jovem Lucas Silva, que trabalha voluntariamente.

Na comunidade de Campina de São Benedito, a biblioteca possui um acervo de 600 livros. Lá, o espaço já é em alvenaria e é cuidado pelos voluntários Rael Ferreira e dona Laurita. “Rael participou do 5º Congresso da Vaga Lume, em 2011, e voltou à sua comunidade com muito entusiasmo para que o trabalho da biblioteca acontecesse. Com o apoio do voluntário Márcio Pereira, que está à frente da atividade na comunidade vizinha, Santa Cruz do Tracajatuba I, Rael construiu e organizou o novo espaço”, conta a educadora do programa, Aline Calahani.
2-image012
“Em cada biblioteca rural da Expedição Vaga Lume existem voluntários dispostos a manter as bibliotecas ativas, seja colocando novos voluntários ou até mesmo levando a biblioteca para sua casa, até a construção da sede própria. Em alguma delas, muitos estão trabalhando sozinhos, mas não querem desistir. Eles perceberam o quanto a biblioteca faz diferença para a comunidade. Em outras têm o apoio de uma família inteira e de amigos que admiram quem está à frente desse trabalho”, completa a educadora.

“Biblioteca boa é aquela onde os livros não param nas prateleiras. Nessas comunidades rurais esses espaços são mais que um local de leitura, são ambientes de convívio, onde os moradores se encontram para usufruir de um momento de lazer, conversar, interagir. Eles levam os livros para suas casas, as crianças aprendem a ler mais rapidamente e assim o espaço se mantém sempre dinâmico”, explica a coordenadora da Expedição Vaga Lume pela Semed, Aurilene Tertuliano.
20160915_093931
Vaga Lume é uma organização social, criada em 2001, que desenvolve projetos de educação, cultura e meio ambiente em 149 comunidades rurais de 23 municípios dos 9 estados da Amazônia Legal brasileira e também na cidade de São Paulo, onde está sediada. Em Macapá, o programa recebe o apoio da Semed, que dá suporte técnico aos mediadores de leitura, sendo o elo entre a comunidade e a expedição. A organização fomenta a construção das bibliotecas rurais e doa todo o acervo bibliográfico. Em Macapá, esses espaços são cuidados, zelados e administrados por gente da própria comunidade. Eles existem em nove localidades: Ressaca da Pedreira, Torrão do Matapí, Corre Água, Tracajatuba I, Campina do São Benedito, Salamito, Ponta Grossa, Santa Luzia do Pacuí e São Joaquim do Pacuí.

Rita Torrinha/Asscom Semed
Contato: 99189-8067

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *