A tacacazeira de olhos ternos e largo sorriso – Por @alcinea

cuia

Olha aí a Prefeitura plantando uma Cuieira já adulta no Residencial São José. É uma homenagem a todas tacacazeiras de Macapá, em especial aquelas que já partiram.

Dentre as que já partiram guardo na memória ternuras de dona Mangabeira, uma negra de olhar límpido, sorriso largo e dentes tão brancos como os guardanapos de algodão que ela mesma fazia para cobrir as panelas.

Foi uma das primeiras tacacazeiras da cidade. Era do bairro da Favela. Sua banca (naquele tempo não tinha os carrinhos de hoje) era montada na esquina da rua Leopoldo Machado com avenida Almirante Barroso. De longe se sentia o cheiro do tucupi. Esse cheiro dava água na boca atraindo tanta gente para sua banca. O camarão era vermelhinho e o jambu treme-treme.

Aos domingos, a movimentação era bem maior. Era parada obrigatória de quem passava por ali para ir ao estádio Glicério Marques assistir aos clássicos da época.

A todos – autoridade ou peão – Mangabeira atendia com alegria, contava histórias, fazia o tacacá do jeitinho que o freguês pedia.

bebc3a9 (1)

Dona Bebé – Tacacazeira – Foto: Blog do João Silva

– Mais goma ou tucupi? Quantas colheres de pimenta? Quer mais jambu?

E o freguês ia dizendo como queria.

De muitos ela sabia o gosto e já nem perguntava.

Contava que meu pai, o poeta e jornalista Alcy Araújo, era o único que tomava tacacá sem goma.

Mangabeira tinha um carinho especial pelas crianças. Para elas servia o tacacá em cuia menor e nada de pimenta.
Às vezes um moleque mais ousado pedia que ela colocasse um pinguinho. E ela, cheia de doçura, respondia: “Meu filho, criança não come pimenta”. E o moleque não insistia. O convencimento, tenho certeza, não era pelas palavras, mas pela doçura com que ela falava.

Lucy-CIMG4200 (1)

Tacacazeira Luci – Foto: Blog da Alcilene

Além de tacacazeira, Mangabeira era excelente lavadeira. Daquelas que botava a roupa “pra quarar” e engomava usando ferro a carvão. Era também benzedeira, tirava quebranto de criança, fazia banho de cheiro pra curar gripe, catapora e sarampo e chás e garrafadas pra todos os tipos de males.

Mangabeira era uma imagem forte na paisagem do meu bairro e é uma das belas recordações da minha infância.

Alcinéa Cavalcante

Meu comentário: assim como a querida Alcinéa, tacacazeiras também fazem parte da minha memória afetiva. Não lembro da Mangabeira, descrita pela nobre amiga no texto acima. Mas recordo da dona Bebé e da dona Luci, saudosas vendedoras de tacacá da Macapá dos anos 80 e 90.

Foi bacana lembrar disso, pois quando moleque, sempre ia tomar o caldo de tucupi e goma com meus pais e irmão. Depois a gente comia o beijo de moça. Bons tempos. Parabéns à PMM pela iniciativa e a Alcinéa pelo texto carregado de boas lembranças.

Fonte: Blog da Alcinéa.

Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*