Rock autoral amapaense: banda Dezoito21 lança Disco Setecismo

A banda amapaense Dezoito21 lançou ontem (23), em um auditório de uma escola de idiomas de Macapá, o disco “Setecismo”, seu primeiro álbum autoral. O lançamento ocorreu durante um coquetel que contou com a presença de apoiadores do grupo musical e familiares dos músicos.  O álbum está disponível, por enquanto, somente em plataformas da internet. A mídia física está pronta em fevereiro de 2019. Um videoclipe está em produção, com previsão para ficar pronto e disponível em janeiro do ano que vem.

O álbum, totalmente independente (custeado pela banda) é marcado por letras e arranjos próprios e característicos do estilo progressivo, contando ainda com participações e influencias de artistas locais. O Disco possui sete canções e tem como temática principal a abordagem do tema relacionados ao ser humano suas individualidades e imperfeições e sua relação com a história da sociedade. São classificadas como rock progressivo, tendo, no entanto algumas inserções bem típicas da musica amapaense, além de andamentos que variam com o desenvolvimento de cada canção.

Dezoito21

A Dezoito21 foi formada em 1996. A banda tem influências voltadas para o rock progressivo, além de estilos como o funk-jazz e diversos nomes da musica popular brasileira e mundial. Desde sua formação, o grupo sempre procurou produzir suas próprias canções, inclusive executando-as em suas apresentações e participando de festivais que ocorrem no Estado do Amapá.

A banda é composta por Geison Castro, Juca Negrão e Alexandre Avelar, amigos e músicos de longa data que levam seu som muito a sério e sempre costumam deixar sua identidade musical bem marcada nas canções da banda.

Eles já participaram de festivais como o Fejoca, em 1999, que rendeu um disco com os demais selecionados, e em 2000, e na Batalha das Bandas, em 2001 e 2003, quando ganhou o primeiro lugar. Com público garantido, a banda é seguida em seus shows e participações em eventos como Grito Rock e PoroRock, que se acostumaram a cantar as músicas autorais reflexivas e progressivas.

O vocalista e baixita da Dezoito21, comentou sobre o álbum:

Setecismo é o nome do nosso disco. Isso se refere ao número sete (por isso é escrito com S, dai o neologismo em se fazer a palavra contendo SETE no corpo.O tema principal é o ser humano, seus sentimentos, imperfeições e qualidades… com enfase no poder revolucionário do amor.

As canções travam uma batalha ideológica entre os números seis e sete, em representatividade ao que seria respectivamente humano e divino, imperfeito e perfeito… o número seis, atribuído ao ser humano, seria o momento inacabado de um ser que busca evoluir e alcançar seu estado final de ser divino e espiritual. O número sete, seria atribuído ao divino (Deus). Seria como se a busca pelo setecismo fosse a busca pela pureza e por uma aproximação de deus… através do amor. Nesse aspecto destaco as canções “O fim do Ser” e “70×7” como maiores bandeiras.

https://www.onerpm.com/al/9383646190

Além dos aspectos ligados a essa busca individual pelo aperfeiçoamento do ser humano, as músicas também trazem um peso crítico sobre os conflitos sociais trazidos pelas relações humanas na sociedade atual… Cito as canções “Sentidos que não sentimos I” e “Raciocínio Emocional” como propagadoras dessas críticas.

Cada música tem um momento histórico e a maioria já foi composta a pelo menos uma década, mas as considero atuais.

No mais, cabe dizer que tudo aqui foi feito com muito carinho e cuidado para que o ouvinte possa ter uma experiencia auditiva agradável e, de quebra, faça uma reflexão sobre os temas propostos, a nível pessoal ou social”, pontuou Geison Castro.

O disco pode ser escutado e baixado em plataformas na internet. Clique na imagem e confira: 

Não esqueça de seguir a Banda nos diversos canais :

https://www.facebook.com/Dezoito21-256238387784535/

https://www.instagram.com/dezoito21/

http://bandadezoito21.blogspot.com.br/?m=1

https://soundcloud.com/bandadezoito21

https://m.palcomp3.com/dezoito_21/

Meu comentário: já vi assisti vários shows da Dezoito21. Aliás, eu estava lá no Teatro das Bacabeiras quando eles venceram o Festival Jovem da Canção (Fejoca), há 19 anos. De lá pra cá, já foram muitas apresentações memoráveis, como o último, no Tributo aos Engenheiros do Havaí, em 2016. Não pude ir ao lançamento e peço desculpas. Mas escutei algumas coisas autorais e boto fé nesse disco. Desejo muito sucesso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *