Sobre divulgações e os “caras de pau” – Égua-moleque-tu-é-doido

Quando perguntam qual a minha profissão, digo que sou jornalista, assessor de comunicação e editor de um site e escritor. Aqui nesta página gosto de divulgar cinema, teatro, poesia, atrações musicais, arte, enfim, cultura em todas as suas vertentes. Certa vez, li que toda divulgação para cultura ainda é pouco. Concordo. Também publico informações relevantes sobre o Amapá, Brasil e mundo. Além de elogiar, também critico quando acho que é preciso.

Para muitos, isso aqui é brincadeira. Para mim, não. Começou como uma forma de escrever do jeito que quero e sobre tudo que eu tiver vontade. Claro que, como todo mundo, às vezes cometo alguns erros, mas há muito, não sou um “editor amador”. Sim, senhores e senhoras que costumam ler o De Rocha, existem os amadores e os profissionais. E são facilmente reconhecidos.

Quase sempre divulgo tudo de graça, mas por vontade de ver a coisa acontecer ou por amizade que tenho com muitos músicos, produtores, artistas e principalmente assessores de comunicação. Estes últimos, jornalistas que cavam espaços em páginas eletrônicas, TV, Rádio e jornais impressos.

Só que alguns confundem e exigem (sim, exigem) que eventos, em que os exigentes ganharão dinheiro, sejam divulgados aqui. Às vezes, publico pelo assessor e NUNCA pelo ingresso ou mesa de tal acontecimento.

Cara chega e diz “nossa, ótimos textos e bela iniciativa. Divulga o meu evento?”. Aí você diz: tá beleza, pague e seja um parceiro do site. Nisso, o cara que vai ganhar mil ou milhares, responde: “não dá, tá difícil”, (risos). Assim não é possível. Faça-me o favor!

Continuarei postando aqui o que me der vontade, mas nunca uma mentira. Como dizem no velho Latim: Verum, dignum et Justus Est! (É verdadeiramente digno e Justo). Esse desabafo não é pra todos, mas para alguns caras de pau, que se acham sabidos. O problema é que, como diz o adágio popular, a esperteza às vezes engole o dono.

Mas a gente gosta da cultura do Amapá e segue a divulgar, mesmo de graça (na maioria dos casos).

Elton Tavares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *