X Encontro Nacional de Memoriais do MP alcança seu objetivo na troca de experiência sobre documentação e memória

Encerrou nesta sexta-feira (1º), o X Encontro Nacional de Memoriais do MP realizado pelo Ministério Público do Amapá (MP-AP), na Procuradoria-Geral de Justiça – Promotor Haroldo Franco. O evento, iniciado na última quinta-feira (31), possibilitou o compartilhamento de informações e troca de experiências entre profissionais e instituições ligadas às áreas de documentação e memória, e que contou com palestras de especialistas no assunto.

Pela manhã, os coordenadores do Centro de Memória do Ministério Público do Espírito Santo (MPES), Paulo José da Silva e Simone da Silva Ávila, proferiram palestra sobre “Imagens e narrativas na construção da história do Ministério Público”. Logo após, a coordenadora do Centro de Memória MP do Rio de Janeiro (MPRJ), Nataraj Trinta, ministrou a palestra “Caminhos da Cidadania”.

A programação contou, ainda, a convite do presidente da Comissão de Execução do Projeto Memorial do MP-AP, promotor de Justiça Ricardo José Ferreira, com uma explanação do desembargador do Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), Eduardo Contreras. O magistrado discorreu sobre a atuação do Sistema Judiciário no Estado, elogiou a atuação do MP-AP e a iniciativa do órgão ministerial em realizar o evento.

Carta Amapá

O encerramento do X Encontro Nacional de Memoriais do MP ocorreu com a apresentação da Carta Amapá, documento assinado pelos representantes dos MPs dos Estados assumindo o compromisso da preservação da história do Ministério Público brasileiro, como estrutura que zele pela memória do MP em cada unidade ministerial do país e a montagem de uma equipe técnica qualificada na implantação de memoriais onde estes ainda não existem. Deliberaram, ainda, que o XI Encontro Nacional de Memoriais do MP será realizado em Goiás, em 2020, e o XII evento, no Rio de Janeiro, em 2021. (CARTA_AMAPÁ_-_X_ENCONTRO_DE_MEMORIAIS.pdf)

Encerramento

A procuradora-geral de Justiça do MP-AP, Ivana Cei, agradeceu aos membros e servidores que trabalharam na organização do Encontro e reforçou a importância do resgate histórico, que também rememora a trajetória de luta do MP, local e nacional, em prol da sociedade.

“Fico muito feliz com este evento porque nós estamos passando por um momento muito difícil para o Ministério Público e a magistratura, em nível nacional. E, quando os centros de memória se reúnem pra contar nossa história, isso nos fortalece, nos dá identidade. Os centros de memória mostram a real importância do MP e da magistratura brasileira e esses encontros, principalmente, na Amazônia são muito representativos”, manifestou Ivana Cei.

Ao final, o procurador de Justiça e coordenador do MP-Memória, Márcio Augusto Alves, agradeceu o apoio da administração superior do MP-AP, na pessoa da PGJ Ivana Cei, do procurador de Justiça Nicolau Crispino e do secretário-geral, promotor de Justiça Paulo Celso Ramos, pelo apoio técnico e financeiro na realização do evento, bem como ao promotor Ricardo Ferreira e todos os servidores que se dedicaram na organização.

“Foram dois dias intensos de compartilhamento do conhecimento, mas de forma leve e harmoniosa. Encerramos este Encontro com muita alegria de poder dividir com todos os participantes esses momentos tão especiais. Obrigado a todos”, agradeceu Márcio Alves.

Estiveram presentes no evento procuradores e promotores de Justiça do MP-AP; membros e servidores do MP de várias unidades do Brasil; historiadores; museólogos; arquivistas; e acadêmicos de História.

Após o encerramento oficial do X Encontro Nacional de Memoriais do MP, os participantes foram convidados a conhecer o espaço físico do Memorial do MP-AP, no Complexo Cidadão do Centro. Em seguida, visitaram o Bioparque da Amazônia e o monumento do Marco Zero do Equador.

SERVIÇO:

Elton Tavares e Gilvana Santos
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *