Sensação térmica pode chegar a 41°C em julho no Amapá, diz meteorologista – Égua-moleque-tu-é-doido!

Por Fabiana Figueiredo

As sensações térmicas entre os amapaenses deve chegar aos 41°C durante o mês de julho, segundo o Núcleo de Hidrometeorologia e Energias Renováveis (NHMET) do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá (Iepa). O especialista reforça que, apesar do aumento da temperatura e sensação térmica, o período ainda terá chuvas.

“A sensação térmica vai depender de onde a pessoa vai estar. Se ela está em uma área florestada, vai sentir um clima mais agradável, com sensação térmica de 28°C, 29°C. Já num centro urbano, cheio de asfalto, concreto, a sensação térmica nessa pessoa aumenta demais, podendo chegar os 41°C”, detalhou o meteorologista Jefferson Vilhena.

É um clima que vai na contramão do país, um período de menos chuva, conhecido como ‘verão amazônico’. É normal, então, que aos fins de semana, em balneários perto da cidade, a sensação térmica chegue próximo dos 40°C, segundo o especialista. Ele também define o mês como “altamente variável”, porque ainda pode chover.

“O que temos na realidade é que a gente tem um período menos chuvoso. Temos mais horários com céu aberto e cheio de nuvens. Não vamos ter céu totalmente aberto e sem nuvens agora, somente em setembro ou outubro. Nos termômetros, as temperaturas chegam próximas aos 33ºC, 34°C. Temperaturas acima disso, só para setembro ou outubro que é o pico do período menos chuvoso”, explicou.

As previsões, segundo Vilhena, é de que possa chover entre 200 e 300 milímetros de água no mês de julho, mas a tendência é ir diminuindo a quantidade. “Julho é um mês instável para a meteorologia, já que tem toda essa mistura de climas”, acrescentou.

O meteorologista destaca que a região do Amapá sofre diferentes influências para apresentar o clima que tem, entre chuvoso e menos chuvoso, principalmente a linha imaginária do equador, que possui um marco em Macapá que é um ponto turístico da região.

“As estações do ano seguem a posição do sol no céu. Para os que estão mais ao sul do país vão ver o sol se movimentar no céu durante o ano. Já nas regiões mais no centro do planeta, onde nós estamos, o sol inclina um pouco, mas não é suficiente para ter uma variação de temperatura”, comentou.

Sobre as chuvas, Vilhena detalha que “nas cidades localizadas próximas à linha do equador, como o Amapá, sempre tem chuvas muito intensas, duram quase todo o ano, e não tem período seco. E é por causa dessa localização próxima à linha do equador, onde há área florestada e com chuva. A floresta só existe devido às chuvas, que dá condições para as florestas crescerem”.

Neste fim de semana, a previsão é de muito sol, com chuvas somente para a região Norte do estado, que devem atingir os municípios de Calçoene e Oiapoque. Para o restante do mês, a previsão segue instável.

Meu comentário: pois para mim está mais quente a cada ano. Clima de inferno mesmo, sentido literalmente na pele. Minha prima Lorena diz que, quando o derretimento do polo Norte e o gelo do Ártico diminuir tanto que o mundo começará a morrer, seremos os sobreviventes, pois estamos habituados ao clima infernal (risos).

Fonte: G1 Amapá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *