“Trovão Azul”, o Chevette do Bruno (uma crônica minha sobre um carro, amizade e boas lembranças)

chevette-l-93-93_e5140132
Ao procurar curiosidades sobre a data de hoje, li que o último Chevrolet Chevette, carro da General Motors que foi lançado no Brasil em 1973, saiu de fábrica em 12 de novembro de 1993. E lá se vão 24 anos.

Meu pai teve esse modelo de automóvel. Aliás, meu velho possuiu dois Chevettes: um branco, que comprou zero Km na Sevel, todo bonitão, com painel emadeirado e tudo, e outro na época de vacas magras, amarelo e todo corroído, que apelidamos de “fuinha”. Era horrível aquele carango!

20394084
Mas sobre Chevettes, lembrei mesmo foi do “Trovão Azul” (em alusão à série de TV na qual um helicóptero era chamado assim), o carro do querido amigo Bruno Jerônimo. A gente aprontou muito naquela viatura de doidos.

417283_103914926405246_1060006186_n
Eu e Brunão

O Trovão Azul era igual a coração de mãe, sempre cabia mais um maluco. Ali não pegava mau olhado, era protegido por São Raul Seixas e devidamente defumado. Bons tempos aqueles do Chevette do Brunão, Quiosque Norte Nordeste (na Praça Floriano Peixoto), da antiga turma.

O Trovão Azul não tinha acessórios e nem ar condicionado. Nem era superconfortável, mas todos queriam andar naquele Chevette. Ora, senão!

Lembro de uma vez que íamos, eu e Bruno, para a casa da Giselda, lá no Boné Azul, era niver da Luíza, filha dela. Dois motoqueiros bateram com capacete em cima do Trovão Azul… deu muita raiva, quase sai porrada, mas eles foram embora. Tantas emoções, já diria o Roberto…

00-abertura1
O Samuel transformou o Trovão Azul num Chevette de playboy…

O Trovão Azul percorreu Macapá e nos levou em várias aventuras e poucas desventuras. Ele era um carro velho, mas cheio de histórias bacanas, totalmente impublicáveis.

Os anos passaram, o Brunão vendeu o Trovão para o Samuel (que o transformou num Chevette de playboy), as coisas mudaram muito, cada um da velha turma cuidou de si e a vida seguiu.

Naquela época, a gente vivia contanto moedas para nossas reuniões etílicas regadas a rock. E isso é uma lembrança feliz. E como é!

Elton Tavares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *