Se outro nome – Crônica de Ronaldo Rodrigues

Crônica de Ronaldo Rodrigues

E se um dia eu acordasse com meu nome sendo outro nome? Outro nome, outro codinome, outra vida, outras vidas, uma vida por dia, várias vidas ao mesmo tempo, no mesmo dia.

Se de repente eu percebesse que meu nome é Marco Polo, René Magritte, Clarice Lispector?

E se alguém perguntasse meu nome e, quando eu fosse dizer o nome que sempre me acompanhou, saísse outro nome: Arthur Antunes Coimbra, Theda Bara, José Mojica Marins.

E se eu acordasse Albert Sabin, Penélope, Humphrey Bogart? Se de manhã fosse Tim Maia, Pola Negri ou Pepe Mujica e, ao meio-dia, mudasse para Pancho Villa, Arthur Bispo do Rosário, Elvis Presley?

No café da manhã, seria Eden Pastora, James Cagney, Gerônimo. No almoço, Martha Medeiros, Shang-Chi, Suzana Flag. No jantar, Fernando Pessoa, Lex Luthor, Vladimir Maiakóvski.

Entraria no cinema e lá me transformaria em Fred Flintstone, Al Capone, Alec Guiness. Ao sair do cinema seria Mata Hari, Stuart Little, Wolfgang Amadeus Mozart.

Alguém entenderia se meu rosto fosse da Greta Garbo, na carteira de identidade aparecesse o nome Bono Vox e o nome que constasse na carteira de motorista fosse Eder Jofre?

Ser Bob Dylan, Kunta Kinte ou Charles Bukowski um pouco por dia, só de chinfra. Já pensou? Ser Chico Buarque por cinco minutos seria uma boa, hein?

Sempre que fosse dizer meu nome outro nome brotaria da minha boca: Mick Jagger, Bruce Lee, Roberto Rivellino.

Já na universidade seria Stephen Bantu Biko, Tex Willer, Jorge Luís Borges. Na vizinhança, meu nome seria Paulo Leminski, Vito Corleone, João do Pulo. Nos bares, emergeria o nome de Sônia Braga, Camilo Cienfuegos, Black Jack Tarr.

Há alguns nomes que acho de grande beleza: Florbela Espanca, Dalcídio Jurandir, Eneida de Moraes, Raimundo Fagner, Massimo Matioli, Álvaro Apocalypse, Pixinguinha, Carlos Drummond de Andrade.

Mas vou terminar esta crônica e esta vida com o nome que me foi dado lá no princípio de tudo. O nome que odiei, o nome que amei, o nome que me assinalou no meio de tantos nomes. Esse nome que é Ronaldo Rodrigues, que é Ronaldo Rony, que não é rima nem solução para o mundo, e que é também (por que não?) Djavan, Millôr Fernandes, Mauricio Babilonia, Berlim, Tom Zé, Doroteia Cabral, Lápis-Lazúli, Billy Podre, Sabino Navegante, Rita Lee Jones, Rasputin, Aureliano Buendía, Tereza Batista, Arnaldo Antunes, Virginia Woolf, Virgulino Ferreira, Capitão Nemo, Esmeralda Borges, Hermeto Pascoal, Lee Oswald, Bram Stoker, Muhammad Ali, Diego de la Vega, Jesse James, Charlie Chaplin, Bruce Benner, Jesus Cristo…


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *