Hoje é o Dia Mundial do Rock !! (origem da data e história do estilo)

Amamos Rock and Roll e hoje (13) é o Dia Mundial do Rock. No dia 13 de julho de 1985, o produtor Bob Geldof organizou o “Live Aid”, um show histórico e simultâneo, realizado em Londres (ING) e na Filadélfia (EUA). O objetivo era o fim da fome na Etiópia. Lá se vão 34 anos do show que mudou a história do rock.

Em 2005, Bob Geldof organizou o Live 8, para pressionar os líderes do G8 a perdoar a dívida externa dos países mais pobres Desde então, o dia 13 de julho passou a ser conhecido como Dia Mundial do Rock. Vamos resumir a ópera (tudo bem, é um resumão, mas vocês vão curtir):

Sr. Jazz e Sra. Blues

Há cerca de 70 anos, um casal de velhinhos, casados desde o fim da segunda guerra, ambos de pele escura, donos de vozes graves e um jeito simpatissíssimo, risonhos e alegres, que adoram “mexer as cadeiras”, como eles mesmos dizem, brigavam com uma vizinha, a Senhora Música Clássica. É, o Sr. Jazz e Sra. Blues não eram fracos.

Reza a lenda que quando eles saiam por aí juntos, ninguém era de ninguém, e por isso, até hoje é difícil saber quem são os verdadeiros pais dos quatro garotos que brotaram dessa relação tão moderna. O Rockabilly, Rock Progressivo, Hard rock e Rock Pop.

Rockabilly

Rockabilly, o irmão mais velho, herdou dos pais a incansável vontade de dançar. Na adolescência andou muito com um dos seus irmãos, o Rock Pop. Usava calça boca de sino, topete e óculos escuros, mesmo quando não fazia sol. Fez um tremendo sucesso entre as garotas quando jovem, mas se tornou um velho gordo.

Rock Pop

O Rock Pop está sempre na moda, mas quando quer dizer algo, se perde em suas contínuas mudanças de opinião. Já andou com todos os seus irmãos, mas sempre teve problemas com o Rock Progressivo. O que se sabe, é que ele está sempre montado na grana e quem anda com ele, sempre se dá bem financeiramente. Rock Pop é viciado em dinheiro e se vende por qualquer coisa. É normal ouvir falar por aí que ele é um enganador, mas nunca ninguém conseguiu uma prova concreta.

Rock Progressivo

O Rock Progressivo, por sua vez, está na cara, no corpo e no jeito de ser de um legítimo filho do Sr. Jazz e Sra. Blues. É um cara exibicionista, adora se “amostrar”, fazendo inúmeras loucuras. Às vezes, fica chato por demorar muito tempo em suas loucuras, só porque é difícil de fazer. Isso causa irritação em muitas pessoas, mas no fundo, é um cara bacana.

Hard Rock

O Hard Rock é o mais revoltado da família. Às vezes, no meio da diversão se torna meio dançante. Cabeludo, adora usar lenço na cabeça, maquiagem e vive fazendo poses homossexuais. Alguns o chamam de gay, outros dizem que ele só se comporta assim para causar impacto. O que se sabe é que na adolescência, ele era ninfomaníaco e usou e abusou das drogas. Mas logo casou e teve dois filhos. O primogênito Heavy Metal e o caçula Punk Rock.

Heavy Metal
Punk Rock

No meio disso tudo, a vizinhança comenta que o Sr. Blues teve um namoro sério com uma ativista política, e dessa relação surgiu o Rock, simples assim. Um rapaz afoito, naturalista e espontâneo. Nunca teve papas na língua e dizia exatamente aquilo que pensava. Às vezes era muito relaxado, tentou ser igual ao pai, mas não teve sucesso nessa tentativa e se frustrou. Surgindo daí um sentimento de revolta meio contido, que só era observado nas entrelinhas.

Dependendo do seu humor, ele não tá nem aí para nada. Fala de igualdade e exalta idéias comunistas. Este teve dois filhos com uma namorada linda e problemática. O Grunge e o Hard Core.

O Hard Core adora andar de skate pela casa, quebrando tudo, porém é um cara organizado, gosta de filmes de surf e tem o corpo todo tatuado. Às vezes fica meio EMOtivo e reclama muito da vida, mas todos sabem que é por causa da namorada que o trai o tempo todo.

Grunge

O Grunge é melancólico por natureza, também reclama muito da vida. Está na puberdade e por isso a sua voz desafina constantemente. Ele costumava levar a vida de uma forma suicida, anda dizendo para todo lado que nada importa…nevermind!!

Heavy

O Heavy Metal é um alcoólatra fortão, cheio de tatuagem de caveira pelo corpo. Adora andar a toda velocidade na sua Harley Davidson. É uma aficionado pela Mitologia Nórdica, Ocultismo e odeia a Igreja Católica. Alguns dizem que ele tem um pacto com o Diabo. Pois tem uma voz grave, mas quando grita, fica tão aguda que é capaz de quebrar os vidros do espelho. Tem fama de malvado, mas na verdade, não é. Trata-se de um cara gente boa, que se dá bem com todo mundo. Ele teve vários filhos: Thrash , Melódico, Prog Metal, Death, Black, Doom, Gothic, todos são muito unidos.

E isso aí, demos uma viajada, mas o que importa é que amamos o Rock and Roll. O estilo é fundamental para nós e nossos amigos. Costumamos comparar o Rock com o Universo. Os dois estão em constante expansão e em alta velocidade. Dizem por aí que o Rock morreu, ele nunca morre, só está em constante mudança, assim como nossas vidas.

É o velho lance de superar momentos difíceis, voltar com força total. Assim Raul, o pai do rock nacional, inventou o termo “metamorfose ambulante”. Ele se descreveu como pessoa e usou isso para explicar o rock and roll. O rock é imortal, ele nos salva da mesmice, basta protegê-lo de mãos erradas. Enfim, viva o rock and roll!

*Texto escrito há sete anos a quatro mãos por mim, Elton Tavares e André Mont’Alverne, nosso antigo colaborador.

Dia Mundial do Rock é celebrado na Praça da Bandeira, neste sábado (13)

O Dia Mundial do Rock será comemorado em grande estilo neste sábado, 13, na Praça da Bandeira. A programação faz parte do Macapá Verão 2019 e reunirá apresentações das 19h à 1h. Serão 8 apresentações musicais no Palco do Rock no Amapá. Além da curtição, o espaço contará com feira artesanal e gastronômica. A segurança é por conta da Guarda Municipal e CTMac.

Atrações:

Banda Indigentes – 19h30
Skipp e Banda – 20h
Brenda Zeni – 20h30
Banda Dezoito – 21 21h
Banda Sislop – 21h30
Mini Box Lunar – 22h
Stereovitrola – 22h30
Banda Vennecy – 23h

Serviço:

Data: 13/07 (sábado)
Hora: 19h
Local: Praça da Bandeira
Endereço: Avenida FAB, Centro

Cássia Lima
Assessoria de comunicação/Fumcult
Contato: 98104-9355

Hoje rola Rock and Roll: banda Vennecy apresenta Especial Guns N’ Roses e Aerosmith

A banda Vennecy apresentará hoje(12), a partir das 23h, no Scorpion Snooker Bar, o “Especial Guns N’ Roses e Aerosmith”. Serão mais de 3h de show com os sucessos dos dois icônicos grupos do Rock Mundial. O show será uma celebração ao Dia Mundial do Rock, comemorado anualmente no dia 13 de julho.

Guns N’ Roses e Aerosmith

Aerosmith, fundada em 1970, inspirou o Guns N’ Roses, que surgiu em 1985. Como já dito, são duas das maiores bandas de rock do mundo. Ambas estão na lista dos 100 Maiores Artistas de Todos os Tempos feita pelo canal de televisão VH1, ganharam variadas premiações do mundo da música e fazem parte da história da cultura mundial.

Aerosmith é a banda de rock norte-americana que mais vendeu em toda a história, com mais de 150 milhões de álbuns vendidos ao redor do mundo. Por sua vez, o Guns N’ Roses vendeu mais de 100 milhões de discos na carreira.

Os vocalistas Steven Tyler (Aerosmith) e Axl Rose (Guns N’ Roses), bem como o guitarrista Slash (Guns N’ Roses) são símbolos de talendo, rebeldia e loucura do Rock and Roll. E lendas da música mundial.

Banda Vennecy

Fundada em 2012, pelo vocalista Marcel Valkant e os guitarristas Bruno Milhomem e Luiz Milhomem e com o objetivo de levar diversão ao público rocker, a Vennecy mudou sua formação e hoje conta com Hanna Paulino (a melhor vocalista do Rock amapaense), Bruno Milhomem (guitarra), Luiz Milhomem (Guitarra), Ney Sarraf (Baixo) e Paulo Carvalho (Bateria). A banda é bem ensaiada e possui repertório com o que a de melhor do Rock.

No repertório clássicos do hard rock e classic rock, como Guns n’ Roses, Bon Jovi, Aerosmith, AC/DC, etc. A Vennecy também é responsável pelos especiais Guns n’ Roses e AcDc, no Estado do Amapá.

Para o show, o grupo escolheu o setlist a dedo, com as grandes canções das Guns N’ Roses e Aerosmith.

Serviço:

Banda Vennecy apresenta Especial Guns N’ Roses e Aerosmith
Local: Scorpion Snooker Bar, localizado na Avenida Cora de Carvalho, Nº 1812
Data: 12/07/2019.
Hora: a partir das 23h.
Ingressos antecipados no valor de R$ 15,00 .
Posto de venda: Loja Norte Rock @norterock

Elton Tavares

Nesta quarta-feira (10), no Sankofa, rola “Quarta de arte da Pleta” em homenagem ao Rock (celebrado no próximo dia 13 de julho).

O Dia Mundial do Rock será somente no próximo sábado, 13 de julho, mas hoje (10), a partir das 17h, no Sankofa, vai rolar mais uma edição da “Quarta de arte da Pleta”. O evento será em homenagem ao Rock e contará com apresentações musicais, poesia, entre outras atrações.

Entre as atrações musicais estão: Branda Zeni; Michele Maycoth; Vinícius Farias; Edu Lobo; Fernanda Canora; Erick Pureza; Wellem Monte; Wendel Cordeiro; Tico Souza; Juliana Lopes. Além das bandas: RadioNativa, Cães de Aluguel e Umbra.

A poesia estará bem representada por Kassia Modesto e rolará ainda a estreia do quadro “Papo Leal”, com Vinícius Leal.

A Quarta de Arte da Pleta será realizada em todas as quartas das férias de julho.

Serviço:

“Quarta de arte da Pleta ” em homenagem ao Rock
Data: 10/07/2019
Local: Sankofa, localizado na Rua Beira Rio 1488, Orla do Santa Inês, zona sul de Macapá.
Hora: a partir das 19h
Couver: R$ 5,00
Mais informações pelo telefone: 98109-0563 (Andreia Lopes).

Elton Tavares

Macapá recebe a 2ª edição do Burger Fest Rock

Com entrada gratuita e comercialização de serviços, o festival gastronômico dedicado especialmente ao segmento de hamburguerias reúne a diversidade e inovação em hambúrgueres, com a temática do rock and roll.

A edição 2019 do festival gastronômico “Burger Fest Rock” ocorre na sexta-feira (12) e no sábado (13), dia em que é comemorado o Dia Mundial do Rock, na área de múltiplo-uso do Sebrae Amapá, em Macapá. O evento terá oficinas show com chefs especialistas em defumados e cortes nobres, além de games, carros antigos, tatuagens, cervejas especiais e steak.

A gastronomia é o que deve movimentar os visitantes durante o festival. Ao todo, 17 receitas estão confirmados para comercialização, ao preço único de R$ 12,00 com os seguintes segmentos:

Hambúrguer Gourmet
Mr. Urbano
Homemade Buguer
Wanted Food Master
Delivery Burguer
Kings Chef
Rustic Buguer Beer
Station 57
Klobe – boutique de carnes
Soul Bistrô
Shekinah

Steak
Salviano Charcutaria Artesanal
Casebre Comer & Beber
restaurante Japan by Nagano

Suqueria
Flora Restaurante

Doceria
Pretze’l Café
Fruitt Mix Salad
Chopp da Vovó

Dados da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Amapá apontam que o segmento de hamburgueria representa 10% da fatia do mercado de alimentação fora do lar no estado e movimenta cerca de R$ 30 milhões por ano. “O Burguer Fest Rock é um evento que celebrará duas paixões mundiais, o Burguer e o Rock, uma fusão da inovação na gastronomia com o melhor do rock n’ roll, interpretado por nossos músicos e chefs locais, uma grande oportunidade para a população local e visitantes desfrutarem o período das férias de maneira diferenciada e divertida”, comenta Yukio Nagano, presidente da entidade.

O Festival Burguer Fest Rock é uma realização do Sebrae Amapá e parceiros Abrasel, Klobe, Rustic Burguer e Beer,
Mr. Urbano, Station 57, Salviano Charcutaria Artesanal, Haus Bier, Casa do Sorveteiro, MEDPRIME Aparelhos Auditivos e Claro.

Serviço

2º Burger Fest Rock
Dias: 12 e 13 de julho (sexta-feira e sábado)
Hora: das 17h às 22h
Local: Sebrae em Macapá (Av. Ernestino Borges, número 740 – bairro Laguinho)
Entrada gratuita

PROGRAMAÇÃO

TOUR GASTRONÔMICO
17 empresas do setor de Alimentação Fora do Lar e 01 Cervejaria Artesanal apresentando receitas inéditas nas categorias: Hamburger Gourmet, Suqueria, Doceria e Steak.

COZINHA SHOW

Dia 12 de julho
Oficina: Defumados
Das 18:40 às 19:20
Chef Salviano – Salviano Charcutaria Artesanal

Dia: 13 de julho
Oficina: Super Cortes
Das 18:40 às 19:20
Chef Burguer Fábio Cosme – Mr Urbano e
Station 57

PALCO BURGUER FEST ROCK
Apresentação Musical de Bandas de Rock

12 de Julho
Artemis
Das 18:40 às 20:20

Tia Biló
Das 20:40 às 22:20

13 de julho – Dia Mundial do Rock

Ivan Dias e Banda e Raquel
Das 18:40 às 20:20

Hanna Paulino
Das 20:40 às 22:20

Exposição de Carros antigos
Projeto Automotivo e Guitarras

ECONOMIA CRIATIVA
Abrange quatro áreas: consumo, mídias, cultura e tecnologia. São negócios de diversos segmentos que se agrupam nessas categorias e se identificam com os movimentos e tendências da inovação
e da criatividade.

Abrasel no Amapá
(96) 98135-7900

Especial Legião Urbana, com a banda Moinhos de Vento, nesta sexta-feira (5)

A banda Moinhos de Vento realizará nesta sexta-feira (5), a partir das 20h, no Scorpion Snooker Bar, o “Especial Legião Urbana”. O grupo tocará mais de 2h de show com os maiores sucessos da icônica banda do Rock Nacional.

Moinhos de Vento

A Moinhos de Vento é formada Jean Carlos (Guitarra e Voz), Gerson Lima (Baixo e Voz) e Anderson Coutinho (Bateria). A banda foi formada em 2014 e possui influências de grupos como Engenheiros do Hawaii, Legião Urbana, Titãs, Ira! E na gringa pelos Beatles e AC/DC. Os caras tocam bem e recomendo esse cover de Rock and Roll de qualidade.

Legião Urbana

A Legião Urbana, um verdadeiro MITO da história da música nacional, era comandada pelo maior poeta do rock brasileiro, a messiânica e imortal criatura, Renato Russo. A banda foi formada em agosto de 1982, após a dissolução do Aborto Elétrico, grupo seminal da cena punk de Brasília, o qual também originou o Capital Inicial.

Para mim, a Legião foi a maior banda do Rock nacional. As canções deles marcaram minha geração e a de amigos mais velhos. Escutar as músicas da banda me lembra amores, a adolescência, amigos e toda uma época bacana da minha vida. Força sempre!

Portanto, Legio Omnia Vincit!

Serviço:

Especial Legião Urbana, com a banda Moinhos de Vento
Local: Scorpion Snooker Bar, localizado na Avenida Cora de Carvalho, Nº 1812
Data: 05/07/2019
Hora: a partir das 20h
Entrada individual: R$ 10,00
Mesa: R$ 60,00
Reservas de mesas pelo telefone: 96 98111-1654
Mais informações: 98114-6173

Elton Tavares

‘Open Your Mind’ movimenta cena de rock no AP com shows de cinco bandas locais; entrada é gratuita

Por Victor Vidigal

No sábado (22) acontece a 1ª edição do festival “Open Your Mind”, Abra a sua Mente, em português, busca movimentar a cena de rock em Macapá com shows de cinco bandas. A festa, marcada para iniciar às 20h, acontece em um bar no Centro da cidade. As atrações confirmados são as bandas Guerra e Paz, Índigo, VM Rock, Stereovitrola e Dezoito 21. A entrada é gratuita.

A ideia do evento, segundo Caio César Vaz, um dos organizadores, surgiu após uma conversa entre músicos da cidade, onde o assunto principal foi a falta de espaços e eventos onde as bandas pudessem apresentar suas músicas autorais.

“Nessa conversa decidimos criar um festival para que bandas locais possam tocar e mostrar o trabalho sem cobrar nada das pessoas, pois é gratificante, para nós como banda, quando nos reconhecem pelas nossas músicas e quando gostam delas”, explicou Vaz.

Todas as bandas têm músicas autorais que perpassam pelo rock alternativo, indie, psicodélico, hard rock e até mesmo gêneros considerados distantes do estilo, como o brega, disco e funk.

Banda Stereovitrola será uma das atrações da Open Your Mind no sábado (22) — Foto: Stereovitrola/Arquivo

O intuito é fazer do “Open Your Mind” um evento regular do calendário macapaense, trazendo grupos instrumentais, rap e reggae para se apresentarem. Tudo isso, buscando valorizar o rock que é produzido no Amapá.

“Queremos mostrar que aqui no estado tem música boa de todos os estilos. Por isso o nome ‘Open Your Mind’, para as pessoas tirarem da cabeça que ‘o que é bom é lá de fora’. Nossa meta é fazer uma edição por mês, sempre com ajuda das bandas, parceiros e amigos”, finalizou Vaz.

Serviço:

Festival “Open Your Mind”
Data: 22 de junho (sábado)
Local: Bar do Vila (Avenida Mendonça Furtado, 586, Central, Macapá)
Hora: 20h
Entrada Gratuita

Fonte: G1 Amapá

Biquini Cavadão faz show em Macapá com 2 horas de sucessos da banda e de Herbert Vianna

Biquini Cavadão faz show em Macapá com duas horas de sucessos da banda e de Herbert Vianna — Foto: Sesc Rio/Divulgação

Por Victor Vidigal

Uma das bandas de maior sucesso do rock brasileiro, o Biquini Cavadão, volta a Macapá no sábado (8) com show da turnê do novo álbum “Ilustre Guerreiro”, em homenagem a Herbert Vianna. A apresentação acontece em uma casa de shows no Centro da capital.

De acordo com a organização, serão duas horas de shows com as composições mais famosas do vocalista da banda Paralamas de Sucesso, sem deixar fora do repertório os clássicos dos 30 anos do Biquini, como Janaína, Tédio e Vento Ventania.

A atração de abertura fica por conta da amapaense Taty Taylor, que vai cantar sucessos nacional e internacional. A programação está marcada para iniciar às 22h.

Serviço:

Show Biquini Cavadão
Data: 8 de junho (sábado)
Local: Di Vetro Music Hall
Hora: 22h
Ingressos: R$ 100 vip (meia); R$ 150 camarote open; R$ 200 camarote exclusive
Postos de venda: Di Vetro; Aline Maison; Jumbinha Santana; Loja Floretta; República Trend
Mais informações: (96) 991289947 e (96) 981110440

Fonte: G1 Amapá

Como hoje é sexta, sempre lembro do velho Liverpool Rock Bar (Nostalgia Rocker e tals).

Hoje é sexta-feira e toda sexta lembro do velho Liverpool Rock Bar, que foi um dos celeiros do rock amapaense. Fundado no final 2004, pelo seu Nelson e sua filha Vânia, o bar, mesmo sem estrutura, fez sucesso entre os amapaenses que gostam de rock and roll.

O Liver foi, até o final de 2009, o refúgio do underground amapaense. Um bar simples, entretanto, frequentado pelas pessoas mais descoladas da cidade. Na categoria “rocker”, foi o bar de rock mais duradouro da história de Macapá.

O Liverpool tinha mesas de bilhar adoradas por 90% dos frequentadores, bandas legais e tínhamos a certeza que íamos encontrar os amigos por lá.

No Liver iam músicos, skatistas, jornalistas, boêmios, malucos, caretas, homossexuais e heterossexuais. Era um local democrático, muito longe de uma “vibe” ou “point”. Alguns, mais exigentes, apelidaram o local de “Liverpalha”, mas viviam por lá.

Hoje temos locais melhores para curtir som, muito mais estruturados, refrigerados e tals, mas todos nós lembraremos do charme sujo que o Liver possuía. A gente quebrava tudo por lá (às vezes, literalmente). Saudades daquela bodega!

“O Rock é energia, o desejo ardente, as exultações inexplicáveis, um senso ocasional de invencibilidade, a esperança que queima como ácido” – Nick Horby – Romancista inglês.

Elton Tavares

Festa “Não Era Isso Que Tu Queria?”

Desde que o mundo é mundo…A terra ficou plana e os discos voadores viraram retas aladas. E eu, fiquei perdido por aqui e me encontraram lá no Lontra. Não Era Isso Que Tu Queria?

Tu te enxerga melhor fora da ilha e isso que queremos. Nos ver e nos conectar em simbiose sonora com o bregoso marcante do norte feat, o rock psicadélico das montanhas do tumucumaque avec, experimentações sonoras de Macapetas, com inserções das batidas sonoras caribenhas, com infusão no tacacá aqui da beira do maior rio do mundo, empinando aquela rabiola.

Vivemos em um momento onde precisamos gritar para que nos ouçam. E fazemos isso microfonados aos cubos mágicos e amps interdimensionais. Que levam nossa mensagem as mais distintas duplas de orelhas.

Curtiu? Bora? Não Era Isso Que Tu Queria?

ATRAÇÕES

Stereovitrola AP
O Sósia
Romã
Maniva Venenosa
Indiegentes
#DjHipsterdoGarimpo

BAR

#BarLugardoCaralho
Salve Júpiter Maçã ó/
Copão de Itaipava 5$
Água 2$
Vinho 3$
Refri 3$

SERVIÇO:

Festa Não Era Isso Que Tu Queria?
Dia: 30/04/2019
Local: Avenida Padre Júlio s/n ((Sede da Maracatu da Favela))
Hora: 18h
Ingressos: R$ 10, 00
Informações 096 – 991913491
Realização [email protected] produções

Assessoria de comunicação
Texto: Manoel Fabrício
Artes por Rodrigo Santos

Hoje rola Rock and Roll em Macapá: banda Tia Biló se apresenta no Bar do Nêgo

Hoje (13), a partir das 22h, no Bar do Nêgo, vai rolar show da banda Tia Biló. Certamente será uma noite de muito Rock and Roll nacional e gringo no melhor quiosque do Complexo Beira Rio.

A Tia Biló é formada por Ozy Rodrigues (guitarra e vocal), Marcio Gama (baixo e vocal), Junior Caxias (Bateria) e Wylliame Barros (teclado). Eles sempre fazem apresentações em alto nível. A banda toca cover bem feito e possui trabalho autoral.

O nome do grupo foi tirado de uma poesia da renomada poeta do Amapá, Alcinéa Cavalcante (fazendo referência à uma das pioneiras na disseminação da cultura do Marabaixo e do Batuque no Estado). Com cinco anos de existência, a Tia Biló lançou o CD “Antes do apagar das luzes”, em março de 2019.

Com muito trabalho, empenho, descontração e talento, os caras ganharam notoriedade e lutam para marcar também na cena do rock autoral amapaense. Recomendo!

Serviço:

Show da banda Tia Biló no Bar do Nêgo
Local: Bar do Nêgo, localizado no Complexo Beira Rio, orla de Macapá, na Avenida Beira Rio (segundo quiosque de quem vem da Praça do Coco, em frente ao Macapá Hotel).
Data: 13/04/2019
Hora: a partir das 22h.

Elton Tavares

Discos que formaram meu caráter (parte 11) – Ramones – Ramones (1976)

 
E ai amiguinhos, como vão vocês? Espero que bem.
 
Bom sem muitas delongas, vamos ao que interessa, de forma crua, visceral e como pede a rapidez e a simplicidade dos três acordes lhes apresento: RAMONES, disco homônimo da grande banda de New York, percursora do punk que foi gravado em 1976.
Na corrida desde 1974, fazendo shows pelo underground nova yorkino, mas precisamente no histórico “pub” CBGB, não demoraria muito para  os Ramones começarem a chamar atenção da indústria fonográfica. Os caras assinam em 1975 com a obscura Syre Records e já em 76 nos brindam com o primeiro registro do punk rock.
 
Com 29 minutos de duração e um orçamento pífio algo em torno de U$ 6.400 (naquela época as grandes bandas gastavam milhões de dólares nas produções de seus álbuns), é um dos discos mais influentes da história do rock em todos os tempos.
 
Dado como uma incerteza comercial por não ter feito sucesso nenhum nos EUA, o disco tem como principal particularidade mostrar, que o rock é cru, e não erudito. O rock estava chato, com muitos solos intermináveis de guitarra, o caminho poderia ser tenebroso, é como costumo dizer, “Progressivo falhou, graças ao Ramones, em seu nefasto objetivo de acabar com o rock”. Graças a esse Lp (saudosismo por minha conta) os caras foram parar em Londres. E bandas como The Clash e Sex Pistons chegaram à conclusão que não estavam sozinhas e puderam dar a cara tapa.
Uma simplicidade básica caracteriza o disco do começo ao fim, coisa difícil em uma  época onde histórias de dragões solos intermináveis de guitarra (oh, coisinha chata) e epopeias épicas eram uma constante no cenário (Chupa  Led Zeppelin). Os caras simplesmente desmontaram tudo e deixaram somente oque realmente interessava. Ou seja, atitude e bom som. Apesar da curta duração das musicas, a lembrança tocante que nos faz lembrar o rock dos anos 50 dão certo ar polido e saudosista e por que não uma dose de “doçura” nas melodias. As letras falam de coisas banais, que poderiam acontecer comigo ou com qualquer um de vocês, por isso é tão mágico, que chega ate a ser comum.
 
Dissecando a bolacha:
 
O calhamaço ferrenho é agressivo começa com Joey berrando na sensacional “Blitzkrieg Bop”, que fala dos ataques nazistas na segunda grande guerra, nos apresenta ao velho e bom “Hey ho, lest go” grito de chamada para batalha, vai para insanidade juvenil de “Beat On The Brat”, quem nunca quis bater em um moleque com um taco?
 
 Chega em “Judy is Punk”, história de amor deveras bizarra, de um punk e uma anã, trava tudo e um relaxada em “I Wanna Be Your Boyfriend”, baladinha de amor, o cara só queria uma namorada, nos leva a “Chain Saw”, o que o tédio e uma serra elétrica não podem produzir no Texas? Fala sobre o prazer de cheirar cola (ops) em “Now I Wanna Snif Some Glue”, avisa que existe algo obscuro em porões na singela “I Don`t Wanna Go Down To The Basement”.
Segue com Babacas e mais babacas em “Loudmouth”, esculhambando com CIA (temida central de inteligência americana) em “Havana Affair”. “ Listen to My Heart”, nos apresenta ao velho e bom 1,2,3,4… (Dee Dee, berrando), “53rd And 3rd”, biográfica, fala dos tempos que Dee Dee Ramone teve que se virar como michê nas ruas de Nova York, “Let`s Dance”, um clássico de David Bowie  nas voz de Joey. Joey grita oque não quer em “I Don`t Wanna Walk Around With You”, e chega ao final com  “Today Your Love, Tomorrow The Word”, como podemos dizer, uma coisa de cada vez.
Com todo esse universo, juvenil e caseiro, os caras abriram as portas para muita gente. Confesso que o Punk Rock me atrai nisso, na simplicidade. Bom para os que se atrevem a entender de rock, tem que passar por isso.
 
Os magrelos de Nova York tem que ter um espaço relativo em sua estante ou em seu computador (tempos modernos esses).
 
Com capa em preto e branco, simplicidade a risca, conteúdo altamente inflamável, “Ramones” (1976) é o documento oficial do punk.
 
E aprendam, sem querer ser repetitivo: “Toda vez que o Rock ficar chato, vai recorrer ao punk  para se salvar”. RAMONES FOREVER!
 
Marcelo Guido é punk, pai da Lanna e Bento, marido da Bia, jornalista e professor.

Especial New Metal: nesta sexta-feira (5), rola show da banda Toxodonte no The Black Rock Bar

Nesta sexta-feira (5), a partir das 223h, no The Black Rock Bar, vai rolar show da banda Toxodonte. O grupo apresentará um repertório com os sucessos do rock no estilo Nw Metal, com um setlist formado por covers dos grupos System of a Down, Linkin Park, Limp Bizkit, Slipknot, Disturbed, R.A,M, Mudvayne, Papa Roach entre outros grupos do gênero.

A Toxodonte é formada por Ângelo kevin (baixo), Anderson Coutinho (bateria), Élder santos (guitarra) e kamilo dias (vocal), além de mais três participações de músicos convidados. A banda está bem ensaiada e promete uma apresentação em alto nível.

De acordo com Kamilo Dias, com 3h de sonzeira, serão quase 50 musicas com base no documentário Metal Evolutiom. Certamente será uma noite firmeza para quem curte essa vertente do “roquenrou”.

Serviço:

Especial New Metal, com a banda Toxodonte
Local: The Black Rock Bar (Avenida Timbiras, Nº 85 – Beirol)
Hora: a partir das 23h
Data: 05/04/2019.

Elton Tavares

25 anos do lançamento do disco Raimundos (1994 foi um grande ano mesmo) – Por Marcelo Guido

tumblr_ne6ow6gFmV1t4wifqo1_1280

Hoje, 2 de abril, completam exatos 25 anos do lançamento do disco Raimundos (1994). Raimundos foi o disco de estreia do da banda homônima (que fez estrondoso sucesso), lançado em 1994 pelo selo Banguela Records, criado pela banda paulista Titãs em parceria com Carlos Eduardo Miranda.

Apesar do clipe da música “Nega Jurema” ser de produção precária, a pedidos do público, ele participou da escolha da audiência na MTV, para representar o Brasil nos Estados Unidos, que concorreu nada mais, nada menos, com o videoclipe “Territory”, da banda mineira de thrash metal Sepultura (que saiu vencedora).

Para celebrar esse clássico álbum do Rock Nacional, republico o texto do amigo Marcelo Guido.

DiscoNac_Raimundos

Discos que formaram meu caráter (Parte 2) – Raimundos (1994)

Então amiguinhos, estamos aqui de novo para falar de mais uma bela “bolacha”, que com certeza fez muita gente, assim como eu, também botar a cabeça pra balançar, poguear e pirar conforme a música.

O disco em questão trata-se de “Raimundos”, primeiro álbum da banda homônima (qualquer semelhança com Ramones não é mera coincidência) que veio do Distrito Federal dar uma nova cara para o Rock Brazuca, no começo dos já longínquos anos 90.

O momento histórico da música brasileira não era lá aquela maravilha, diga-se de passagem, sertanejo e um tal de “new pagode” tomavam conta de todas as paradas musicais naquela época, realmente era um verdadeiro cenário de terror para os fãs do velho e bom rock and roll.raimundos-1

As bandas nacionais sobreviventes dos anos 80 já se encontravam naquele esquema de “vamos fazer um disco conceitual, e sair em turnê para tocar o que a gente já gravou”, patético. (Menção honrosa para os excelentes “Descobrimento do Brasil de 93 da Legião Urbana e “Titanomaquia” dos Titãs, também do mesmo ano”).

Nesse sombrio cenário vê que aparece do cerrado, quatro moleques que falam palavrão a torto e a direito, trazendo uma energia que faltava para aquele angu enjoativo que se tornou a música brasileira.

imagesProduzido pelo Carlos Miranda e lançado pelo selo “Banguela” dos Titãs, “Raimundos” chegou fácil a 150 mil copias. Além disso, o álbum foi inovador por mostrar para nós o “forrócore”, a mistura do forró tradicional com o hardcore, coisa nunca tentada antes.

Meu primeiro contato com o disco foi através de meu grande amigo, Adriano Bago (que hoje também é um Guarani Kaiowa), que em um esquema “brodagem” me presenteou com uma fita gravada onde se encontrava a balada de duplo sentindo “Selim”.

Quando ouvi aquilo pela primeira vez, pensei: “Que porra é essa???”. Tratava-se de algo inovador, os versos da canção que diziam “Eu queria ser o banquinho da bicicleta pra ficar bem no meio das pernas…” era tão novo que me fazia lembrar que ser o caderninho da menina já estava muito ultrapassado. Aquilo sim era Rock, ou melhor, aquilo eu queria ouvir.

Recheado de palavrões, chegou de dois pés e colocou os caras no cenário nacional que era muito difícil na época, já que não tinha ninguém dançando de shortinho coreografias pré-ensaiadas.

O disco mostrou de cara que a banda tinha muito a dizer, o que se tornaria fato no decorrer da década, “Puteiro em João Pessoa” abre o disco contando logo história de uma transa adolescente (virou quadrinho nas mãos do Angeli), vai para “Palhas do Coqueiro”,”MM`S”, que tem a participação do João Gordo, “Nega Jurema” que vem descendo a ladeira trazendo uma sacola de Maria “Tonteira”, enfim, um discaço.

Antes de tudo, é importante falar que o disco remodelou o cenário musical e influenciou praticamente todas as bandas que se formaram depois na década de 90. Considero “Raimundos “como obra fundamental porque a molecada mandou à merda todos os conceitos reinantes na época, com suas guitarras barulhentas pra caralho (será que posso usar esse termo no site do Elton?), letras sujas e bateria passado por cima de tudo com muito orgulho. Foda-se a surdez (opa de novo).

“Puteiro em João Pessoa, MM`S, Be-a-bá”, “Marujo”, “Selim”, realmente entraram no gosto da garotada que estava na rua nos anos 90.“Raimundos” nos mostrou também, que não era mais legal parecermos ingleses como nos anos 80, que legal mesmo era chamar o Zenilton pra tocar….“Por isso que o Raimundos nunca vai se acabar”.

* Marcelo Guido, é Punk, Pai da Lanna e Bento, Jornalista, Professor e Marido da Bia.