Independente vence de 5X0 o Trem e assume a liderança do Campeonato Amapaense

Com confronto entre Independente e Trem, o Campeonato Amapaense de Futebol Profissional 2021 chega ao fim da sua primeira rodada. O jogo que trouxe para o campo o Carcará e a Locomotiva aconteceu neste sábado (24) e terminou com placar de 5X0 para o clube de Santana.

Nos primeiros jogos da rodada houve disputa entre Ypiranga e Santos, com placar de 2X2. Já Santana e Macapá jogaram na quinta-feira (22) e terminaram com placar de 1X1. Com a vitória do Independente, o Verdão assume a liderança do campeonato.

Os próximos jogos da fase classificatória acontecem nos dias 28, 29 e 30 de julho. Duelam no gramado do Zerão: Macapá X Independente, São Paulo X Ypiranga e Santos X Santana, respectivamente.

Restrições

O campeonato é realizado pela Federação Amapaense de Futebol (FAF), responsável também pela testagem de detecção do novo coronavírus em todos os atletas e comissões técnicas envolvidas nas disputas. Os exames são fruto de uma parceria com a Prefeitura de Macapá e o cronograma é executado pela equipe de saúde da FAF.

Por medidas de segurança sanitária e em cumprimento aos decretos governamentais, o público ainda não pode ocupar os lugares nas arquibancadas do Zerão.

Os jogos são transmitidos ao vivo pela FAF TV, através da plataforma de streaming Eleven Sports, disponível gratuitamente em aplicativo de celular. O link de todos os jogos pode ser acessado em https://elevensports.com/pt-br/regional/federacao-amapaense-de-futebol-rnhpfj

Marcelle Nunes
98106-4232
Comunicação FAF

Jogo entre Ypiranga e Santos abre o Campeonato de Futebol Profissional 2021

A partida de abertura do Campeonato de Futebol Profissional deste ano acontece nesta terça-feira (20) e traz para o campo do Estádio Zerão os rivais Ypiranga e Santos – AP. O campeonato é realizado pela Federação Amapaense de Futebol (FAF) e reúne sete clubes profissionais em seis rodadas classificatórias.

Santos-AP, Trem, São Paulo – AP, Ypiranga Clube, E.C Macapá, Independente e Santana são os participantes da temporada, com grande final prevista para o dia 23 de setembro, após 26 confrontos.

Preparação

Para garantir a segurança dos clubes em campo, a FAF realiza a testagem para detecção da Covid-19 entre os atletas e equipes técnicas. Os testes são fruto de uma parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) e as ações de testagem são conduzidas pela equipe de saúde da Federação.

Público

Por determinação de segurança imposta pela pandemia, as torcidas ainda não poderão acompanhar os jogos das arquibancadas. A FAF TV transmitirá as partidas pela plataforma digital Eleven Sports.

“A gente sabe que esse é o maior campeonato de futebol que realizamos e queríamos a torcida na arquibancada, mas até que o período de pandemia passe e seja seguro trazer o público para o estádio, a FAF TV será o elo entre o torcedor e o seu clube em campo”, explica Netto Góes, vice-presidente da FAF.

Imprensa

A imprensa esportiva que cobrirá as partidas deve chegar ao estádio com antecedência nos dias dos jogos. Com o início da partida, o portão do estádio permanecerá fechado para evitar o acesso do público. A equipe de comunicação da FAF estará disponível para mais informações.

Jogo de abertura

Ypiranga e Santos entram em campo às 20h nesta terça-feira (20). O link do jogo já está disponível em:
https://mycujoo.tv/view/event/ckraxfpwp4ij20gd8qpq97xgw?src=CPT_EC

Marcelle Nunes
Comunicação FAF
(96) 98106-4232 (Telefone e WhatsApp)

Hoje é o Dia Nacional do Futebol

Hoje é o Dia Nacional do Futebol, uma data que foi escolhida em 1976 pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), em homenagem ao time mais antigo do país em atividade, o Sport Club Rio Grande, do Rio Grande do Sul, fundado no dia 19 de julho de 1900.

Eu e meu irmão, Emerson Tavares, amamos futebol. Ele muito mais que eu. Começamos a gostar do esporte por causa de nosso saudoso pai, José Penha Tavares (papai foi goleiro dos times amapaenses São José e Ypiranga, além de mais uma porrada de equipes das peladas).

O velho nos levava para assistir aos jogos no antigo Estádio Glicério Marques, no centro de Macapá. Falar nisso é uma verdadeira overdose nostálgica porreta.

Também por influência do papai, nos tornamos flamenguistas. Graças a ele e a Deus, claro. Nunca fui bom de bola, batia muito (muito), era perna de pau, mas sempre acompanhei o esporte e acompanho até hoje. Ah, eu ia esquecendo, aqui no Amapá, torço pelo Ypiranga, mas o futebol local ainda tem muito que melhorar.

Meu irmão, antes de um jogo do Mengão no Estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF), há alguns anos.

Meu irmão Emerson é o maior flamenguista que conheço. E desconfio que o remista mais doente também. Graças a Deus, sou bicolor no Pará.

Azar mesmo é de quem torce pro Vasco, aquele time da série B, só pra passar vergonha (fico com pena dos meus amigos vascaínos, que sofrem muito).

Mas voltando ao futebol de verdade. Nas mesas dos bares, todos somos técnicos apaixonados; sempre temos uma desculpa, observação ou piada. O futebol não tem lógica, essa é a graça. O esporte é amor, paixão, sorrisos, lágrimas, encarnação, apostas, discussões, confraternização e, acima de tudo, emoção. Nunca, nunca mesmo, é somente um jogo ou esporte.

Há muito, o futebol deixou de ser uma preferência masculina (ainda bem); assistir aos jogos nos bares ficou muito mais convidativo (risos).

Sem falar na profissionalização dos campeonatos femininos, em ascendência. As jogadoras precisam ser valorizadas. O machismo no esporte ainda é forte e muitas mulheres sacam, jogam e amam o futebol muito mais que os caras.

Minha relação com o futebol é somente de torcedor, não jogo bola e não jogaria mesmo se não fosse gordo. Gosto é de assistir e tomar cerveja. Tirar sarro e receber a zueira. Faz parte. Só não vale brigar com os brothers. Meu tempo disso já passou.

Flamengo eu sempre ei de ser!!

Enfim, amamos futebol, apesar daquele fatídico e inesquecível  7×1. Principalmente o Flamengo, o maior do mundo. Mas independente de qual seja o seu time, viva o futebol, pois ele faz parte da nossa cultura. Que estes dias tristes de pandemia passem logo. Queremos nossas vidas de volta e assistir aos jogos com os amigos está incluso nisso.

Viva o futebol!

Elton Tavares

Macapá e Santana disputam a final do Sub-20 na próxima sexta-feira

Esporte Clube Macapá e Santana Esporte Clube chegam à final do Campeonato Sub-20 na sexta-feira (16). A disputa é realizada pela Federação Amapaense de Futebol (FAF) e será transmitida ao vivo a partir das 16h, direto do Estádio Zerão.

A definição dos finalistas aconteceu nas partidas de semifinais realizadas nos dias 12 e 13 de julho, com vitória do Macapá por 3 X 2 em cima do São Paulo e do empate com vantagem do Santana sobre o Trem, respectivamente.

Por causa das medidas restritivas impostas pela pandemia, a partida decisiva não terá presença de público nas arquibancadas, mas a FAF TV transmitirá o jogo pela plataforma digital Eleven Sports.

Merecimento

Macapá e Santana se mantiveram no topo da classificação da tabela dos jogos ao longo do campeonato. A conquista pelos lugares na final, segundo o vice-presidente da FAF, se fez merecida: “Os clubes finalistas chegaram à final mantendo a liderança da tabela nas rodadas classificatórias, os atletas se dedicaram e na sexta, serão premiados de acordo com seus feitos na temporada”, disse Netto Góes.

Testagem

Antes de retomar o futebol no Amapá, a FAF realizou a testagem para detecção da Covid-19 em atletas e equipes técnicas participantes do Sub-20.

Os exames e todo o processo de testagem foram conduzidos por uma equipe de saúde da Federação e os testes foram doados pela Prefeitura de Macapá, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa).

Premiação

Os troféus que serão entregues aos campeões levam os nomes de Camilo Filho e Raimundo Tupan, grandes personalidades do futebol de base e profissional do Amapá.

O troféu de campeão receberá o nome de Camilo Filho, santanense idealizador do projeto social Estrela da Manhã, que faleceu vítima da Covid-19 em abril deste ano.

Raimundo Tupan dos Santos Duarte foi jogador do Santana Esporte Clube e do Trem. Ganhou destaque nos últimos anos como presidente do Ypiranga. Seu nome foi dado ao troféu de vice-campeão da disputa.

O vencedor do campeonato será o representante do Amapá na Copa do Brasil Sub-20 do próximo ano.

Link para o jogo da final: https://mycujoo.tv/view/event/ckqff884bg3dp0hbykzot43lz?src=CPT_EL

Marcelle Nunes
Comunicação FAF
98106-4232 (telefone e WhatsApp)

CUFA lança campanha nacional com clubes de futebol para arrecadar alimentos para as Mães da Favela

O Mães da Favela Futebol Clube pretende arrecadar 350 toneladas de alimento em média por estado em uma semana – de 21 à 27 de junho.

Central Única das Favelas decidiu unir forças com a Comunidade Door, a Frente Nacional Antirracista e clubes de futebol por todo o país e lançar a campanha Mães da Favela Futebol Clube. Para realizar o projeto, parcerias estão sendo fechadas com os clubes de todos os estados e de todas as divisões. Até o momento já são 44 clubes confirmados, entre eles: São Paulo, Corinthians, Palmeiras, Santos, Internacional, Grêmio, Flamengo, Vasco, Fluminense, Bahia, Vitória, Goiás, Ceará, Fortaleza, entre outros. No estado do Amapá fechamos parcerias com os seguintes clubes, Trem Desportivos Club, Sociedade Esportiva e Recreativa São José e Ypiranga Clube.

A ação tem como objetivo arrecadar alimentos e distribuí-los para as famílias em situação de vulnerabilidade de todo o Brasil através do programa Mães da Favela, da CUFA. A expectativa é que sejam arrecadados, em média, 350 toneladas de alimentos por estado, totalizando 12 mil toneladas de doações, o equivalente a 100 milhões de reais. O início da campanha será no dia 21 de junho, segunda-feira.

A partir dessa data, as pessoas ou empresas, torcedoras dos times, que quiserem contribuir, poderão levar suas doações até aos pontos de arrecadação definidos pelos clubes participantes. Esses alimentos ficarão armazenados até o final de semana de 25, 26 ou 27 de junho, a depender do calendário de jogos de cada time.

Neste final de semana serão realizadas ações nacionais, quando as lideranças das CUFA’s favelas irão retirar as doações e levá-las para as famílias cadastradas no Mães da Favela.

“As pessoas sabem que estamos atravessando um momento difícil e tem se mostrado muito solidárias, mas também percebemos que essa percepção do povo aliada ao apoio dos representantes de uma paixão nacional, que é o futebol, engaja muita gente a doar, e dessa forma esperamos conseguir apoiar ainda mais as Mães da Favela que precisam. É um momento de união, não existe rivalidade entre clubes.” afirma Celso Athayde, fundador da CUFA.

Além dos clubes, o projeto também conta com doadores master, doadores de prata e apoiadores. Assinam como parceiros master as empresas, Assaí Atacadista, Volvo Car, Carrefour Brasil, VR Benefícios, Gol Linhas Aéreas e Cab Motores que apoiam a campanha nacionalmente. Já as patrocinadoras e apoiadoras, realizam doações locais, dentro de seus próprios estados

A ação tem também como parceiro a Agência África.

Sobre a CUFA:

Presente há mais de 20 anos nas favelas brasileiras, promovendo atividades nas áreas de educação, lazer, esportes, cultura e cidadania, em 2020 a CUFA se deparou com o desafio da pandemia. Sabendo que a crise atingiria ainda mais as favelas, concentramos todos os nossos esforços em captar doações para diminuir os impactos causados pela pandemia. Através do programa Mães da Favela, a instituição entregou cestas básicas, físicas e digitais, e chips com internet gratuita por 6 meses. No ano de 2020, a CUFA mobilizou R$ 187.596.960,00 milhões, atendendo a 1.502.358 famílias de 5 mil favelas de todo o Brasil, e até agora, mês de Maio de 2021, já comemoramos pelos R$ 76.923.360,00 milhões e a meta é atingirmos R$ 200 milhões arrecadados para as Mães da Favela em 2021.

Diante do agravamento do quadro da pandemia e da situação econômica do país, a CUFA, em conjunto com a Frente Nacional Antirracista e a Gerando Falcões, criou o Panela Cheia Salva. Uma campanha feita para arrecadar recursos para a compra de cestas básicas para pessoas em situação de vulnerabilidade.

CUFA – Assessoria de Imprensa – [email protected]
Carolina Marciale
11 94133-5847 / [email protected]
Isabella Winckler
11 99837-0017 / [email protected]

Covid-19: FAF inicia testagens com atletas e equipes do Sub-20 nesta quarta-feira (09)

A Federação Amapaense de Futebol (FAF) inicia nesta quarta-feira (09) o cronograma de testagens para detecção da Covid-19 em atletas e equipes técnicas participantes do Campeonato Amapaense Sub-20. Sete clubes, equipe da FAF e arbitragem passarão pelos exames.

As testagens realizadas pela FAF compõem o protocolo de segurança adotado durante a pandemia. Os jogadores e suas equipes são testados e, em campo, outras medidas são executadas, como a proibição da presença de torcida nas arquibancadas e o limite de pessoas por clube no estádio.

Os exames de detecção da Covid-19 e todo o processo de testagem são conduzidos por uma equipe de saúde da FAF. Os testes foram doados pela Prefeitura de Macapá, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa).

“Agradecemos a parceria da Prefeitura de Macapá nesse processo de preparação para a volta dos campeonatos. Retornamos com segurança e respeitando os limites impostos pela pandemia”, ressalta o diretor do Departamento Técnico da FAF, Manoel Figueira.

Cronograma

As testagens iniciam nesta quarta-feira (09) e vão até a sexta-feira (11). Macapá, Trem, Santos e São Paulo passam por exames em seus locais de treinamento. Independente e Santana serão testados no Estádio Augusto Antunes, e na sede da FAF, os exames serão realizados com o Oratório, equipe da Federação e arbitragem.

O campeonato Sub-20 inicia no sábado (12), com confronto entre Trem e Macapá, às 16h, no Estádio Zerão. A FAF TV transmitirá o jogo pela plataforma Eleven Sports (antigo aplicativo MyCujoo).

Após 24 partidas classificatórias, as semifinais iniciam no dia 13 de julho e a grande final está marcada para 16 de julho.

Marcelle Nunes
(96) 98106-4232
Comunicação FAF

FAF divulga nova tabela do Campeonato Profissional 2021

A Federação Amapaense de Futebol (FAF) divulga nesta segunda-feira (31) uma nova tabela do Campeonato Amapaense de Futebol Profissional 2021. As disputas entre os clubes já definidas foram mantidas, mas o planejamento tem nova estrutura de datas adequadas à realidade da pandemia em Macapá.

O campeonato deste ano conta com sete clubes e inicia no dia 20 de julho com confronto entre Ypiranga e Santos-AP, no Estádio Zerão. Antes dos jogos, a FAF realizará testagem para detecção de Covid-19 em todos os jogadores e equipes técnicas envolvidas na competição.

Os jogos estão liberados, mas as arquibancadas do Zerão não poderão ser ocupadas por torcedores. Para que as torcidas não percam a emoção do campeonato mais esperado do ano, a FAF TV transmitirá todas as partidas pelo aplicativo MyCujoo.

Os clubes Trem, Santos-AP, São Paulo -AP, Ypiranga Clube, EC Macapá, Santana e Independente disputarão o título de campeão em seis rodadas classificatórias. As semifinais estão previstas para o dia 07 de setembro. Os jogos de ida e volta da grande final acontecem nos dias 17 e 23 de setembro.

“Reorganizamos a tabela, mas mantivemos os confrontos já definidos. As datas estão adequadas à realidade da pandemia em Macapá. Sabemos que o torcedor espera pelo Campeonato Profissional e acreditamos que a festa será bonita esse ano”, concluiu Manoel Figueira, diretor do Departamento Técnico da FAF.

Marcelle Nunes
Comunicação FAF
(96)98106-4232

20 anos do gol do Petkovic (uma crônica para flamenguistas)#flamengo

Arte: Ronaldo Rony

Em 27 de maio de 2001, há exatos 20 anos, um gol inesquecível. Eu estava no antigo apartamento do Adriano e Silvana, meus primos. Assistíamos a final do Campeonato Carioca de Futebol daquele ano, juntamente com o amigo Aílton. Aquele dia tem um valor especial na vida dos milhões de flamenguistas no mundo.

O Vasco tinha ganhado o primeiro jogo por 2×1, o Flamengo precisaria vencer por dois gols de diferença para levar o título da competição.

Edílson abriu o placar pro nosso time e Juninho Paulista empatou pro Vasco. Acabou o primeiro tempo. Na segunda etapa da partida, o “Capetinha” meteu mais um. Mas o Mengão ainda estava em desvantagem, pois precisava vencer pela diferença de dois gols.

A torcida do Vasco já comemorava nas arquibancadas. Já eram 43 minutos do segundo tempo. Aí Edílson sofreu falta na intermediária, só que o gol de Hélton não tava tão perto. Petkovic arrumou a bola, deu três passos para trás e respirou fundo.

Bateu forte, colocado e com a precisão cirúrgica que lhe era peculiar. A batida foi perfeita. A bola pegou efeito e saiu do alcance do goleiro Helton. Aliás, o goleiro bem que tentou, saltou alto e se esticou todo, mas a defesa não foi possível. Nem dois goleiros ali embaixo daquela trave evitariam o gol quase sobrenatural. Foi lá onde “a coruja dorme”, no canto superior esquerdo da rede. Naquele momento, vibrei, quase choro, ri e me senti o cara mais feliz do mundo. Coisa de quem ama o futebol, sobretudo, o Flamengo.

Épico e eternamente na memória e coração dos torcedores dos rubro-negros, 3 a 1, porra! Era o tricampeonato carioca ao Rubro-Negro. A gente correu pra Praça Zagury, agora Beira-Rio, bebemos logo pelos três títulos consecutivos. Naquela noite, vi um amigo virar a casaca, tirou a camisa vascaína e vestiu o manto sagrado Rubro-Negro. Ele, o Frank Bitencourt, disse que tinha cansado de sofrer. Até hoje é possível vê-lo em algum bar durante as transmissões dos jogos do Flamengo.

Helton salta, mas não alcança a falta cobrada por Petkovic (Foto: Hipólito Pereira / O Globo)

Há alguns anos, Petkovic foi convidado pelo Globo Esporte para bater a falta novamente, do mesmo local. Adivinhem? O sérvio colocou a bola do mesmo jeito, no mesmo lugar. Ah, gringo foda da porra! Não à toa, é um dos maiores ídolos da era atual do Flamengo. Uma lenda viva, já que se tornou o jogador estrangeiro mais decisivo da história do clube e talvez até do futebol nacional.

Filme “43′ – Na hora de acabar”

Cartaz do filme 43′ – Na hora de acabar

A façanha de Pet virou documentário. O filme “43′ – Na hora de acabar”, traz, além das entrevistas exclusivas, visões diferentes daquele gol. Assista o DOC aqui:

Desde então, já se passaram 20 anos. Assim como a vida, o futebol é feito de ciclos. Mas é sempre bom lembrar dos momentos felizes e foi o que ocorreu.

“Nóis” é Mengão até depois de morrer e hoje é o atual campeão brasileiro. Ou seja, o melhor time do Brasil e um dos melhores do mundo!

Ao Petkovic, autor daquela obra-prima que ficará marcada para sempre na minha memória e coração, nossos milhões de obrigados!

Elton Tavares

Troféus do Sub-20 levam os nomes de Camilo Filho e Raimundo Tupan este ano

A Federação Amapaense de Futebol (FAF) definiu os nomes dos troféus do Campeonato Sub-20 deste ano. Serão homenageados Camilo Filho e Raimundo Tupan, nomes do futebol de base e profissional do Amapá, que faleceram vítimas da Covid-19.

“Batizar os troféus de um campeonato com o nome de pessoas que ajudaram a construir a história do futebol no Amapá é mais que uma homenagem, é uma forma de agradecimento pela doação de vida e pelo comprometimento que estes desportistas tiveram com o nosso esporte”, explica Netto Góes, vice-presidente da FAF.

Troféu de campeão – Camilo Filho

O troféu de campeão receberá o nome de Camilo Filho, santanense idealizador do projeto social Estrela da Manhã, que faleceu vítima da Covid-19 em abril deste ano.

Camilo Filho fundou o Estrela da Manhã para incentivar o futebol de base e contribuir com a formação do caráter de seus atletas. O projeto nasceu em novembro de 2010 e atua nos bairros da periferia do município de Santana, desenvolvendo com crianças e adolescentes, atividades esportivas, educacionais, culturais e religiosas.

Troféu de vice – Raimundo Tupan

Raimundo Tupan dos Santos Duarte foi jogador do Santana Esporte Clube e do Trem Desportivo Clube. Ganhou destaque nos últimos anos como presidente do Ypiranga. Seu nome foi dado ao troféu de vice-campeão da disputa.

Tupan faleceu em novembro de 2020, foi um desportista verdadeiramente apaixonado pelo futebol do Amapá e sua contribuição ao esporte será eternizada.

Campeonato

O Campeonato Amapaense de Futebol Sub-20 está previsto para iniciar dia 12 de junho, com o confronto entre Trem e Macapá. Sete clubes estão confirmados na disputa: Trem Desportivo Clube, Santos Futebol Clube do Amapá, Esporte Clube Macapá, São Paulo Futebol Clube do Amapá, Oratório Recreativo Clube, Santana Esporte Clube e Independente Esporte Clube.

O campeonato deste ano terá 24 partidas classificatórias a serem realizadas nos estádios Augusto Antunes, em Santana e Zerão. As semifinais iniciam no dia 13 de julho e a grande final está marcada para 07 de julho.

Marcelle Nunes
Comunicação FAF

Tartarugalzinho recebe curso de arbitragem ministrado pela FAF

Inicia nesta quarta-feira (19) o curso de formação para novos árbitros realizado no município de Tartarugalzinho. Com carga horária de 36 horas, o curso é uma iniciativa da Liga Desportiva de Tartarugalzinho, em parceria com a Federação Amapaense de Futebol (FAF) e a prefeitura do município.

A Escola Estadual de Arbitragem do Amapá (EEAA) comanda o curso que tem caráter de aperfeiçoamento, com aulas de teoria de campo, pilar técnico e físico. A turma é composta por 25 alunos, sendo 15 mulheres e 10 homens.

O curso será ministrado pela diretora da EEAA e diretora do Departamento de Arbitragem no Amapá, Marilene Matta, e por Reinaldo da Mata, árbitro de carreira na FAF.

Após o intensivo de 36 horas, os alunos continuarão sob supervisão da escola, que proporcionará outras atividades para completar a carga horária necessária para a atuação dos novos árbitros em campeonatos estaduais, que é de 240 horas. Com o curso intensivo, os profissionais estão aptos para atuar em âmbito municipal.

“Nosso curso completo de arbitragem tem 240 horas e esses novos árbitros de Tartarugalzinho vão completar essa carga horária, começando com as 36 horas e se mantendo sob a supervisão da EEAA”, explicou Marilene Matta.

O curso inicia nesta quarta-feira e segue até o dia 21, com a cerimônia de conclusão e entrega de certificado.

Marcelle Nunes
Comunicação FAF

Ypiranga-AP celebra 58 anos com live musical e apresentação dos novos uniformes

Modelos dos novos uniformes — Foto: Divulgação/YC

Por Rodrigo Juarez

Detentor do maior número de títulos do Amapazão, nove em sua história na era profissional, Ypiranga-AP completa, neste sábado (15), 58 anos de fundação.

Por conta da pandemia a celebração será através de uma “live musical” que poderá ser acompanhada pela internet, nas redes sociais do clube ou pelo link acessando aqui, a partir das 20h.

Durante o evento serão apresentados os novos uniformes do Clube da Torre para as disputas do Campeonato Brasileiro da Série D e do Estadual 2021.

Confeccionados pela Icone Sports, além da tradicional camisa listrada em preto e azul que traz como patrocinar master a Gnex Telecom, a principal novidade está no uniforme branco, número dois, que apresenta a Coruja, mascote do clube, como detalhe da camisa.

Ypiranga campeão estadual de 2020 — Foto: Rosivaldo Nascimento/Arquivo Pessoal

Breve Histórico

Atual campeão do Amapazão e detentor do maior número de títulos da era profissional (1992, 1994, 1997, 1999, 2002, 2003, 2004, 2018 e 2020,) o Ypiranga surgiu, em 15 de maio de 1963, da união de esforços do padre italiano, Vitório Galiani e dos jovens que integravam a Juventude Oratoriana do Trem (JOT) da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Macapá.

Torcedor da Internazionale de Milão, o padre Vitório resolveu adotar as cores do clube europeu à equipe recém criada no Amapá. Para marcar o surgimento no bairro e a ligação com a religião católica foi adotado no escudo a torre da Igreja de Nossa Senhora da Conceição.

Ypiranga Clube de 1964 — Foto: Arquivo/Ypiranga Clube

Um ano após o surgimento no futebol, em 1964, o Clube da Torre conquistou sua primeira taça na 2ª divisão do Campeonato Amapaense na era amadora, onde ascendeu para o grupo de elite, onde ganhou o primeiro título em 1976, antes da profissionalização do futebol no Amapá.

Fonte: Globo Esporte AP.

FAF destina R$20 mil para pagamento da arbitragem amapaense

A Federação Amapaense de Futebol (FAF) iniciou na terça-feira (27) uma série de pagamentos destinados a 52 árbitros que compõem o quadro da instituição. Os valores são variados e referentes a jogos apitados nos anos de 2019 e 2020.

A FAF quitou quase a metade da dívida acumulada com a categoria. O valor total dos pagamentos realizados nesta terça-feira é de R$20.005,00. Os árbitros receberam por meio de transferências bancárias e cheques. Para garantir as medidas de proteção contra a Covid-19, os profissionais foram atendidos individualmente e com horário marcado.

O presidente Netto Góes ressalta a importância de manter o diálogo com os colaboradores. “Amortizamos quase 50% da dívida. O saldo restante será pago em parcelas fixas ao longo do ano. Priorizamos nosso compromisso com a transparência e com o diálogo sempre”, disse.

Ao todo, 120 profissionais fazem parte da Comissão Estadual de Arbitragem e exercem suas atividades nos jogos de campeonatos promovidos pela FAF. Destes, 13 fazem parte da Seleção Nacional de Árbitros de Futebol (Senaf) e também atuam em partidas da CBF em todo território nacional.

Os valores individuais repassados aos colaboradores que possuíam pendências com a FAF variam com as funções em campo e com a relevância do campeonato. Árbitros centrais e assistentes podem receber entre R$150 e R$500 pelas atividades em cada partida.

Marilene Matta, diretora da Comissão Estadual de Arbitragem, fala sobre o processo de pagamento e o trabalho da FAF neste período de pandemia.

“Realizar o pagamento dos árbitros é garantir que continuemos com profissionais comprometidos em nossos campeonatos. Um pagamento justo e mais do que necessário neste momento delicado. Com o parcelamento da dívida que restou, vamos avançar ainda mais no diálogo com a nossa equipe”, concluiu a diretora.

Marcelle Nunes
Comunicação FAF
(96)98106-4232

Hoje é o Dia do Goleiro – meu saudoso pai foi/é o meu goleiro preferido

No Brasil, em 26 de abril é comemorado como o Dia do Goleiro. A data foi criada há quase 40 anos para fazer uma homenagem para aqueles atletas que por muitas vezes não tem o reconhecimento devido do seu trabalho. A ideia foi do tenente Raul Carlesso e do capitão Reginaldo Pontes Bielinski, que eram professores da Escola de Educação Física do Exército do Rio de Janeiro, e começou a ser comemorada a partir da metade dos anos 70, segundo relata Paulo Guilherme, jornalista que escreveu o livro “Goleiros – Heróis e anti-heróis da camisa 1”.

Como eu já disse aqui, por diversas vezes, amo futebol. Goleiro é posição maldita do esporte bretão (chamado assim por ter sido inventado na Grã-Bretanha). Meu saudoso e maravilhoso pai, José Penha Tavares, era goleiro. Posso afirmar, sem paixão (talvez com um pouquinho dela), que ele foi muito bom.

Papai agarrou pelos times amapaenses (quando o futebol aqui era amador) do São José e Ypiranga Clube. Também foi amigo de um monte de conhecidos boleiros locais. Infelizmente, meu amigo Leonai Garcia (que também já virou saudade), esqueceu-se dele no seu livro “Bola da Seringa”.

Quando moleque, acompanhei papai em centenas de peladas. Torcia e sofria quando ele levava gols, principalmente quando falhava. Aprendi a admirar goleiros com ele. Lembro bem de expressões como: “Olha essa ponte!”, “Que defesa, catou legal!” ou algo assim, bons tempos aqueles.

Bem que tentei jogar em todas as posições, inclusive o gol (sempre era o último a ser escolhido), mas nunca consegui me destacar pela bola, mesmo antes de engordar. Não sei se as crianças de hoje ainda escolhem o pior dos meninos (ou meninas) para agarrar, aquilo é bullying (risos). Digo isso com conhecimento de causa.

Quando me refiro ao goleiro como “posição maldita”, falo de uma série de injustiças que vi goleiros sofrerem ao longo dos meus 44 anos, mas uma é mais marcante: a crucificação do arqueiro Barbosa, da seleção de 1950. Há alguns anos, assisti a um documentário sobre a derrota para o Uruguai na final daquele mundial. Aquele homem foi estigmatizado até o fim de sua vida.

Em 2010, durante uma entrevista, Zico (não preciso dizer quem é, né?) declarou que o Barbosa, no fim da vida, disse a ele: “desculpe, mas gostei de ver você perder aquele pênalti em 1986, pelo menos me esqueceram um pouquinho”. Imaginem como o velho goleiro sofria pela falha de 1950? É a maldição do goleiro.

Vi grandes goleiros jogarem. Raçudos e classudos, voadores, pegadores de pênaltis. Foram tantos que é difícil enumerar, mas lembro bem do Buffon, Gilmar, Taffarel, Raul, Dida, entre tantos outros arqueiros que nos encantaram com a segurança debaixo da trave. Mas para mim, meu pai foi o melhor de todos eles.

Este texto é uma homenagem aos goleiros profissionais e peladeiros, que se machucam em saltos destemidos, levam chutes meteóricos, além de divididas violentas. Em especial ao meu pai, meu goleiro preferido para sempre. Amo-te, Zé Penha. Um beijo pra ti, aí nas estrelas!

Elton Tavares

O Craque Dener – Por Marcelo Guido (republicado por conta que hoje, se vivo, o jogador faria 50 anos)

Por Marcelo Guido

Dos campos de terra, ao palco celeste. Os Deuses do futebol conspiram sempre nos terrões localizados nas várzeas, “campos” onde grama é algo raro, surgem talentos natos. Em um desses veio para o mundo da bola o genial Dener.

Negro, baixo, magro como muitos de seus pares, tinha o dom de comandar a pelota como poucos. Esguio, liso como peixe ensaboado, deixava para trás seus adversários, que ficavam a mercê de seu talento como míseros “Joões” sem pai nem mãe.

Dribles desconcertantes foram sua marca maior, tal qual Umbabarauma , o ponta de lança africano de Benjor. Dener era o arquétipo máximo do bom jogador.

Honrou em sua curta passagem pela vida três dos maiores pavilhões do futebol. Portuguesa, Grêmio e Vasco. Deixou boquiaberto o grande Maradona. Don Diego teve sua reestreia no futebol portenho ofuscada pelo desempenho maior do camisa 10 de São Januário.

Foram realmente poucos títulos, a Copinha de 91 pela Lusa, o Gauchão de 93 pelo Tricolor e a Taça Guanabara de 94 pelo Gigante. Mais sua contribuição foi eterna para o espetáculo. Até hoje quem entende um pouco de futebol, não importando a identificação clubística , coloca o garoto do Canindé entre os melhores que já pisaram em um campo de futebol.

Pepe, eterno canhão da Vila, rendeu-se ao Gênio comparando ao incomparável Rei do futebol :“ foi o mais próximo que chegamos de um novo Pelé”. Pegar a bola em uma linha central, sair driblando em zigue-zague com o objetivo máximo de levar a criança para dormir no fundo das redes adversarias era sua constante dentro de campo.

Dener era o suprassumo da coerência futebolística, para ele um drible bonito era sim, mais bonito que um gol. Ele era o espetáculo.

Calou críticos, que ousaram dizer que o campeonato gaúcho era muito pesado para ele, levou o Maracanã ao delírio em um inesquecível Vasco x Fluminense, onde a torcida Vascaína bradou em alto e bom som, “E cafuné , o Dener é a mistura do Garrincha com Pelé”, fez o gol mais bonito já feito no solo sagrado do Canindé , contra a Inter de Limeira, virou musica na voz de Luiz Melodia, “ se vocês querem um conselho vou dar, deixem o menino driblar” e literatura nas mãos de Luciano Ubirajara Nassar autor de “ Dener , o Deus do Drible”.

Sua vida passou como ele passava pelos beques , seu drible mais desconcertante foi com certeza na miséria e sua carreira foi rápida como um raio. Dener Augusto de Sousa deixou órfãos os amantes do bom futebol no dia 19 de abril de 1994, em um fatídico acidente automobilístico na lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro.

Talvez o próprio Deus, boquiaberto com tanto talento daquele menino negro, resolveu escala-lo para seu time celeste para o jogo de domingo.

Ficou a história de um dos que, em pouco tempo, provou ser um dos melhores no mundo da bola.

Dener, Deus e Drible, os “D” em caixa alta, atitude mais que correta.

* Marcelo Guido é Jornalista, Pai da Lanna Guido e do Bento Guido. Maridão da Bia.

**Republicado por conta que hoje, se vivo, o jogador faria 50 anos.