Sem destino, sem dogma e sem fé

“O mundo não é um sistema ordenado, não é um cosmos, é um aspecto passageiro de um processo mutável e múltiplo cujos cambiantes não se conseguem prever, cujo objetivo nos é incompreensível. As leis que Zeus introduz não são eternas e insondáveis leis da natureza, mas o resultado de um equilíbrio entre tendências em contraste; a todo momento o caos pode irromper sobre nós. Com isto, o racionalismo científico não é excluído uma vez por todas da nossa consideração. É uma das fábulas que contamos para suportar temporariamente o absurdo que nos rodeia.”

“O nonsense e a fé, por muito estranha que possa parecer a ligação, são duas supremas afirmações desta verdade: não é possível arrancar a alma das coisas com um silogismo; aquele que estudando apenas o aspecto lógico das coisas, chegou a conclusão de que ‘a fé é nonsense’ não sabe como são verdadeiras suas palavras; poderá replicar-se que ‘o nonsense é fé’.”

— Gillo Dorfles, em seu livro “Elogio da desarmonia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *