Tudo o Que Você Precisa É de Amor

images (2)

Há tempos, lii um texto que me fez refletir. Leia: “Não foi a toa que Gandhi, John Lennon e Martin Luther King, por exemplo, bateram nessa tecla há tanto tempo. Pesquisadores de Harvard analisaram a vida de 268 homens por 72 anos e observaram, entre outras coisas, como mudamos quando envelhecemos e quais coisas são mais prováveis de nos fazerem feliz e satisfeitos na vida. O curador chefe do estudo, George Vaillant, um psiquiatra que dirigiu as pesquisas de 1972 a 2004, escreveu um livro para descrever suas descobertas e disse ao Huffington Post que o estudo mostrou há dois pilares para uma vida feliz: “um é o amor. O outro, encontrar uma maneira de lidar com a vida que não afaste o amor.”

Mais de uma vez, quando perguntado o que ele observou que é realmente importante na vida, Vaillant confirmou: “a única coisa que realmente importa na vida são seus relacionamentos com outras pessoas”. Talvez seja necessário dizer que Vaillant não está falando só de relacionamentos amorosos, mas de seus amigos e da sua família, também. Daniel Gilbert, outro pesquisador de Harvard especialista em felicidade, pontua: “somos felizes quando temos família e amigos, e quase todas as outras coisas que nos fazem felizes são apenas jeitos diferentes de conseguir mais família e mais amigos.”images

Por isso, sempre digo que amo minha família. Pois é, amo e muito. E quando falo família, falo dos do meu sangue e dos amigos.

Também amo minha profissão. Tudo bem que, às vezes, é um amor aflito, por conta dos percalços. Mas faz parte e problemas existem em toda atividade profissional.

Amo a chuva dos verões, minhas canções prediletas, a reunião de gente querida, o beijo na mãe, a presença do irmão e a lembrança do pai. Amo tanta coisa pequena e grande que é impossível descrever . Tudo sensacional, se notado e dado o devido valor.

Só o amor se garante com situações que, no primeiro (em muitas delas também no segundo) nos batem de forma arrasadora.

Por causa do amor tanta coisa já se inventou e nós nos reinventamos. Como disse o poeta: “é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã”. Ok, a elas e nós mesmos. É isso.

Obrigado à todos que me amam, mesmo com este meu “jeito estúpido de ser”. Seguimos em frente, com pensamento positivo na cachola e muito amor no coração!

Elton Tavares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *