“Don’t You Forget About Me” (“Não se Esqueça de Mim”) – A Geração John Hughes (Por @RicardoMacapa)

Salve, pessoal !! Estou por aqui para compartilhar umas experiências que tive um tempo atrás com relação à música e cinema…

Às vezes o saudosismo me bate forte… E no final de 2014 fui surpreendido por um documentário que estava passando na HBO, “Don’t You Forget About Me” é o título desse documentário… Que retrata a vida e obra de John Huges, o qual não conhecia até ver aquele bendito documentário (vergonha…rsrs!).

Sinto-me envergonhado, pois não sabia que se tratava de uma pessoa que foi muito importante na minha adolescência… John Hughes foi criador, diretor, produtor e roteirista de inúmeros filmes que marcaram aquela fase de minha vida (e de muitos que vivenciaram os anos 80)… Filmes como “Gatinhas e Gatões”, “Mulher Nota Mil”, “A Garota de Rosa Shocking”, “Clube dos Cinco” (“The Breakfast Club”) e “Curtindo A Vida Adoidado” (“Ferris Bueller’s Day Off”), este último, meu preferido… Hughes se tornou referência do gênero teen movies dos anos 80.

A internet é algo incrível… Tantas coisas que vi, escutei e vivenciei antes dela, e só agora é que estou descobrindo do quê e de quem se tratava… Esse é o caso de John Hughes… Não sou cinéfilo, mas gosto demais de assistir filmes, e conheço alguns caras do cinema, os mais famosos pelo menos… George Lucas, Spielberg, Tarantino (porém, quem não os conhece, né??? rsrs !!!)… Mas John Hughes não… eu deveria tê-lo conhecido antes de sua morte em 2009… É algo que vou demorar pra me perdoar…

O referido documentário foi lançado no mesmo ano da morte de Hughes, e foi idealizado por um grupo de fãs desse gênio, que conhecia como poucos a alma e os corações dos adolescentes da década de 1980…

Em 2010, um filme fez grandes referências a Hughes: “A Mentira” (“Easy A”), protagonizado por Emma Stone (ruivinha muito linda)… Muito bom esse filme, recomendo! Ele não passou nos cinemas tupiniquins, e foi direto pras locadoras aqui no Brasil em 2012 ou 2013, não lembro bem…. Mas recomendo os dois, tanto o filme quanto o documentário…

A Mentira (“Easy A”):

Don’t You Forget About Me (Documentário):

O Documentário explica muita coisa que aconteceu na vida de Hughes… Uma delas foi o sumiço repentino dele de Hollywood, ficando recluso em sua cidade natal até sua morte… Muitos dizem que foi devido a muitas crítica negativas sobre os filmes dele feitas por alguns ‘críticos’ de cinema norte-americanos (uns babacas)… Algumas pessoas tem dificuldades de lidar com isso… Principalmente pessoas mais sensíveis…

Outra curiosidade que vi também no documentário: Hughes escolhia pessoalmente as músicas para compor a trilha sonora de seus filmes… Assim ele escolheu “Don’t You Forget About Me” do Simple Minds para fazer parte da trilha de “Clube dos Cinco” (“The Breakfast Club”), e que acabou virando o título do documentário em sua homenagem… E convenhamos, o cara tinha um bom gosto musical…

Simple Minds – Don’t You (Forget About Me):

 

Mas continuando meu praguejamento: como posso não ter conhecido o criador, produtor e roteirista de “Curtindo A Vida Adoidado” ??!!!… Parafraseando Mestre Yoda: falha minha imperdoável essa é… Como já disse, esse é meu filme preferido do universo Hughes, e acredito que seja o favorito de muitos também… Quem não viu alguma vez esse filme na Sessão da Tarde? A Globo cansou de passar, acho que só não passou mais do que “A Lagoa Azul”… rsrs :p !!!

“Curtindo A Vida Adoidado”, pra mim, foi um marco no estilo de fazer esse tipo filme… Quando Ferris Bueller (Matthew Broderick) vira pra câmera e começa a falar com você, é de espantar!!! rsrs! E fora a trilha sonora que é maravilhosa (escolha de Hughes, é claro)… Duas cenas são marcantes neste filme, com relação a trilha sonora. Para maioria a número 1: Na Parada da cidade – com “Twist And Shout” (Beatles); e para mim a número 2: Cena do Museu – com “Please, Please, Please (Let Me Get What I Want)” (The Smiths), mas com performance de The Dream Academy… Num instrumental que é de arrepiar!! Essa cena do museu marcante pra mim…

“Twist And Shout”:

“Please, Please, Please (Let Me Get What I Want)”:

Bom, é isso galera… Quem sabe começo a me perdoar, pois agora já sei quem foi John Hughes, e o quanto ele foi importante em minha vida, e na vida de muitos, acredito eu… Um abraço e Valew!!

* Ricardo Ribeiro, amigo apaixonado por Cinema e Rock’n’roll.

Feliz aniversário, Clícia Di Miceli!

EueClicia

Hoje é aniversário da professora, servidora pública, mãe da Flor, esposa do Enrico Di Miceli, competente produtora cultural, proprietária da Bacabeira Produções, umas das idealizadoras do Banzeiro Brilho-de-Fogo e velha broda deste jornalista, Clícia Di Miceli.

Estudei com a Clícia em 1989, na Escola Polivalente Tiradentes. Ela era uma garota inquieta, sagaz e eu um moleque abestado e quieto. A gente se dava muito bem. De lá pra cá, cada qual tomou um rumo, a gente até se esbarrava por aí, mas sem muito contato. Depois de uns anos, ameaçamos diversas vezes um ao outro com a promessa de “tomar umas cervejas”, mas isso só rolou no final de 2015 e em dois momentos de 2016 (estamos progredindo, rs).

Gosto da Clícia, sempre gostei. Ela é uma figura apaixonada pela nossa cultura, de excelente caráter e imenso talento para a organização e produção de eventos. Também possui excelente gosto musical e pontos de vista diferenciados. Sim, ela manja das paradas.

A mulher é reconhecida com uma das melhores produtoras do Amapá por muitos artistas locais e até alguns de fora do nosso Estado. Sua trajetória e currículo a precedem.

Seu amor pela música e arte em geral a fez ativista da causa. Já produziu shows de todos os portes em Macapá, sempre valorizando artistas e talentos de músicos regionais. Foi importante para a promoção do intercâmbio entre a música brasileira, unindo artistas do Norte ao Sul do Brasil. Levou os nossos daqui, e trouxe os melhores de fora, para se encontrarem em um palco. E assim fez seu nome nacionalmente.

Uso as palavras da jornalista Mariléia Maciel para definir a produtora: “Com a Clícia, o talento não se perde, ela repagina a arte e traz de volta o que estava esquecido, como artistas que estavam fora dos palcos. Não só produz, como forma plateia. Está sempre presente em eventos culturais, seja teatro, exposições ou música, que é sua paixão. Ao redor dela sempre está quem respira cultura, do Marabaixo ao Clássico”. Depois disso aí, só assino embaixo.

Enfim, velha e querida amiga, que sigas pisando forte em busca dos teus objetivos. Talento e competência tu tens de sobra para essa viração. Que sigas com saúde e sucesso junto dos seus amores, Clícia.

Meus parabéns e feliz aniversário!

Elton Tavares

*Parabéns republicado, mas de coração. 

Coletânea ‘Poemas, poesias e outras rimas’ reúne textos de 20 escritores do Amapá

Livro ‘Poemas, poesias e outras rimas’ será lançado em Macapá (Foto: Divulgação/Alieap)

Por Carlos Alberto Júnior

Uma coletânea de poemas, poesias e prosas que reúne cerca de 100 textos de 20 escritores amapaenses será lançada no dia 23 de fevereiro, a partir das 19h, na biblioteca pública Professora Elcy Lacerda, no Centro de Macapá.

Com o intuito de incentivar a escrita e dar espaço aos autores do estado, a Associação Literária do Estado do Amapá (Alieap) coletou o material fez os trâmites para realizar a publicação.

Serão textos de todos os estilos, que podem agradar todo o público. Essa versatilidade, de acordo com José Queiroz Pastana, um dos escritores, é um dos atrativos da publicação.

“Temos poemas sobre amor, natureza, regionalidade e muitos outros temas. Essa versatilidade deve agradar qualquer tipo de público. Isso é um grande atrativo”, comentou Pastana.

No trabalho, estão reunidos textos dos escritores: Alcinéa Cavalcante, Annie de Carvalho, Celestino Filho, Eliade Cristina Silva, Fábio Nescal, Hamilton Antunes, Jaci Rocha, Jô Araújo, João Barbosa, José Queiroz Pastana, Luiz Alberto, Manoel Bispo, Maria Éster, Marven Junius, Neth Brazão, Raquel Braga, Ricardo Pontes, Rogério Silva, Ronilson Medeiros e Tiago Quingosta.

Na noite de lançamento do livro, a programação contará com declamações, intervenções poéticas dos escritores e apresentações musicais. A coletânea será vendida ao preço de R$ 30.

Serviço:

Lançamento do livro “Poemas, poesias e outras rimas”
Data: 23 de fevereiro
Hora: 19h
Local: Biblioteca Pública Profª Elcy Lacerda (Centro)
Preço do livro: R$ 30
Entrada: livre

Fonte: G1 Amapá

1º Encontro De Palhaças Do Amapá

No período de 1 a 4 de março de 2018, será realizado o 1º Encontro De Palhaças Do Amapá. O evento, que consiste em oficinas e espetáculos, visa agregar a palhaçaria feminina do Estado em uma rede colaborativa como espaço de reflexão, fomento e divulgação da comicidade da mulher no mundo contemporâneo.

As capacitações, nos dias 3 e 4 de março, serão ministradas na Casa do Circo, localizada na Rua Ernestino Borges, Nº 191, bairro do Laguinho, zona norte de Macapá e as apresentações, nos dias 1 e 2, ocorrerão no Teatro das Bacabeiras.

A articuladora desse processo será a palhaça/atriz Romana Melo, do grupo Palhaços Trovadores de Belém (PA). No qual na oportunidade irá ministrar oficina de palhaçaria e um workshop sobre a rede de palhaçaria feminina, no qual a partir desses encontros se ampliará a rede e como articuladora da Região Norte, já agregará os trabalhos na área e difundirá o que está sendo produzido na cidade no Encontro Internacional de Palhaças do Mundo (São Paulo) que ocorre anualmente em São Paulo.

Aja vista que existem grupos que trabalham na área a muitos anos, esse será um momento de troca de saberes, articulação e fomento da linguagem da palhaçaria no Estado.

Assim, entende-se como uma programação de relevância para o fomento da cultura circense, em especial à produção da palhaçaria e comicidade feminina, como forma de incentivar a pesquisa e escoamento desse segmento no Estado.

Para se matricular nas oficinas, clique AQUI.

A realização é da Companhia Trecosinmundos
Mais informações pelo telefone: (96) 99173-5685.

Oficina livre em Atuação para cinema.

O Núcleo de Produção Audiovisual-NPA e a [email protected] abrem turmas para a oficina livre em Atuação para cinema.

Nos dias 05 a 10 de Março, haverão turmas divididas em três turnos.

Ministrada pelo Diretor cinematográfico Paulo Miranda, oficina visa oferecer instrumentos teóricos e práticos para que os participantes tenham condições de atuar em produções diversas para TV e cinema.

Turma1: 8:30 as 11:30h
Turma2: 14:00 as 17:00h
Turma3: 19:00 as 22:00h

Cargo horaria: 36hs
Investimento: R$ 100,00.

Publico: Geral
Idade minima:
16 anos
Local:
Biblioteca Eucy Lacerda
Informações: 96- 981098337 (wapp)
Obs: Os concluintes estarão habilitados a serem selecionados para comporem o elenco ou produção dos telefilmes O Caminho é Escola e Ele, o Judas que será exibido em Rede Nacional pela REDE NAZARÉ DE TELEVISÃO.

Universidade federal no AP oferta oficinas gratuitas de teatro, circo e dança

Técnicas circenses serão ensinadas durante oficinas em Macapá (Foto: Fabiana Figueiredo/G1)

Por Jéssica Alves

O colegiado do curso de licenciatura em teatro da Universidade Federal no Amapá (Unifap) iniciou inscrições para oficinas gratuitas de iniciação teatral, técnicas circenses e danças amazônicas. O processo ocorre até o dia 24 de fevereiro pela internet. Não foram informados o número total de vagas.

As oficinas fazem parte do Programa de Cultura da Unifap (Procult), que promove para a comunidade diversas oficinas artísticas, voltadas para crianças, adolescentes e adultos em Macapá. Professores e alunos da rede pública de ensino também podem participar.

Técnicas de malabarismo, perna de pau, acrobacia, monociclo, aprendizagens no teatro e dança serão ofertadas para os participantes das oficinas. As aulas têm previsão para iniciar no dia 5 de março.

Mais informações podem ser solicitadas pela página do Procult no Facebook, pelo e-mail [email protected] ou no prédio de Letras e Artes no campus Marco Zero da Unifap, localizado na rodovia JK, na Zona Sul da capital.

Fonte: G1 Amapá

Hoje no Pier Rio Amazonas rola show de Enrico Di Miceli e Nilson Chaves

Hoje (17), a partir das 22h, no Pier Rio Amazonas, vai rolar show de Nilson Chaves e Enrico Di Miceli. A obra de ambos os artistas são frutos da cultura e tradição do Norte do Brasil. Os dois músicos possuem carreiras consolidadas e lindas trajetórias. Recomendo!

Enrico Di Miceli

Enrico Di Miceli faz parte do elenco dos grandes cantores e compositores do Amapá, que acompanha a evolução musical sem perder a essência e o estilo regional. Parceiro de compositores como Joãozinho Gomes, Osmar Júnior, Eliakin Rufino, Jorge Andrade e Zeca Preto, dessas convivências musicais saíram canções para o repertório de intérpretes como Patrícia Bastos, Brenda Melo e Senzalas. Enrico gravou o CD Amazônica Elegância, em parceria com Joãozinho Gomes, um marco sua carreira.

Nilson Chaves

Referência no Pará e ícone da Amazônia, Nilson Chaves tem uma relação estreita com o Amapá, e com artistas tucujus, o que rendeu shows, participações especiais, composições e muitas músicas dele interpretadas e gravadas por amapaenses. Nilson Chaves desbravou o Brasil e outros países, que se encantaram com a musicalidade nortista apresentada em shows e em dois discos lançados na Europa, e foi indicado ao Grammy Latino. Sebastião Tapajós, Vital Farias, Flávio Venturini e Chico César também têm parceria com Nilson, que tem 13 discos gravados.

Serviço:

Show Enrico Di Miceli e Nilson Chaves
Local: Pier Rio Amazonas.
Endereço: Trapiche Eliezer Levy
Data: 17 de fevereiro (HOJE).
Mesas limitadas no valor de R$ 150,00.
Horário: 22h.
Informações pelo telefone: 96 999131818

Elton Tavares, com informações de Mariléia Maciel

Poema de agora: INSPIRAÇÃO – Marven Junius Franklin

Arte de Marven Junius Franklin

INSPIRAÇÃO

a inspiração surge em mim
num relampejar de auroras setentrionais

amadurece num cardume
de supermassivos/densos quasares

e morre esbraseada
a colidir com extintas estrelas colapsadas [no fim do mundo]

a inspiração em mim
oh, é apenas poeira cósmica
que orbita universos paralelos [em que habito!]

Marven Junius Franklin

Aberta as inscrições para o III Festival Curta Teatro

A Companhia de Teatro Ói Noiz Akí, com o apoio do Coletivo de Artistas Produtores e Técnicos de Teatro do Estado do Amapá – CAPTTA, realizará a terceira edição do Festival Curta Teatro. A mostra competitiva premiará e apresentará os melhores experimentos de qualquer linguagem cênica.

Trata – se de uma mostra competitiva de processos cênicos de curta duração, voltada a grupos, companhias, coletivos, produtores e artístas independentes de todo o estado. O regulamento do III Festival Curta Teatro já esta na área. Basta clicar nos links abaixo para ter acesso ao regulamento e a ficha de inscrição! Te avia que o festival vai ser lindão!

REGULAMENTO

FICHA DE INSCRIÇÃO

Fonte: Companhia de Teatro Ói Noiz Akí

Baile de máscaras reúne programação alternativa de carnaval em Macapá

Por Carlos Alberto Jr

Sempre como opção alternativa no carnaval, o Espaço Caos – Arte e Cultura promoverá o tradicional baile de máscaras hoje (10), na Zona Sul de Macapá. Na quinta edição, o baile “Quanto Riso, oh! Quanta Alegria” terá shows de artistas locais com sucessos que vão das tradicionais marchinhas de carnaval ao pop.

O baile também terá roda de conversa sobre o tema “News e manipulação de informação” e um concurso de fantasias, valendo como premiação uma vaga em um curso de fotografia. A programação tem ainda batalha de confetes, apresentações circenses e pinturas em neon.

A banda Pinducos – que é inspirada no “rei do carimbó”, Pinduca; o cantor pop Jhimmy Feiches e a banda de rock psicodélico Stereovitrola serão as atrações musicais do baile.

Também está confirmada apresentação do DJ Fúria Negra, com uma playlist voltada para black music brasileira e americana. Os ingressos da festa serão vendidos na portaria ao custo de R$ 8.

Baile terá batalha de confetes, pinturas de neon, atrações circenses e musicais em Macapá (Foto: Carlos Alberto Jr/G1)

Serviço:

5ª edição do baile “Quanto Riso, oh! Quanta Alegria”
Data: 10 de fevereiro (sábado)
Local: Espaço Caos – Arte e Cultura (Rua Leopoldo Machado, nº 4004, bairro Beirol)
Hora: 19h
Entrada: R$ 8
Classificação indicativa: 18 anos

Fonte: G1 Amapá

Sem Carnaval, a dispersão veio antes do desfile que nunca virá e todos ficamos parados na ala de palhaços tristes

Não sou dado a dar murro em ponta de faca, mas não sei ficar em silêncio diante de absurdos. Até tentei não escrever nada sobre isso, mas esse papo de lembranças do Facebook todo dia me lembra das notícias do Carnaval passado e anteriores a ele. Ainda mais que divulguei todas matérias da Tica Lemos e do meu Piratão. Triste ver como foi em 2016, 2017 e saber que 2018 será igual: sem desfile das Escolas de Samba.

Certa vez, a Alcilene comentou que está faltando alegria em janeiro. Está mesmo, sem os ensaios, a batucada e a alegria nas quadras das escolas de Samba. É, esse ano não teremos desfile, não teremos Carnaval.

A indisponibilidade financeira do governo amapaense para investimento no orçamento das escolas de samba e restante da programação carnavalesca”. É, todos sabemos o motivo. Mas a crise já tá aí tem tempo.

E é preciso que fique claro: sou do partido dos sem partido. Não quero que esse desabafo seja usado pelas fileiras da massa de manobra, que apontam erros dos outros e não admitem os próprios. Mas é como disparou Fernando Canto: “fazem carnaval o ano inteiro e na hora do povo, negam“. Difícil de entender. Mais difícil ainda é ver a passividade como isso foi aceito.

O Carnaval é a maior alegria do povo. E nem me venham com o lance de “pão é circo”, isso é argumento furado de quem não entende que essa é a maior festa popular do Brasil.

Cheio de memória, arte, homenagens, é muito mais que uma disputa de agremiações em uma grande passeata festiva. O Carnaval é inspiração, vibração, talento, organização, imaginação, arte, luz, cores, alegria, magia e amor. Fala de nossos costumes, história e tradições. Um contagiante evento de luz, cor e muita alegria. Sem falar na rentabilidade. Não tê-lo, é sofrer de desamor.

Sem carnaval, a dispersão chega, mas o desfile que nunca virá. Infelizmente, todos nós, amantes da festa, acabamos saindo em uma grande e unificada ala de palhaços tristes. É isso.

Elton Tavares

*Texto republicado pelo terceiro ano seguido. 

Carnaval: III Guará Folia arrasta multidão nesta sexta-feira

Nesta sexta-feira, 9, tem o III Guará Folia, que vai arrastar foliões pelas ruas do Centro e do Laguinho, atrás do trio elétrico sob o comando de Taty Taylor e Banda Babilônia.

O evento é da Universidade de Samba Boêmios do Laguinho (AUSBL), e foi criado pela diretoria para reunir a comunidade que brinca o carnaval, no fim de semana em que teria os desfiles das escolas de samba em Macapá.

O circuito do Guará Folia inicia na Praça da Bandeira, com concentração a partir das 18h, e segue até o Theatro do Samba, sede de Boêmios, onde encerra com a apresentação da bateria Pororoca e comissão de frente.

O vale abadá pode ser comprado no Theatro do Samba (Sede da agremiação), no valor de R$ 25,00 (meia).

Serviço:

III Guará Folia
Data: 9 de fevereiro
Concentração: Praça da Bandeira às 18h
Encerramento: Theatro do Samba
Endereço: Av. Geral Osório, 575, Laguinho.

Adryany Magalhães
Assessoria de Comunicação – AUSBL
Contato: 99144- 5442

Promotora de Justiça lança livro que aborda procedimento do MP-AP e a experiência e efeitos do TAC dos Resíduos Sólidos

A experiência do TAC do Resíduos Sólidos, que adequou o antigo lixão de Macapá para aterro controlado, está relatada no livro “O Gerenciamento de Resíduos Sólidos – Termo de Ajustamento de Conduta”, da promotora de justiça Ivana Lúcia Franco Cei, que foi lançado nesta quarta-feira, 7. Baseado no processo que mudou o conceito de acondicionamento e tratamento de lixo doméstico e hospitalar por parte da Prefeitura de Macapá (PMM) e moradores, este TAC é considerado um avanço em termos ambientais, comunitário e de saúde, pela condução dada pelo Ministério Público do Amapá (MP-AP) através da Promotoria de Defesa do Meio Ambiente, Reforma Agrária, Habitação e Urbanismo (Prodemac).

O livro é o resultado da dissertação de mestrado em Direito Ambiental e Políticas Públicas da promotora Ivana Cei, titular da Prodemac, que esteve à frente da equipe técnica intermediando o entendimento entre a PMM e a comunidade de Ilha Redonda, próxima do então lixão. Incomodados com o mal cheiro, moscas, fumaça, poluição do ar e da água, e sofrendo com as doenças provenientes da situação, os moradores procuraram o MP-AP, por acharem inaceitável o lixão próximo de uma vila e pediam sua transferência. Na época o local também se tornou uma ameaça à aviação, com risco de paralisação de voos diários, em razão da quantidade de urubus.

O TAC do Resíduos Sólidos é de 2005, foi o primeiro da Prodemac, trabalhado com base na realidade dos moradores, que foram ouvidos em audiências públicas e reuniões, e acompanharam os técnicos da PMM e MP-AP em uma viagem à Uberlândia, onde havia uma situação semelhante, de lixão transformado em aterro e próximo de residências. A partir desta vivência o Termo foi formulado, com condicionantes e prazos para a PMM remediar a área. O MP-AP também subsidiou o Termo de Compromisso entre os moradores e Prefeitura, que beneficiou a comunidade com escola, posto de saúde, asfaltamento de vias, telefone público, igreja, entre outros equipamentos de uso coletivo.

Atualmente o local continua assistido pela Prodemac, que acompanha os procedimentos de outro TAC que foi assinado em agosto passado, entre a empresa que administra o aterro, Associação de Catadores do Amapá (ACAM) e a PMM, no qual a empresa e a Prefeitura se comprometeram em construir o galpão de triagem e ecopontos em locais estratégicos. “É um exemplo de como um instrumento administrativo como o TAC, pode ajudar a mudar a vida de uma comunidade e da sociedade em geral. Temos consciência que as 16 comunidades beneficiadas precisam de mais aparelhos sociais, e que o aterro precisa estar sempre se adequando para não interferir na vida dos moradores, mas estamos fiscalizando, fazendo procedimentos e cobrando da PMM e empresa”, disse a promotora Ivana Cei.

“Esta obra mostra os efeitos positivos de um procedimento administrativo do MP-AP, que pode ser trabalhado em outras cidades. Os prefeitos mudam, mas o MP-AP continua o trabalho de fiscalizar e ajustar a conduta dos envolvidos. Na época da assinatura do TAC o prefeito era o João Henrique, que teve um importante papel na execução do Termo, e o prefeito Clécio continua assumindo novos compromissos. Hoje o aterro recebe lixo de Macapá e Santana, e o lixo hospitalar é tratado separadamente. A intenção do MP-AP é levar este modelo para os demais municípios, e estamos trabalhando o formato de consórcio intermunicipal, começando por Santana e Mazagão”, ressaltou o procurador-geral do MP-AP, Márcio Augusto Alves.

A autora reconhece que ainda falta muito para que o Amapá se adeque à Política Nacional de Resíduos Sólidos, mas que o estado caminha para isso. “Este TAC foi uma revolução que ainda hoje traz benefícios, ou a situação seria bem diferente, por isso meu mestrado foi baseado nesta experiência, e decidi publicar em formado de livro, para que qualquer pessoa tenha acesso, e veja que é possível um instrumento administrativo mudar a realidade da coletividade. Muitas cidades não têm aterro sanitário, a exemplo de Brasília, e Macapá se posiciona à frente, e o livro por ser uma experiência prática, é de interesse de todos, gestores, empresários, acadêmicos, população e pesquisadores do assunto. O trabalho ainda não está concluído, mas foi um passo muito importante dado em conjunto com a PMM e comunidade, em benefício de todo o Amapá”, disse a promotora e autora Ivana Cei.

O evento contou com a presença de vários membros do MP-AP, escritores, autoridades do Estado e familiares da autora.

Para visualizar mais fotos do evento clique AQUI

Mini-documentário sobre o livro :  

Serviço:

Mariléia Maciel
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Hoje: Exposição Aves do Amapá

O Foto Nunes, em parceria com o fotógrafo Kurazo Okada, realizará a exposição Aves do Amapá que será aberta a visitação de 9 a 19 de fevereiro, em horário comercial e com entrada franca. A iniciativa faz parte do projeto Janela Fotográfica que busca debater temas ligados a fotografia em suas mais variadas vertentes.

Na abertura da exposição, dia 9/2, às 19h, Okada estará presente para uma roda de conversa com o público na qual explicará mais detalhes de seu trabalho com fotografia de aves, o que já lhe rende um papel de destaque no cenário nacional. Os interessados em participar da roda de conversa devem fazer inscrição prévia enviando um e-mail com nome completo e telefone para [email protected]

Serviço:

Projeto Janela Fotográfica
Exposição Aves do Amapá
Abertura e roda de conversa: 9/2, às 19h
Inscrições para a roda de conversa com envio de nome e telefone para o email: [email protected]
Encerramento: 19/2