Quem suporta o porte? – Por Patrícia Andrade

No restaurante da rua de trás de casa, o marido da dona conversava com um cliente. O assunto, a liberação do porte de arma ao cidadão comum.

Os dois são a favor. Mas só para o cidadão de bem. Aquele que já tiver assaltado, não pode. O que tiver ameaçado alguém de morte também não pode. Ah, o cara que matou alguém, esse é que não pode, mesmo! Mas quem fizer treinamento, pode. O que bate na mulher, pode? Nenhum dos dois sabe.

Durante a conversa, foram citando nomes de pessoas do círculo comum de amizade e – triste constatação – nenhuma das pessoas citadas pode ter o porte de arma; Fulano porque é muito nervoso, Sicrano porque quando bebe fica violento demais e o Beltrano – ih, esse é brigão mesmo – se ele tivesse uma arma, já tinha matado o vizinho, a sogra, o lixeiro e aquele cachorrinho que não para de latir.

Nem eles mesmos poderiam ter o porte, já que são torcedores fanáticos (um do Vasco e o outro do Flamengo) e correm o risco de atirar um no outro por ocasião de uma pelada qualquer – inclusive a vizinha da esquina, que anda dando umas olhadelas insinuantes para ambos.

Aí, eu me pergunto: quem suporta o porte?

Patrícia Andrade – Poetisa, militante cultural e amante da paz (e da vida)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *