‘Quero mudar a visão sobre a baixada’, diz jovem de periferia que faz oficina de cinema no AP

Rosival Pessoa (de vermelho) aprende primeiros fundamentos da fotografia durante oficina em Macapá — Foto: Victor Vidigal/G1

Por Victor Vidigal

Dez curtas-metragens, cada um com um minuto de duração, serão os resultados da oficina “Curta em 1 minuto”, ofertada gratuitamente esta semana para moradores da Baixada Pará, região de periferia do bairro Pacoval, na Zona Norte de Macapá.

As aulas fazem parte do projeto “Colorindo o Futuro”, do Ministério Público do Amapá (MP-AP) e ensinam fundamentos de roteiro, fotografia e edição básica.

Entre os 50 participantes do curso está o jovem Rosival Pessoa, de 23 anos. Ele, que mora na Baixada Pará desde que nasceu, já tem bem definido o que deseja transmitir com o vídeo que vai produzir.

“Quero mudar a visão sobre a baixada. Nosso objetivo é conscientizar as pessoas de fora de que não é mais aquela realidade violenta de antes. Já tem muita gente fazendo faculdade, trabalhando. Queremos mostrar que lá também tem coisa boa, mas sem esquecer dos nossos problemas ambientais”, afirmou Pessoa, que é estudante de pedagogia.

Segundo o produtor Thomé Azevedo, um dos instrutores do curso, os alunos terão liberdade para colocar no vídeo as próprias impressões que eles têm da comunidade.

“A ideia da oficina é fazer com que os moradores contem a história da comunidade, as dificuldades com o meio ambiente, mas a partir do olhar deles. A gente está aqui para dar suporte, mas a história real vai vir a partir do olhar, do universo e da vivência deles”, garantiu Azevedo.

Moradores se reuniram para pensar no roteiro do curta-metragem — Foto: Victor Vidigal/G1

O curso é uma nova etapa do “Colorindo o Futuro”, que acontece por meio das promotorias de Meio Ambiente e Urbanismo. Existente desde maio, a iniciativa já mobilizou uma limpeza que retirou 19 toneladas de lixo da região, além da oferta de serviços de saúde e jurídicos gratuitos, e oficinas de culinária e carpintaria.

A oficina de produção de produção audiovisual acontece até sexta-feira (30), nos turnos da manhã e tarde. Ao final, será realizada uma mostra com todos os curtas-metragens produzidos pelos participantes.

“A gente quer que a comunidade produza filmes mostrando a realidade, para a gente vivenciar e futuramente entrar com ações para beneficiar eles”, disse Michael Oliveira, perito ambiental e assessor técnico da Promotoria de Meio Ambiente.

Após a oficina de cinema, a comunidade ainda terá oficina de reciclagem, pensando no reaproveitamento dos entulhos descartados nos lagos da área periférica, além de uma ação social de pintura de 100 casas da Baixada Pará.

A proposta é levar ações de cidadania e proporcionar melhor qualidade de vida às pessoas que moram na região. A Promotoria de Meio Ambiente pensa em usar as atividades na Baixada Pará como experiências para aplicar nas outras 36 áreas de ressacas na capital contabilizadas pela instituição.

Fonte: G1 Amapá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *