Quando éramos reis – Crônica de Ronaldo Rodrigues

Crônica de Ronaldo Rodrigues

Começa assim: o cara não quer se envolver com esse negócio de Copa, que a situação atual do país não permite esse tipo de “alienação”, que tem medo de confiar, se empolgar e o Brasil ficar pelo meio do caminho. Que isso, que aquilo, que aquilo outro, blá, blá, blá…

Em todo caso, ninguém (pelo menos que eu conheça) fica imune ao vírus da Copa do Mundo. A pessoa que quisesse ficar fora disso teria que sair deste planeta ou contar com um poder de concentração e abstração muito forte.

Simplesmente, não dá! Hoje, depois de várias rodadas, vejo aquele cara do começo desta crônica, que só se liga em futebol de quatro em quatro anos, se tornar o mais entendido comentarista, o mais inflamado puxador de torcida.

Eu sempre torci pelo Brasil. Com mais gosto, é verdade, por ter vivido o suficiente para ver muito mais futebol do que o exibido pelo jovem escrete atual. Tempos em que México, Colômbia, Equador, por exemplo e para ficar só na América do Sul, não causavam a menor preocupação. Só precisávamos esperar o fim da partida para conferir o placar, geralmente com não menos do que três gols a nosso favor.

Tempos em que os jogadores exibiam, além do futebol em si, as mais diversas características: pensador (Tostão, Sócrates), esquentado (Renato Gaúcho, Edmundo), marrento (Romário, Marcelinho Carioca), político (Sócrates, Afonsinho), desengonçado (Casagrande, Rivaldo), bom moço (Zico, Bebeto), baladeiro (Ronaldinho Gaúcho), violento (Júnior Baiano), zangado (Dunga), chato (Neto, Túlio), canhoneiro (Rivellino, Roberto Carlos, Branco), folclórico (Dario Maravilha), eficiente (Ronaldo, Careca), elegante (Falcão), moleque (Garrincha), completo (Pelé)… e a lista não terminaria. O ponto em comum era que a maioria dos citados acima entrava em campo e resolvia a parada.

Hoje, o negócio tá meio igual, tudo nivelado por um comportamento que não exponha o jogador ou não o faça perder patrocinador, mas deixemos pra lá essa parte, senão vamos cair em assunto chato e chatice já temos de monte.

Esta crônica não é para chorar o tempo em que éramos reis, quando não existia 7 x 1 no nosso currículo, quando a confiança era total. É para emprestar nossa torcida a um time que sempre venceu dentro de campo e a nossa solidariedade a uma torcida que costuma perder feio do lado de cá da realidade, com a diferença entre os altos salários dos craques e a vida de salário mínimo da maioria dos torcedores. Lá vai a coisa ficar chata de novo. É melhor terminar por aqui, porque, além do mais, o jogo já vai começar.

O clima de desconfiança, de pé atrás, finalmente deixou de existir e vamos com toda a nossa coragem e força e talento arrancar esse hexa! E voltarmos a ser reis.

*Quando Éramos Reis é um documentário sobre o confronto histórico de 1974, no Zaire, entre Muhammad Ali e George Foreman. Pincei o título de um fato do boxe para batizar uma crônica sobre futebol. Tá valendo, porque a ideia é nocautear os adversários, como Ali fez com Foreman.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *