Seminário e caminhada pela Igualdade Racial e Religiosa marcam o início da programação do dia Estadual dos Cultos Afro Religiosos em Macapá

FB_IMG_1462276800421

Acontece nesta sexta-feira, 06, no salão de Cerimoniais do Palácio do Setentrião, o I Encontro Inter-Religioso do Estado do Amapá, realizado pela Liga Independente das Religiões Afro-ameríndias do Amapá – LIRA, sob a coordenação do Babalorixá Marcos José Ribeiro dos Santos, conhecido na Tradição de Orixás como Odé Olufonnin.

O Seminário tem, entre outros objetivos, conceder à algumas autoridades do Estado o Selo de Promoção da Igualdade Racial do Amapá, pelo reconhecimento à destacada atuação em prol da causa da valorização, da integração e da tolerância racial e religiosa, de cada uma das personalidades que serão homenageadas nesta cerimônia.

O evento no Setentrião marca a abertura da programação em comemoração ao 08 de Março, dia Estadual dos Cultos Afros Religiosos, instituído no âmbito do Estado do Amapá pelo projeto de lei nº 0933/05, de autoria do então deputado estadual Randolfe Rodrigues. A data faz referência a primeira celebração Afro-Religiosa realizada no Amapá, um Tambor de Mina ocorrido no dia 08 de março de 1962 e foi presidido por Dulce Maria Moreira, a saudosa Mãe Dulce.

12510507_1252741014741326_6252200973616632001_n-768x508
Foto: Henrique Silveira

Além do Seminário pela manhã, na tarde de sexta-feira ocorrerá uma grande Caminhada em favor da igualdade racial e religiosa, promovida pela LIRA em parceria com outras entidades ligadas às tradicionais comunidades de terreiros: FECARUMINA, ABYOA e CENS e com o apoio do GEA através da SEAFRO. A caminhada, que tem concentração marcada para a praça da Bandeira, sairá as 17h em direção ao Trapiche Eliezer Levy, onde a programação do dia será encerrada com um grande Tambor de Mina.

Os organizadores fazem um convite a todos que são contrários a qualquer tipo de descriminação que se façam presentes, vistam-se de branco e compareçam ao evento para manifestar seu apoio a luta por uma sociedade mais tolerante e menos discriminadora e preconceituosa.

Fonte:Notícias do Brasil e do Mundo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *