‘Temos um povo que canta’: Patrícia Bastos faz a ponte entre o som do Amapá e o restante do Brasil

Patrícia Bastos – Foto: divulgação

Por Augusto Diniz

A cantora Patrícia Bastos conta uma das versões sobre a criação de um ritmo típico do Amapá: escravizados que chegavam àquelas terras, exaustos, morriam e eram jogados ao mar. “Então, cantavam com as alfaias, que são as caixas de guerra, uma música uma música que era o marabaixo, uma música de lamento. Acorrentados, eles cantavam, dançavam e choravam, pedindo para que aquela alma fosse salva.”

Atualmente, o Amapá mantém mais de uma dezena de comunidades quilombolas, com seus conhecidos batuques. No estado, há uma grande influência da música da Guiana e do Caribe, como o zouk e o cacicó.

“A gente ouve desde criança. Essas músicas animavam as festas. Isso influenciou muito a nossa música, o batuque de curiaú, como chamamos”, relembra. As músicas dos países vizinhos chegavam ao Amapá pelas ondas do rádio e por discos – que o pai de Patrícia comprava no mercado central da capital.

Patrícia Bastos – Foto: divulgação

Esses ritmos associados à influência dos povos originários da região estão presentes no trabalho de Patrícia Bastos, e seu último álbum (o oitavo solo), a Voz da Taba, celebra a confluência da cultura amazônica.

Trata-se da parte final de uma trilogia, composta também por Zulusa (2013) e Baton Bacaba (2016). “Agora, Voz da Taba traz mais uma música para dançar, é uma festa.”

Nos três trabalhos, a direção musical e os arranjos são de Dante Ozzetti.

“Queria um arranjador-pesquisador que viesse aqui e conhecesse essa música, a nossa história, a melodia, nossos ritmos, mas queria algo que não fosse regional. Queria que passasse disso”, relata a artista. “O Dante conseguiu fazer isso muito bem. Ele deixou muito clara a essência de nossa música, que é o marabaixo, nosso batuque. Ele universalizou isso.”

Dante Ozetti estuda os sons amazônicos há um bom tempo e, em 2016, chegou a lançar o instrumental Amazônia Órbita, a partir de pesquisas de ritmos locais, como lundu indígena, marambiré, carimbó, marabaixo e cacicó.

Para o mais recente trabalho de Patrícia Bastos, ele chegou a ir a Guiana Francesa e Suriname para pesquisar as influências amapaenses.

A Voz da Taba tem a participação de Caetano Veloso, Ná Ozzetti, Fabiana Cozza, Alzira E, Cristóvão Bastos, Orquestra Mundana Refugi, entre outros.

“É bom sempre trazer pessoas, para que haja um olhar sobre a Amazônia. Pessoas que pensam como a gente, que são ativistas, que têm essa luta, igual à minha, de meu povo.”

Sobre a participação de Caetano Veloso, ela diz se tratar de um sonho realizado. O baiano gravou Jeito Tucuju, obra do poeta Joãozinho Gomes musicada por Val Milhomem.

A letra reforça a necessidade de conhecer a Amazônia no seu âmago: “Quem nunca viu o Amazonas/ Nunca irá entender a vida de um povo/ De alma e cor brasileiras/ Suas conquistas ribeiras/ Seu ritmo novo”.

“Sempre o via cantando essa música, esse hino cultural”, celebra a cantora. “Ele deu voz nessa luta para que as pessoas olhem a Amazônia.”

Além de Joãozinho Gomes e Val Milhomem, o disco traz outros compositores da região, como Enrico di Micelli, Paulo Bastos e Ronaldo Silva.

“O Amapá é um estado de que poucas pessoas falam. É difícil chegar aqui. Nós temos um povo que canta. A forma A forma de eu fazer isso é através da música.”

Assista a entrevista com Patrícia Bastos aqui: 

Fonte: Carta Capital

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *