Rocketman: um filme PHODA!

Amo Rock e Cinema. Quando essas duas coisas estão juntas então, é muito porreta! Rocketman, lançado no final de maio de 2019, conta a história do icônico cantor e compositor Elton John. A cinebiografia é linda, emocionante e prende quem a assiste do início ao fim, de uma forma muito paid’égua!

Nunca fui um fã declarado de Elton John, mas sempre soube que ele é um artista ímpar e também curto muito algumas de suas canções a vida toda (assim como Phil Collins e Bruce Springsteen, outros dois caras fodas que não escuto sempre, mas dou valor).

Dirigido por Dexter Fletcher, a película teve produção direta de Elton John, interpretado de forma brilhante pelo ator Taron Egerton. Com trilha que que reúne os sucessos do astro britânico, o longa é fantástico! A forma que as canções do astro são cantadas é um espetáculo a parte.

A extravagância, solidão, vício, luxúria, tristeza, raiva, depressão, alegrias, sucesso astronômico, absurdo talento, enfim, todos os problemas e glórias na vida de Elton John são contados de forma sensacional. O filme fala de parte da vida com a falta de amor, do excesso de genialidade, problemas familiares, homossexualidade e do ser humano que o protagonista é. A história também fala de superação e amizade sincera (com Bernie Taupin, compositor e parceiro interpretado pelo ator Jamie Bell).

Rocketman revisita a história de Elton desde que ele o pianista mirim autodidata, Reginald Dwight (nome original de Elton John), um geniosinho da música e todos os seus traumas crescem junto com seu talento. Em contra ponto, o filme também mostra o artista com um baita cara, é performático, divertido e gente boa, apesar de várias situações escrotas de sua vida, boa parte delas culpa do ex-empresário (Richard Madden). A direção de arte e o figuro são outros pontos fortes do filme, elementos que enriquecem a película.

O mais firme na trama é o fato de Elton John não ter minimizado ou maquiado seus excessos. A narrativa escolhida para discorrer sobre o homossexualismo, abuso de álcool e outras drogas do músico é elegante e diferente de qualquer outra coisa do cinema.

Mesmo de forma lúdica, o filme conta como Elton vai de encontro ao seu passado, encontra e exorciza seus fantasmas e se reinventa, tão ou mais brilhante quanto antes. O artista se descortina e mostra os detalhes de cagadas em série e momentos de pura magia musical.

O filmaço é realmente do homem foguete, pois Elton é um fenômeno musical, visual e, agora, cinematográfico. Tomadas, roteiro, jogo de câmeras, contextualização das músicas com a história são um espetáculo que somente poderiam ser fruto da história de um cara como Elton.

 

Como disse lá no início desta resenha, nunca fui um fã declarado de Elton John. Quer dizer, não era. Conhecia umas 15 músicas, mas não paro de escutar as canções do inglês desde a última sexta-feira (31), quando assisti e me emocionei com Rocketman, um filme realmente PHODA!

Elton Tavares

Ficha técnica:

Data de lançamento 30 de maio de 2019 (2h 01min)
Direção: Dexter Fletcher
Elenco: Taron Egerton, Jamie Bell, Richard Madden mais
Gêneros Biografia, Comédia Musical
Nacionalidade Reino Unido

Trailer do filme:


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *