A última crônica

Crônica de Ronaldo Rodrigues

Carlos Drummond de Andrade disse em um poema que “lutar com palavras é a luta mais vã, entanto lutamos mal rompe a manhã”. A meu ver o início desse poema tem duas interpretações. Uma: lutar COM palavras seria empreender um combate CONTRA as palavras para domá-las, dominá-las. Duas: lutar COM palavras seria empreender o combate cotidiano das nossas vidas ARMADO de palavras. E é nisso que quero chegar. Confesso que estou cansado de lutar com palavras. Declaro velhos todos os temas. Por isso esta é a última crônica que escrevo. Estou cansado dos assuntos. Alguns já eram caquéticos na minha adolescência, eram velhos na Idade Média, e hoje ainda estão na ordem do dia e parece que estarão em voga pelos milênios além, se o mundo sobreviver. Cheguei à conclusão de que o ser humano se resume nesta palavra: equívoco.

Acho que já produzi o suficiente, inclusive lixo. Repudio essa febre imediatista tecnológica. Eu sou um ser analógico, não virtual. Comecei escrevendo em máquina de escrever, depois de rabiscar bastante, e não compreendo a correria da mediocridade travestida de dinamismo que a era do computador trouxe, a pressa equivocadamente (olha a palavra aí) chamada de agilidade. Não suporto mais isso. Não aguento ver os quinhentos milhões de jornalistas que ostentam seus diplomas sem mostrar brilho nos olhos, a curiosidade, a necessidade de SE informar antes de querer informar, que deve nortear o trabalho de um jornalista. Alguns entraram na faculdade sem passar pela alfabetização. Não tolero os trezentos milhões de publicitários de hoje com seus notebooks antipáticos que tudo podem fazer e seus oitocentos cursos de especialização em marketing. São pessoas que JAMAIS seriam aceitas numa agência de propaganda de verdade, como as que existiram há mais de 25 anos. Lembra, Washington? Lembra, Nizan? Lembra, Neil? Lembra, seu Oswaldo? Lembra, Cacá?

Eu sei que tudo isso é muito amargo, mas o cansaço se abateu sobre a minha pessoa. Cansaço de tudo, cansaço do mundo, cansaço da vida, cansaço de mim. Por isso esta é a última crônica que escrevo. A última crônica que escrevo neste computador. Amanhã terei outro, muito mais avançado, que vai pensar por mim e escrever por mim. A depressão acima descrita vai desaparecer e eu estarei nivelado aos medíocres que estão aí, dominando o mercado e ditando as regras. Enquanto as engrenagens não me destruírem e eu resolva (ou seja coagido a) escrever minha última crônica. A última mesmo.
Compartilhe isso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*