Setores apresentam contribuições para o sistema de serviços ambientais do Amapá

Setores governamentais, instituições de ensino e pesquisa, setor empresarial, representantes da sociedade civil, dos povos indígenas, quilombolas, das comunidades tradicionais e das associações de mulheres se reuniram virtualmente nesta quarta-feira, 26, para participar do workshop de devolutiva do Sistema Estadual do Clima e Incentivo aos Serviços Ambientais – o Secisa. O evento foi realizado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) e teve como objetivo apresentar as contribuições de cada setor para a construção do sistema.

Durante a reunião, as principais contribuições apresentadas pelos setores foram a integração entre diversas instâncias governamentais, repartição justa de benefícios; necessidade de equidade de gênero no âmbito do conselho do Secisa; valorização do comitê científico; promoção de cadeias da sociodiversidade e apoio à educação nas comunidades tradicionais.

O público envolvido participou no início do mês de agosto de reuniões setoriais que abordaram os mecanismos de participação popular, distribuição de benefícios e programas estruturantes desse sistema.

“Há alguns estudos encomendados que darão suporte ao Secisa, entre eles o de bioeconomia, de cenário de desmatamento, e de geoespecialização dos usos das áreas protegidas”, destacou a coordenadora do setor para Clima e Serviços Ambientais, Mariane Nardi.

O Secisa terá o objetivo de reconhecer, incentivar e fomentar as atividades de mitigação e adaptação às mudanças climáticas e conservação dos serviços ambientais no Amapá. Além disso, será uma forma de resguardar os direitos das populações vulneráveis, tradicionais, indígenas e quilombolas.

O workshop contou com o apoio do Instituto BV Rio e EcoSecurities. Os próximos passos para a construção do Secisa serão a consulta pública e a regulamentação do sistema.

A construção do Secisa faz parte de um dos resultados dos esforços conjuntos da força-tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas (GCF), através do projeto “Florestas pelo Clima Amapá”. O sistema foi viabilizado por uma parceria com a Conservação Internacional (CI-Brasil), por meio de doação da Noruega e gestão do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Serviço:

Alessandra Lameira
Assessora de Comunicação/Consultora da CI Brasil/Projeto Floresta pelo Clima
(96) 981197655

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *