Hoje é o Dia de Santo Antônio – o “Dia do Amor”

Hoje é o Dia de Santo Antônio. Somente agora tive tempo de publicar um texto sobre, afinal, temos a Sessão Datas Curiosas neste site.

Também chamado pelos católicos por Santo Antônio de Lisboa ou Santo Antônio de Pádua. De acordo com a história, ele foi inicialmente um frade agostiniano, tendo mais tarde entrado na ordem Franciscana (1220). Nascido em Lisboa no dia 15 de agosto entre os anos de 1191 e 1195, ele morreu em Pádua, na Itália, no dia 13 de junho do ano de 1231. Daí a celebração neste dia.

Foi muito conhecido pela sua vida despojada de riquezas, apesar de ter nascido em uma família influente. O seu trabalho com os pobres foi essencial para que fosse rapidamente reconhecido como santo após sua morte.

A canonização de Santo Antônio aconteceu poucos anos após sua morte, e muitos consideram que terá sido uma das canonizações mais rápidas da história.

Santo Antônio é considerado um dos santos mais populares entre os brasileiros e portugueses. No Brasil, Santo Antônio é conhecido por ser o “Santo Casamenteiro”, sendo que o Dia dos Namorados é comemorado no dia 12 de junho no Brasil por ser a véspera do Dia de Santo Antônio. Hoje é que as pessoas que desejam casar ou conseguir um namorado preparam simpatias para Santo Antônio, acompanhadas de orações.

Para a umbanda esto_antonio_exu1 o candomblé, no Brasil, Santo Antônio é sincretizado como Exú, que é um orixá africano, também conhecido como: Exu, Esu, Eshu, Bara, Ibarabo, Legbá, Elegbara, etc. Ou também Ogum, que é o orixá da guerra, capaz de abrir caminhos na vida. Por isso, costuma ser identificado com Santo Antônio, o “santo casamenteiro”.

Exú é o orixá encarregado de ligar o mundo dos espíritos ao mundo material, proteger as fronteiras, as casas, templos, cidades. E também é responsável pelas ligações amorosas, o que faz do dia 13 de junho uma data especial para trabalhos espirituais ligados ao amor. Por isso, hoje também é o dia Exú ou Dia do Amor.

Outra denominação para Santo Antônio é Hermes, na Mitologia Grega o Deus da medicina, do comércio e dos ladrões, é também o mensageiro dos deuses.

Dizem que Santo Antônio, quando ainda não era santo, decidiu ajudar duas moças pobres a se casar, não sabia a dor de cabeça que estava criando pra si mesmo. O coitado agora tem que conviver com as ordens pedidos de mulheres que são capazes de qualquer coisa pra acabar com a solteirice. Essa santidade que as moças teimam em deixar de cabeça pra baixo , afogam e até sequestram o Menino Jesus e barganhar o refém por um namorado ou casório.

Portanto, hoje é festa junina nas igrejas, terreiros de umbanda e candomblé. Viva a diversidade religiosa e suas denominações sobre divindades e seres encantados, seja Santo Antônio, Hermes ou Exú, meu respeito. Com sua energia e poder, que ele ajude quem ainda não tem um amor . É isso!

Elton Tavares (compilação).
Fontes: Calendar, Tenda Cigana e Raízes Espirituais.

Sobre hoje, Dia dos Namorados – Minha crônica em homenagem aos casais

Hoje é o Dia dos Namorados. Uma das datas comerciais mais legais que existem. Hoje parabenizo aqueles que namoram, conseguem dividir alegrias e tristezas, glórias e fracassos, enfim, aventuras e desventuras da vida a dois. Como disse Cazuza: “só entende quem namora”.

Gosto de namorar. Aprecio o chamego, a cumplicidade, enfim, de tudo que vem no pacote. Mesmo que, às vezes, não haja tempo para os amigos (eles entendem, por isso são meus amigos). Para os solteiros, mesmo os que negam, é uma data infame (risos).

A definição da data é: Dia dos Namorados ou Dia de São Valentim, como é conhecido em outros países, é uma data comemorativa na qual se celebra a união amorosa entre casais. No Brasil, a divulgação da data foi feita pelo empresário João Dória, que havia chegado do exterior. Representantes do comércio acharam uma ótima ideia para aquecer as vendas e escolheram o dia 12 de junho para ser o dia dos namorados em nosso país. A data foi escolhida às vésperas do dia de Santo Antônio, o santo casamenteiro.

Mesmo com contratempos que existem em todos os relacionamentos, pois onde tem amor, tem dor. Eu nem ligo se outros tiverem queixas, pois quem tem que gostar é o casal e fiscal da vida alheia é uma raça que nunca estará em extinção.

Em resumo, feliz Dia aos casais, sejam eles convencionais, anticonvencionais, coloridos e etecétera e tal. Afinal, como diz uma canção legal: “qualquer maneira de amor vale a pena, qualquer maneira de amor vale amar…”.

Feliz Dia dos Namorados a todos vocês, leitores entrelaçados com seus respectivos pares e pra gente, Bruna, que namoramos todo santo dia. E Cereja, que este seja somente o nosso segundo Dia dos Namorados juntos, de todos os outros do resto de nossas vidas.  

Sobre namorar/viver com a Bruna, já disse e repito: adoro as pequenas coisas, como ir ao supermercado, farmácia, shopping ou qualquer lugar do cotidiano com essa mulher fantástica. Adoro quando ela ri (o som é engraçado e gostoso), adoro quando ela canta, pois sua voz é firme. Adoro quando ela faz caretas legais depois de falar alguma besteira engraçada. Adoro o jeito que ela me mostra vídeos cômicos na internet. Adoro quando ela cuida de mim. E cuido dela também, que fique registrado!

Também já disse que nós furamos as previsões dos jogadores de búzios, cartomantes e os Nostradamus (secadores) de plantão da (dú)Vida, que pensavam que a gente não ia durar juntos. Tá certo que às vezes a gente até faz desse namoro um drama novelesco, mas passa logo (risos).

Ah, sobre esse um ano e 11 meses e três dias de namoro (pra quem não leu), segue a série de crônicas da minha vida com a Bruna Cereja (a quem interessar, pois garanto que a série de crônicas é legal). É isso:

Um mês: https://www.blogderocha.com.br/que-sorte-me-apaixonar-por-um-amigo-por-bruna-cereja-cerejaverso/
Dois meses: https://www.blogderocha.com.br/dois-meses-da-feliz-colisao/
Cinco meses: https://www.blogderocha.com.br/154-dias-e-contando-eu-amo-viver-com-a-cereja-cerejaverso/
Sete meses: https://www.blogderocha.com.br/minha-vida-com-a-bruna-sete-meses-felizes-meses-coloridos/
Oito meses: https://www.blogderocha.com.br/oito-meses-do-fim-do-feitico-de-aquila-cronica-de-elton-tavares-para-bruna-cereja/
11 meses: https://www.blogderocha.com.br/11-meses-de-controada-e-feliz-convivencia/
Um ano: https://www.blogderocha.com.br/365-dias-com-ela-um-ano-do-meu-louco-e-feliz-namoro-com-a-bruna-cereja-cerejagpt/
Niver da Bruna: https://www.blogderocha.com.br/publicitaria-bruna-cereja-gira-a-roda-da-vida-feliz-aniversario-amor-tiktokcica/

Elton Tavares

Hoje é Dia Nacional da Liberdade de Imprensa #LiberdadeDeImprensa #Diadaliberdadedeimprensa

No dia 7 de junho de 1977, cerca de três mil jornalistas assinaram um manifesto exigindo o fim da censura e instauração de uma imprensa livre no Brasil. Foi um ato de coragem, já que o país, sob o comando de Ernesto Geisel, ainda andava bem lentamente para o fim da ditadura militar, instaurada em 1964.

Um ano e meio antes desse manifesto, em outubro de 1975, o diretor da TV Cultura, Vladimir Herzog, foi torturado até a morte por agentes do governo. Assim, desde 77, no dia 7 de junho, é celebrado o Dia Nacional da Liberdade de Imprensa. A data ressalta a importância da liberdade de informação para a democracia brasileira. Desde 2002, a organização não governamental internacional Repórteres sem Fronteiras publica o Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa. Ele lista o grau de liberdade dos jornalistas de 180 países, por meio de um questionário preenchido por especialistas da área.

A imprensa é um dos esteios da Ordem, da Democracia e do Progresso. Por seu intermédio – ou através dela – se propagam as boas e generosas causas, se difundem conhecimentos e advogam e pregam princípios e ideias. Sou fã de muitos bons jornalistas do Amapá e do resto do Brasil, que investigam, apuram e publicam informações de forma livre e sem censura.

Como bem explicou Eça de Queirós: “o jornalismo não sabe que há o abatimento moral, o cansaço, a fadiga, o repouso. Se ele repousasse, quem velaria pelos que dormem?” ou como disse hoje a jornalista e querida amiga deste editor, Ana Girlene, “a censura não é um fantasma do passado”. É isso!

O ofício de informar e fiscalizar não é fácil. Para tal, é preciso que muitos entendam: a liberdade de imprensa é essencial. O jornalismo de aplausos ocorre somente na China, onde não existe oposição ou divergência de ideias. Portanto, colegas jornalistas, “é preciso estar atento e forte!”

Elton Tavares

Hoje é o Dia Nacional da Imprensa #diadaimprensa

Hoje é o Dia Nacional da Imprensa no Brasil. Até 1999, essa data era comemorada no dia 10 de setembro, quando começou a circular no país o primeiro jornal publicado em terras brasileiras, “A Gazeta” – do Rio de Janeiro, no ano de 1808. Sob a proteção do governo de D. João VI, a publicação se caracterizava pelo forte viés oficial. Embora a imprensa já tivesse nascido oficialmente no Brasil em 13 de maio, com a criação da Imprensa Régia, seu início foi marcado pela primeira edição do periódico.

Tal celebração foi alterada com a lei 9831/99, criada pelo deputado Nelson Marchezan e sancionada pelo governo de Fernando Henrique Cardoso, que definiu a data oficial da Imprensa Brasileira no dia 1º de junho.

A data escolhida marca a primeira publicação do Correio Brasiliense, jornal de caráter ideológico editado pelo brasileiro Hipólito José da Costa em Londres, também em 1808. Esse periódico foi lançado três meses antes do jornal A Gazeta, com o intuito de informar a população brasileira sobre os eventos da Europa, sem a censura da Coroa Portuguesa.

A mudança no calendário oficial de duas datas, em função de duas publicações lançadas no mesmo ano, mas com linhas editoriais totalmente diferenciadas, mostra a síntese da Imprensa Brasileira: ora defensora dos interesses da população e das liberdades políticas e individuais, ora porta-voz do poder sem relação com esta mesma população.

Até o século XV não existia o que hoje chamamos de imprensa. Um alemão, João Gutemberg, foi o inventor do processo de impressão com tipos móveis, e dessa evolução nasceu a verdadeira imprensa, que tem sido mais e mais aperfeiçoada até os nossos dias.

A imprensa é um dos esteios da Ordem, da Democracia e do Progresso. Por seu intermédio – ou através dela – se propagam as boas e generosas causas, se difundem conhecimentos e advogam e pregam princípios e ideias.

Sou fã de muitos bons jornalistas do Amapá e do resto do Brasil, que investigam, apuram e publicam informações de forma livre e sem censura. E outra, nestes tempos de fake news, a imprensa séria é fundamental para a nossa sociedade.

Dizem que ofendo as pessoas. É um erro. Trato as pessoas como adultos. Critico-as. É tão incomum isso na nossa imprensa que as pessoas acham que é ofensa. Crítica não é raiva. E crítica, às vezes é estúpida. O leitor que julgue. Acho que quem ofende os outros é o jornalismo em cima do muro, que não quer contestar coisa alguma. Meu tom às vezes é sarcástico. Pode ser desagradável. Mas é, insisto, uma forma de respeito, ou, até, se quiserem, a irritação do amante rejeitado”, disse o jornalista Paulo Francis.

Ou como frisou Eça de Queirós: “O jornalismo não sabe que há o abatimento moral, o cansaço, a fadiga, o repouso. Se ele repousasse, quem velaria pelos que dormem?” . É isso!

O ofício de informar e fiscalizar não é fácil. Nós, jornalistas sabemos, principalmente que sofreu algum tipo de retaliação, agressão ou constrangimento na carreira (como eu). Sobrevivemos ao desgoverno fascista do Bolsonaro, sempre na luta.  Portanto, é preciso que muitos entendam: a liberdade de imprensa é essencial. O jornalismo somente de aplausos ocorre só na China, onde não existe oposição ou divergência de ideias. E fim de papo!

Elton Tavares

Hoje é o Dia do Abraço – Abrace!

Você sabia que dia 22 maio é o dia do abraço? Um abraço pode ser acolhedor ao final de um dia cansativo, ou animador, se dado pela pessoa certa. Pode afastar o frio ou proteger do medo. Pode matar as saudades ou relembrar as tristezas. Todo mundo gosta de um abraço!

A data é por conta da iniciativa do australiano “Juan Mann”, que em 2004, criou a campanha “Free Hugs Campaign”, onde distribuía gratuitamente abraços pelas ruas de Sydney (AU). O objetivo fazer as pessoas felizes e, com isso, ganhou visibilidade na cidade.

Sua iniciativa ganhou destaque internacional quando a banda australiana Sick Puppies gravou um clipe com imagens da campanha. O vídeo foi um presente para Juan Mann que havia perdido a avó há pouco tempo.

Sempre digo que manifestações de carinho, afeto e apreço são fundamentais. Sempre digo ou faço algo pra demonstrar a quem gosto que gosto dessa pessoa. Todo dia é dia de abraçar alguém, mas nesta quarta-feira, abraço é o que não pode faltar aos que amamos ou simplesmente gostamos. Como disse Cazuza: “o abraço é o encontro de dois corações.”

Voltamos a nos abraçar após dois tristes de mortes e distanciamento durante a fase crítica da pandemia, nos anos de 2020 e 2021. Portanto, aos leitores deste site, amigos e principalmente aos amores da minha vida, aquele abraço. E se possível, abrace!

Elton Tavares

Sobre o Dia Internacional da Família, celebrado neste 15 de maio – Por Elton Tavares

Quem me conhece sabe: amo minha família. Não toda, mas boa parte. A central, minha mãe, irmão, namorada , sobrinha, cunhada e padrasto. E quase todos os que compõem o meu ciclo de forma ampla, avós, cunhada, tios e primos. Com algumas preferências que são resultado da trajetória. Afinal, a gente dá o que recebe e com amor não é diferente.

Pois bem, hoje é o Dia Internacional da Família e como este site tem uma sessão denominada “Datas Curiosas”, resolvi registrar textualmente aqui.

A data é comemorada anualmente em 15 de maio e é uma homenagem à instituição familiar, um núcleo essencial para a formação moral (e também imoral) de todos os indivíduos. O conceito de família é: grupo de indivíduos que protegem, cuidam e amam você. Ou pelo menos deveria ser assim.

O Dia Internacional da Família foi instituído pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), durante reunião feita em 20 de setembro de 1993. A data foi celebrada pela primeira vez em 1994.

Com a instituição da data, a ONU visa: Divulgar a importância da família na sociedade; Sublinhar o caráter basilar da família na educação das crianças; Passar mensagens de amor, respeito e união, elementos essenciais para o relacionamento de todos os componentes da família; Alertar a sociedade para os direitos e responsabilidades das famílias; Sensibilizar os cidadãos para as questões sociais, econômicas e demográficas que afetam a família e sensibilizar a população sobre os diferentes tipos de família que existem, sendo todas completamente legítimas.

A verdadeira felicidade está na própria casa, entre as alegrias da família“, disse Léon Tolstoi. Tenho o privilégio de isso ser fato na minha vida. Outra sábia, a Maria Lúcia (também conhecida como minha mãe), diz: “amigo de verdade é família”. Ela tá certa, se isso for em relação aos familiares que amamos e isso em uma relação recíproca. Sim, posso contar com eles. E vice-versa!

Aliás, a força e o amor que tenho em mim, boa parte veio de Maria Lúcia. A outra porção é herança do saudoso Zé Penha, meu pai era Phoda, acreditem. Mas a vó Peró (que virou saudades há exatamente três anos e dois meses) e tia Maria ajudaram na minha formação como homem. Sou grato por isso.

Emerson, meu único irmão de sangue (sim, tenho irmãos de jornada) é o meu parceiro em tudo. Com ele e mamãe, enfrento tudo. Eles sacam minhas rabugices e estranhezas e me amam assim mesmo. Sou um baita cara sortudo.

Ah, tenho mais afinidade com minha família paterna, por diversos motivos que não cabem em um texto e que também não estou com vontade de explicar. O que não significa que no meu clã materno não tenham pessoas importantes e amadas por mim. Mas é com os Penha Tavares que me identifico, de fato.

E a Bruna Cereja, minha namorada, que também é minha família, pois divide a vida comigo, me ajuda e me amam em todos os momentos. Há quase dois anos, ela é uma das pessoas mais importantes da minha jornada.

Posso me gabar que tenho o amor e respeito da minha mãe e irmão – melhores amigos de toda a vida – além das outras pessoas consanguíneas que são importantes para mim. Esse sentimento é retratado aqui em muitos textos sobre os membros de minha família. Tudo escrito/dito com muito amor.

Neste 15 de maio, é muito bom ter do que recordar sobre sua família (do latim Re-cordis, que significa ‘passar pelo coração). É o caso de minhas memórias e o motivo de minhas saudades de meu irmão, sobrinha, cunhada, tias, tios e primos muito queridos. Além do pai, vovó e vô, que já seguiram para as estrelas.

É uma baita sorte se você tem muitos amigos dentro da sua família. Pois realmente existem familiares inimigos, o que é triste. Mas no meu caso, os que amo, me amam e sei bem quem são. Obrigado por tudo, família!

Elton Tavares

“…Brindo à casa, brindo à vida. Meus amores, minha família…” – Mar de Gente – O Rappa

Fonte: Calendar Brasil

Hoje é o Dia das Mães – Uma declaração de amor para Maria Lúcia #DiadasMaes

Sabem, eu nunca fui de economizar declarações de amor. Na verdade, as acho fundamentais. Hoje, no Dia das Mães, vou falar um pouco da minha mãe, que também é mãe do Emerson Tavares. Quem conhece a mim e ao meu irmão há muito tempo, sabe: a gente “só é gente” por causa dela, nossa mais que maravilhosa genitora, a Maria Lúcia.

Difícil contabilizar tudo que ela já fez por mim e pelo meu irmão. Aliás, muito mais por mim, seu filho mais velho. A nossa “Lucinha” é uma mulher espetacular e admirável. Ela personifica os amores que tem e realmente faz valer seus dias por cada um de nós. Mamãe é trabalhadora, honesta e dedicada. Ela não é chameguenta, mas sim amorosa. Com absoluta certeza, o maior entre meus amores.

Apesar de eu ter 47 anos, minha mãe vive preocupada por eu ser gordão, por eu beber demais, entre outras milhares de coisas que ela esquenta a cachola por conta deste jornalista e de meu irmão. A gente puxou a amorosidade e loucura porreta do papai. Mas da Lucinha, com certeza herdamos a força e a coragem.

Aliás, a força e o amor que tenho em mim, boa parte veio de Maria Lúcia, a professora, orientadora, avó da Maitê e esposa do Enilton. Nem sei o que eu e mano seríamos ou onde estaríamos hoje em dia sem a nossa mãe amiga. Sim. Porque existem sim mães inimigas.

Às vezes a gente se chateia um com o outro, noutras nos decepcionamos, mas seguimos sempre juntos, unidos, com muito amor e ajuda mútua na jornada da vida. Somos muito gratos pela mãe que temos. Maria Lúcia é a soma de tudo que somos de melhor (menos a boêmia, carisma e gaiatice, isso aprendemos com nosso velho e saudoso Penha, o pai). Se minha infância é uma série de memórias felizes, igualmente a adolescência, boa parte do mérito é dos meus pais.

Também congratulo minhas tias, primas e amigas queridas, tantas mães entre meus afetos. Vocês são guerreiras!

Os anos passam e o amor da mamãe segue em abundância sem fim e sem pedir nada em troca. Mas a gente retribui, pois aprendemos com ela. Por tudo que fez, faz e é, hoje agradeço publicamente a minha mãe. Afinal, todos os dias eu faço isso, mas não textualmente para todos lerem aqui.

Portanto, reconheça todo o amor recebido, congratule, ore/reze pela sua mãe, mesmo que ela esteja ela em outro lugar além de dentro do seu coração. E agradeça pela oportunidade de ser seu filho. É este meu sentimento neste segundo domingo de maio: amor e gratidão.

Nós te amamos, Lucinha. Obrigado por tudo, mãe!

Elton Tavares

Reconheça um pouquinho do amor recebido: Mãe é mãe e a 2A tem presente para todas elas

Ah, o Dia das Mães! Aquela data especial que todo mundo espera ansiosamente para demonstrar o quanto ama e valoriza suas queridas mães. Sim, preocupações, problemas na escola, traquinagens, doenças, broncas na rua, cada machucado, tudo isso e muito mais só pode ser aguentado por uma pessoa: a nossa mãe. Com a árdua, nobre e linda missão de criar, educar os filhos e ainda conciliar sua vida pessoal em rotinas fora ou dentro de casa.

Porque, vamos combinar, mãe é mãe, né? Aquela pessoa que sempre está ao nosso lado, nos apoia, cuida e nos ama incondicionalmente. Então, nada mais justo do que retribuir todo esse amor com um presente que realmente faça a diferença.

É tanta amorosidade doada e sem pedir nada em troca. Quem não possui na infância uma série de memórias felizes produzidas somente por lembrar da mãe? Sem falar nas histórias de superação dessas verdadeiras heroínas, guerreiras de verdade.

A mãe faz até a bainha da calça pra não ficar “tucandeira”… Égua, moleque, tu é doido, mais paid’égua logo esse lance de mamãe!

Mesmo quando a gente é criança ou adolescente, que apanhamos de nossas mães (palmadas com efeito pedagógico-corretivo-anti-travessura), é bom. A gente reconhece quando vira adulto.

Lembro bem de quando eu era moleque e a mamãe entrava na escola rumo à secretaria para ver minhas médias (que quase sempre estavam, em sua maioria, vermelhas). Era rapidola pra ela passar na volta por mim e dizer: “tu é o belo, né?’. Naquele momento dava um frio no espinhaço e a alma saía do corpo. Era certeza de um quebrado/surra em casa. Horrível aquela sensação!

Claro que hoje em dia, outros tempos, nem rola mais esse lance de bater nos filhos. Mas agradeço cada ralho ou palmada. Sobretudo, exemplo de como ser uma boa pessoa.

Até hoje quando vejo uma sandália virada, desviro para que fique na posição de calçar, pois me ensinaram a acreditar que minha mãe morreria se o chinelo não estivesse de cabeça para cima. Discunjuro!

Não adianta se ela já está engilhadinha e você porrudo, tua mãe sempre vai zelar por ti, te defender, amar você com todas as forças que ela tiver. Não que não!

Por conta disso, as lojas 2A resolveram dar uma mãozinha para quem quer acertar em cheio no presente deste ano. E pensaram em tudo! Desde aquele presente que facilita o dia a dia, até aquelas opções que vão deixar qualquer mãe com um sorriso de orelha a orelha. Porque a mãe merece presentes que facilitam, que trazem conforto e que, acima de tudo, mostram o quanto ela é importante. Reconheça um pouquinho do amor recebido. Certeza que vais emocionar e mostrar o seu amor de forma única e especial.

Como disse o poeta Mário Quintana: “…Mãe que bem dos filhos sabe a todos dar valor. Ela multiplica o afeto, subtrai deles a dor. Com seus filhos amados, soma carinhos, cuidados e divide muito amor”. Sim, uma mãe é um Deus palpável, acessível e real que atende as nossas preces mais absurdas… é no coração das mães que o amor verdadeiro encontra o seu lugar.

Feliz Dia das Mães!

Elton Tavares

 

Hoje é o Dia Mundial de Star Wars – Que a Força esteja conosco! #MayThe4thBeWithYou

Hoje, 4 de maio, é o Dia mundial de Star Wars! A data foi escolhida devido a um trocadilho com a célebre expressão “May the Force be with you”. May (maio) the Fourth (dia 4) be with you.

A primeira alusão ao termo “May the 4th” aconteceu em maio de 1979 quando o partido conservador parabenizou a eleição de Margaret Thatcher como a primeira mulher ministra da Inglaterra, com um anúncio no jornal The London Evening News que dizia: “May the Fourth Be with You, Maggie. Congratulations.”

Durante uma entrevista em 2005, para o canal N24 de notícias da TV alemã, pediram ao criador de Star Wars, George Lucas, que ele falasse a famosa frase “Que a Força esteja com você.”

O intérprete simultaneamente interpretou a frase em alemão como Am 4. Mai sind wir bei Ihnen (“We shall be with you on May 4”, em português, “Vamos estar com você em 4 de maio”). Isso foi captado pela TV Total e foi ao ar em 18 de maio de 2005. [Wikipédia]

Em 2011, a primeira celebração organizada do Dia de Star Wars aconteceu em Toronto, Ontário, Canadá no Cinema Subterrâneo de Toronto.

As festividades incluíram um Game Show de Trivia sobre a Trilogia Original; um concurso de fantasias com os júri composto por celebridades; e a exibição em tela grande dos melhores filmes, mash-ups, paródias, e remixes da web. A segunda edição anual aconteceu na sexta-feira, 4 maio de 2012.

De fato, é uma data em que a Força está presente nos fãs de Star Wars. Neste dia costuma-se rever os filmes, falar as frases mais famosas dos personagens, ou cantarolar Imperial March.

Coisas simples, mas que fazem o 4 de maio uma data memorável para todos os fãs, pois são mais de 40 anos de fascínio pela série de filmes fantásticos. Eu sempre fui fascinado pelo fictício universo dessa saga. E que a Força esteja conosco!

Elton Tavares

Hoje é o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa – A verdade precisa ser livre! #liberdadedeimpresa

Hoje é o Dia Internacional da Mundial de Imprensa. Eu, como jornalista, primo pela divulgação da verdade, afinal, o cidadão precisa saber o que acontece, seja no mundo, país ou sua cidade. O direito de saber a verdade é uma das bases da Democracia.

O Dia Mundial da Liberdade de Imprensa foi criado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), em 1993. A data visa alertar sobre as impunidades cometidas contra centenas de jornalistas que são torturados ou assassinados como consequência de perseguições por informações apuradas e publicadas por estes profissionais.

De acordo com o conceito, Liberdade de Imprensa é um dos princípios pelos quais um Estado democrático assegura a liberdade de expressão aos seus cidadãos e respectivas associações, principalmente no que diz respeito a quaisquer publicações que estes possam pôr a circular.

Perfeito, pois a Imprensa é a denominação do trabalho informativo pelos veículos de comunicação que desempenham o Jornalismo e outras funções de comunicação. Posso me gabar de nunca ter inventado nenhuma linha do que escrevi (a não ser em contos, claro). Nunca ganhei sequer um centavo no jornalismo que eu não tivesse trabalhado para tal e muito menos puxei o saco para conseguir algo. Também já fiz denúncias e peitei figurões neste site aqui. Nem todos podem dizer isso.

Sou fã de muitos bons jornalistas do Amapá e do resto do Brasil, que investigam, apuram e publicam informações de forma livre e sem censura.

Dizem que ofendo as pessoas. É um erro. Trato as pessoas como adultos. Critico-as. É tão incomum isso na nossa imprensa que as pessoas acham que é ofensa. Crítica não é raiva. É crítica, às vezes é estúpida. O leitor que julgue. Acho que quem ofende os outros é o jornalismo em cima do muro, que não quer contestar coisa alguma. Meu tom às vezes é sarcástico. Pode ser desagradável. Mas é, insisto, uma forma de respeito, ou, até, se quiserem, a irritação do amante rejeitado” – Paulo Francis.

O jornalismo não sabe que há o abatimento moral, o cansaço, a fadiga, o repouso. Se ele repousasse, quem velaria pelos que dormem?” – Eça de Queirós.

Enfim, vida longa à Liberdade de Imprensa, que foi fundamental nos quatro anos do desgoverno Bolsonaro. Que com ela nós continuemos a informar o povo, combater injustiças, fiscalizar, denunciar, contrariar interesses de grupos, instituições ou qualquer agente danoso para a sociedade, dar informações exclusivas, fazer análises sérias. E sem medo de processos, com o direito de ocultar a fonte. É isso!

Elton Tavares – Jornalista e editor do site De Rocha

Publicitária Bruna Cereja gira a roda da vida. Feliz aniversário, amor! – @tiktokcica

Sempre digo aqui que gosto de parabenizar neste site as pessoas por quem nutro amor ou amizade. Afinal, sou melhor com letras do que com declarações faladas. Acredito que manifestações públicas de afeto são importantes. É 2 de maio de novo e, graças a Deus, Bruna Cereja gira a roda da vida mais uma vez. Tenho a sorte e honra dela ser a minha linda namorada/esposa/companheira de jornada, entre outras tantas coisas porretas que essa mulher é. Sim, ela é o meu amor e por isso, lhe rendo homenagens.

Bruna é, além de publicitária, designer, webdesigner, editora de vídeo, fotógrafa, consultora em Marketing e, para mim e muitos que conhecem seu trabalho, a melhor nessa área. Cereja é super inteligente, competente, talentosa, empenhada, determinada, impetuosa, corajosa, audaciosa, e PHODA em tudo que se propõe a fazer. Ela já foi minha colega de trampo em um passado recente e posso confirmar sua expertise em publicidade com propriedade. A menina é genial.

Conheci a Bruna há 13 anos, quando trabalhamos juntos na comunicação do Governo do Amapá. Depois se tornou amiga. E, depois de tantos desencontros, começamos a namorar em julho de 2022, após mais de uma década de amizade, quando o “Feitiço de Áquila” foi quebrado. Afinal, ”O acaso tem voto decisivo na assembleia dos acontecimentos” (Machado de Assis, em Esaú e Jacó).

“A gente vive junto e a gente se dá bem…”. Isso é verdade. São poucas as vezes que não estamos grudados. Somente no horário de trampo mesmo, pois fora do local onde labuto ou a agência da Bruna (escritório), quando um se move ou outro tá lá colado. O que importa é que estamos felizes. Aprendemos cotidianamente esse lance de dividir a vida. Com ela nada é menos, é sempre mais. Seja amor, admiração ou respeito.

Furamos as previsões dos jogadores de búzios, cartomantes e os Nostradamus (secadores) de plantão da (dú)Vida, que pensavam que a gente não ia durar juntos. Tá certo que às vezes a gente até faz desse namoro um drama novelesco, mas passa logo (risos).

Ah, a passagem do tempo não afetou a minha Cereja. Ela escandaliza na elegância, na chiqueza, no charme e na beleza que lhe é peculiar Bruna segue linda, com seus trinta e alguns maios.

Amo as pequenas coisas, como ir ao supermercado, farmácia, shopping ou qualquer lugar do cotidiano com essa mulher fantástica. Amo quando ela ri (o som é engraçado e gostoso), amo quando ela canta, pois sua voz é firme. Amo quando ela faz caretas legais depois de falar alguma merda engraçada. Amo o lance de ela me mostrar besteiras cômicas na internet. Amo quando ela cuida de mim. E cuido dela também, que fique registrado!

Trata-se de uma filha e sobrinha prestativa, uma boa amiga, uma pessoa que respeita as outras pessoas. Ela exercita boas ações como poucos que conheço. Cereja também é atenciosa com minha mãe, com meu padrasto, com minha tia e com todos que ela nutre afeto. Ah, é a tia perfeita da Maitêzinha, nossa sobrinha que é louca pela Bruna.

Sou a pessoa que mais elogia a Cereja. Seja como profissional ou a linda pessoa que ele é. Também sou o que mais torce pelo sucesso dessa mulher. Por tudo dito e escrito, desejo sempre o melhor para a minha pessoa.

Bruna é a mais completa tradução do que eu sempre quis em uma mulher. E como disse Nelson Motta: “o amor é a primeira coisa. É o começo do resto”. É isso!


Cereja, que teu novo ciclo seja ainda mais feliz, produtivo e iluminado. Que sigas (e que seja comigo, rs) pisando firme e de cabeça erguida em busca dos teus objetivos e que tudo que couber no seu conceito de sucesso se realize. Que a Força sempre esteja contigo. E que tua vida seja longa, repleta de momentos porretas. Amo-te, Bruna. Parabéns pelo seu dia. Feliz aniversário!

Elton Tavares

Hoje é o Dia Mundial da Dança – Minha crônica sobre a data

Hoje é o Dia Internacional da Dança, uma das três principais artes cênicas da antiguidade, ao lado do Teatro e da Música.

Criado em 1982, pelo Comitê Internacional da Dança da Organização das nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), a data homenageia o mestre francês Jean-George Noverre (29/4/1727 – 1810), considerado o precursor do balé moderno, que sistematizou o seu método revolucionário, em um conjunto de cartas sobre esta manifestação artística, intitulado Letterssurladanse (amálgama de palavras, cujo significado é “cartas sobre a dança”).

Por feliz coincidência, a data é também a do nascimento de Márika Gidali, a revolucionária bailarina, nascida em Budapeste – Hungria, radicada em São Paulo, que, com Décio Oteo, fundou o Ballet Stagium em 1971, em São Paulo, que inaugurou no Brasil, em plena ditadura militar, uma nova maneira de se fazer e apreciar a dança.

Apesar de ser um grande perna de pau, admiro quem sabe dançar. Falando nisso, só Deus sabe o quanto sofri com as festas de escola, no auge na famigerada “Lambada”, era osso! Só de lembrar me dá asco.

Falo dos que sabem dançar o nosso Marabaixo, Samba, Salsa, Bolero, Balé, aquela parada que os russos dançam, Valsa, Dança de Salão, Break, Dança do Ventre e até o Forró (apesar de não ser tão fã do estilo, reconheço a importância dele para a cultura nordestina). Tango então? Apesar de achar os argentinos uns boçais, aquilo é bonito de se ver. Ah se é.

Lembro-me de uma antiga história da família, que é natural do município de Mazagão. Meus tios contam que o meu saudoso pai vinha para Macapá, nos anos 60, passar o fim de semana (ele era o mais velho de cinco irmãos) e voltava para a cidade natal dizendo que dançava Twist na capital, só para se gabar para as meninas de lá. O negão era figura mesmo.

Lembro que, nos anos 80, todo moleque queria aprender o “Moonwalk”, parte da “dança sobre a Lua”, criado pelo dançarino de Street Dance Bill Bailey, imortalizado pelo cantor e compositor Michael Jackson.

Enfim, quem for de dança, que dance. E quem for de apreciar, como eu, tome sua cerva e observe. Tenham todos uma ótima semana. É isso.

Elton Tavares

Hoje é o Dia do Goleiro – meu saudoso pai foi/é o meu goleiro preferido

No Brasil, em 26 de abril é comemorado como o Dia do Goleiro. A data foi criada há quase 40 anos para fazer uma homenagem para aqueles atletas que por muitas vezes não tem o reconhecimento devido do seu trabalho. A ideia foi do tenente Raul Carlesso e do capitão Reginaldo Pontes Bielinski, que eram professores da Escola de Educação Física do Exército do Rio de Janeiro, e começou a ser comemorada a partir da metade dos anos 70, segundo relata Paulo Guilherme, jornalista que escreveu o livro “Goleiros – Heróis e anti-heróis da camisa 1”.

Como eu já disse aqui, por diversas vezes, amo futebol. Goleiro é posição maldita do esporte bretão (chamado assim por ter sido inventado na Grã-Bretanha). Meu saudoso e maravilhoso pai, José Penha Tavares, era goleiro. Posso afirmar, sem paixão (talvez com um pouquinho dela), que ele foi muito bom.

Papai agarrou pelos times amapaenses (quando o futebol aqui era amador) do São José e Ypiranga Clube. Também foi amigo de um monte de conhecidos boleiros locais. Infelizmente, meu amigo Leonai Garcia (que também já virou saudade), esqueceu-se dele no seu livro “Bola da Seringa”.

Quando moleque, acompanhei papai em centenas de peladas. Torcia e sofria quando ele levava gols, principalmente quando falhava. Aprendi a admirar goleiros com ele. Lembro bem de expressões como: “Olha essa ponte!”, “Que defesa, catou legal!” ou algo assim, bons tempos aqueles.

Bem que tentei jogar em todas as posições, inclusive o gol (sempre era o último a ser escolhido), mas nunca consegui me destacar pela bola, mesmo antes de engordar. Não sei se as crianças de hoje ainda escolhem o pior dos meninos (ou meninas) para agarrar, aquilo é bullying (risos). Digo isso com conhecimento de causa.

Quando me refiro ao goleiro como “posição maldita”, falo de uma série de injustiças que vi goleiros sofrerem ao longo dos meus 44 anos, mas uma é mais marcante: a crucificação do arqueiro Barbosa, da seleção de 1950. Há alguns anos, assisti a um documentário sobre a derrota para o Uruguai na final daquele mundial. Aquele homem foi estigmatizado até o fim de sua vida.

Em 2010, durante uma entrevista, Zico (não preciso dizer quem é, né?) declarou que o Barbosa, no fim da vida, disse a ele: “desculpe, mas gostei de ver você perder aquele pênalti em 1986, pelo menos me esqueceram um pouquinho”. Imaginem como o velho goleiro sofria pela falha de 1950? É a maldição do goleiro.

Vi grandes goleiros jogarem. Raçudos e classudos, voadores, pegadores de pênaltis. Foram tantos que é difícil enumerar, mas lembro bem do Buffon, Gilmar, Taffarel, Raul, Dida, entre tantos outros arqueiros que nos encantaram com a segurança debaixo da trave. Mas para mim, meu pai foi o melhor de todos eles.

Este texto é uma homenagem aos goleiros profissionais e peladeiros, que se machucam em saltos destemidos, levam chutes meteóricos, além de divididas violentas. Em especial ao meu pai, meu goleiro preferido para sempre. Amo-te, Zé Penha. Um beijo pra ti, aí nas estrelas!

Elton Tavares

Hoje é o Dia Internacional do Livro #diainternacionaldolivro

Hoje, 23 de abril, é o Dia Internacional do Livro. A data foi criada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), no ano de 1995, em Paris (FRA), durante o XXVIII Congresso Geral. O objetivo é encorajar as pessoas – especialmente os jovens – a descobrirem os prazeres da leitura, disseminar a cultura e fazer com que o maior número de pessoas conheçam a contribuição dos autores de livros através dos séculos. Hoje também é celebrado o Dia dos Direitos de Autor.

Origem do Dia Internacional do Livro

A Unesco escolheu a data do Dia Internacional do Livro, por ser o dia da morte de três grandes escritores da história: William Shakespeare, Miguel de Cervantes, e Inca Garcilaso de la Vega. Essa é também a data de nascimento ou morte de outros autores famosos, como Maurice Druon, Haldor K.Laxness, Vladimir Nabokov, Josep Pla e Manuel Mejía Vallejo.

Uma tradição catalã ligada aos livros já existia no dia 23 de abril, e parece ter influenciado a escolha da Unesco, pois tradicionalmente, no dia de São Jorge (23 de abril), é costume dar uma rosa para quem comprar um livro. Trocar flores por livros já se tornou costume em outros países também.

Há alguns anos, quando perguntavam qual a minha profissão, dizia que era jornalista, assessor de comunicação e editor de um site. Mas que, um dia, gostaria de ser escritor. Então me tornei escritor. Tenho dois livros impressos publicados, “Crônicas De Rocha – Sobre Bênçãos e Canalhices Diárias” e “Papos de Rocha e outras crônicas no meio do mundo”. Também participo de duas antologias on-line e já penso em uma terceira obra.

É a velha máxima: “ler para ser”. Pois sei que é fundamental para fertilizar as ideias, principalmente na minha profissão. Que tal começar ou terminar um livro hoje?

Elton Tavares
Fonte: Calendar Brasil