Uma análise do Coringa

Vou tentar me ater apenas à sua personalidade mais marcante eternizada em A Piada Mortal e revisitada em O Cavaleiro das Trevas.

Pode-se supor que algumas características de sua personalidade foram atenuados com a loucura e que seus lampejos de insanidade o levaram até o acidente que deixou ele daquela maneira.

Não devia ser muito ganancioso, talvez chegando ao ponto de só se dar conta que precisa do dinheiro quando ele realmente fizesse falta.

Muito emotivo, na grande maioria dos casos, ele não teria controle sobre os seus sentimentos, agravando sua impulsividade.

Não deve ter tido muitos amigos, mais por falta de iniciativa própria do que por qualquer outro motivo. Isso pode acabar levando-o a ter seu relacionamento com mulheres quase todo resumido à prostitutas, o que talvez o tenha levado a ter um contato mais freqüente com o submundo de Gotham.

A aparência, caso não tenha sido originada pelo acidente químico, é a personificação do medo que ele poderia ter por palhaços na infância. Já sua violência e a predileção por facas e armas de combate corpo-a-corpo devem ter vindo após isso, como um alimento para seu lado mais sádico e como um amplificador da sensação de medo que o Palhaço do Crime poderia gerar.

A característica de “ser como um cão perseguindo carros, que não sabe o que fazer quando os alcança” ou em outras palavras, alguém que age por impulso, sem planos deve ser uma das coisas que formavam o homem antes do coringa.

Uma pessoa impulsiva, provavelmente humorada que demorava muito para perceber o que fez foi certo ou errado, já que era a adrenalina quem comandava suas ações.

Infância violenta pode ser a responsável pela tendência a encarar tudo como uma piada, característica essa que também deve ter sido sufocada pela timidez.

Com certeza usava isso tudo para mascarar suas timidez e insegurança.

E é disso que provavelmente é e foi formada a mente de um dos mais icônicos e importantes vilões da história dos quadrinhos.

  • e é por isso que também creio que o Coringa é um dos mais importantes vilões dos quadrinhos, pois em tudo a construção de sua personalidade e histórico foi muito bem trabalhada. A loucura, insanidade, crueldade, humor ácido e negro, violência são características que me atraem em particular, não elas em si, mas as formas como são apresentadas neste fascinante personagem. Não à toa que sou fã dele rsrs :P. Parabéns André, copiei a postagem tambe´m, bjus

  • sou fã do coringa desde criança, nos tempos do jack nicholson joker e daqele desenho fodaço do batman q passava no sbt, o batman animated series, e, é claro, do filme de 2008.
    e acho q o mais foda no personagem é exatamente o fato d q ningem sabe qem ele é, nem ele mesmo.
    se fosse diferente n teria tanta graça. nos gibis mesmo nunca esclareceram qem ele é. e isso já é assim desde a criaçao do personagem, nos anos 40, quando se inspiraram num filme alemão chamado “o homem q ri” pra criar o joker.
    é claro q existem algumas versoes da origem dele, mas nenhuma delas é tratada como 100% confiável. enquanto na piada mortal mostram ele como um mané qualquer q um dia pirou o cabeção, existem outras versoes em q ele é mostrado como um ex-gangster completamente pirado q um dia resolveu ficar ainda mais surtado.
    e espero q isso nunca mude, faz parte da motologia dele. o coringa é quase uma força da natureza, e toda essa confusão é o q resume toda a ideia anarquista q ele representa.

  • lol verdade as frases do Coringa são muito phodas.

    Gosto muito de “Se você é bom em alguma coisa, nunca a faça de graça” e também “Eu não sou um monstro. Só estou na vanguarda”

    hahahahahha adoro este cara

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *