Grandes sucessos do brega dão o tom da próxima edição do Luau na Samaúma, realizada pelo MP-AP e PMM

O Ministério Público do Amapá (MP-AP), em parceria com a Prefeitura Municipal de Macapá (PMM), promove mais um Luau na Samaúma, dessa vez com o tema “Brega Retrô”. O evento, marcado para o próximo dia 28 de setembro, vai ao encontro dos saudosistas desse ritmo musical e quer aproximar a população do órgão ministerial, além de favorecer a ocupação do espaço público com lazer, cultura e segurança.

As apresentações musicais do Luau na Samaúma Retrô Brega tocarão e cantarão bregas antigos. O público poderá usar o estacionamento da sede campestre da Maçonaria, em frente à Praça Samaúma, além do entorno do local para estacionar seus automóveis.

Confira a programação que iniciará às 17h:

Contação de histórias com Angêla de Carvalho e contadores do Programa de Leitura (Proler)
Apresentação da banda da Guarda Municipal
Discotecagem com Selecta Branks
Apresentação musical de Mauro Guilherme
Apresentação da banda O Sósia
Apresentação da cantora Márcia Fonseca
Exposição de grafitagem ao vivo.
Show do cantor Mauro Cotta.

Haverá também comercialização de artesanato com a “Feira Preta”, do Instituto de Igualdade Racial (IMPROIR) e do projeto “Mulheres que Fazem”, da Coordenadoria de Mulheres, além de comercialização de livros, discos de vinil, comidas típicas e de food trucks; exposições de quadros, fotografias, objetos e carros antigos; Bike Retrô; mostra de arte da galeria ArteAmazon e exposição de grafitagem ao vivo. A Geladeiroteca também estará presente!

Participe e traga a sua família!

SERVIÇO:

Luau na Samaúma, com o tema Brega Retrô
Data: 28 de setembro de 2018.
Hora: a partir das 17h
Local: Praça da Samaúma, em frente a Procuradoria-Geral de Justiça – Promotor Haroldo Franco, na Rua do Araxá.

Elton Tavares
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Combate à corrupção: MP-AP realiza Operação Sangria e cumpre 23 mandados de busca e apreensão

Na manhã desta segunda-feira (24), o Ministério Público do Amapá (MP-AP), por meio do seu Grupo de Atuação Especial para Repressão ao Crime Organizado (GAECO), com apoio do Núcleo de Inteligência do Ministério Público do Amapá (NIMP/MP-AP), realizou a Operação Sangria nas cidades de Macapá, Calçoene e Vitória do Jari. Com a ação, o MP-AP tem o propósito de desarticular uma organização criminosa que atua nos municípios de Calçoene e Vitória do Jari, na prática criminosa de fraude e direcionamento de licitações, lavagem de dinheiro, peculato e formação de quadrilha. A ação cumpriu 23 mandados de busca e apreensão. Destes, sete na capital amapaense e os demais nas cidades citadas.

A Sangria é fruto de investigações iniciadas pela titular da Promotoria de Justiça do município de Calçoene, promotora de Justiça Christie Girão. As ações da Operação foram coordenadas pelo procurador-geral de Justiça do MP-AP, Márcio Augusto Alves, e pelo subprocurador -geral de Justiça, Nicolau Crispino. As apreensões contaram com o apoio de vários promotores de Justiça na capital e no interior.

Ao todo, 40 pessoas estão sendo investigadas, dentre elas secretários municipais, servidores do município, empresários e o atual prefeito de Calçoene. A prática ilícita foi identificada em várias áreas do Executivo municipal, como saúde e educação, entre outras pastas. O montante desviado do erário pode chegar a R$ 10 milhões, mas este valor ainda não foi confirmado.

Realizamos a Operação com a autorização do Judiciário, que nos permitiu o ingresso em algumas residências, acesso às chefias de secretarias e empresários que participavam dessa organização. Estamos no início das investigações, mas algumas provas confirmam os crimes. Ainda serão periciados os materiais apreendidos hoje. Agradeço o apoio dos membros e servidores do MP-AP que participaram da ação, do nosso Gabinete Militar, da PRF, de dois grupamentos da Polícia Civil, NIMP e do GAECO”, pontuou o procurador de Justiça Nicolau Crispino.

O titular da Superintendência Regional de Polícia Rodoviária Federal no Estado do Amapá (SRPRF/AP), Klebson Sampaio do Nascimento, participou da coletiva de imprensa com os membros do MP-AP e agradeceu a confiança do Ministério Público na PRF, ressaltando que a instituição que ele dirige está à disposição para qualquer ação de combate à corrupção.

Durante a ação, o MP-AP apreendeu muitos documentos e equipamentos eletrônicos, que passarão por análise de profissionais especializados da instituição.

O atual prefeito especificamente de Calçoene está sendo investigado e no caso de Vitória do Jari a ação ocorreu por conta de um desdobramento, mas ainda não temos uma conclusão do envolvimento da alta autoridade municipal daquela cidade. A prática da organização é a mesma de outras que já investigamos, com um grupo de licitação que favorece as fraudes; alguns empresários que são beneficiados pelos procedimentos licitatórios fraudados e os agentes públicos que aceitam propina para ajudar nesse esquema ilícito. As fraudes nos procedimentos licitatórios e podem chegar aos R$ 10 milhões subtraídos, mas, não estamos afirmando que foram 10 milhões desviados, somente que o montante pode chegar a essa soma”, explicou o promotor de Justiça e coordenador do GAECO, Afonso Guimarães.

SERVIÇO:

Elton Tavares
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Educação Ambiental: professora complementa projeto Escola Verde com oficinas de preparação de pratos com produtos das hortas orgânicas


A produção de pratos a partir de alimentos orgânicos de hortas de escolas que fazem parte do projeto Escola Verde começam a chamar atenção de alunos e comunidade. A professora Nelma Aood, da Escola José de Alencar, prepara os alimentos com verduras e legumes, e faz o aproveitamento de seus talos e cascas, e o resultado são pratos nutritivos que são servidos na merenda escolar e preparados nas casas. O projeto Escola Verde é executado pela Secretaria de Estado da Educação (Seed) com o apoio da Promotoria de Justiça do Meio Ambiente, Conflitos Agrários, Habitação e Urbanismo (Prodemac) e Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente (Caop/AMB).

Nelma Aood é professora de Língua Portuguesa e Literatura, se especializou em culinária e segue o conceito de Cozinha Experimental, com consumo consciente, saudável, nutritivo e com custo inferior com relação ao mercado local. Sopas, sucos, pães, saladas, sanduíches, risoto, bolos, chás, patês, são ensinados para alunos, professores, profissionais da cozinha da escola e comunidade, consumidos na merenda escolar e preparados nas casas dos aprendizes. “Educamos para que aprendam a se alimentar de forma correta, com aproveitamento integral dos alimentos. Esta mudança de hábitos influencia na saúde da família e melhora o aprendizado”.

As oficinas são realizadas na Escola José de Alencar, com ensinamentos sobre o cultivo, utilidade e utilização dos produtos na produção dos alimentos, além de receitas que são desenvolvidas na prática e aproveitamento de sobras de alimentos. “Ensinamos sobre legumes e hortaliças que não são usados na rotina doméstica, como cariru e manjericão, que entram nas receitas e agradam a todos. Usamos também muitas cascas e talos para os sucos e sopas, mostrando que nada se perde nos vegetais, e também temos receitas de aproveitamento de pão adormecido, que ficam uma delícia”, disse a professora.

João Pedro Gomes tem 12 anos, está no 5º ano e vem de uma família que cultiva plantas ornamentais e frutíferas em Macapá. Ele é um dos alunos mais entusiasmados com o projeto, e participa de todo o processo na horta até a colheita, e também das oficinas de culinária. “Aprendi muito e já levo para casa o aprendizado na hora de cultivar e colher o que produzimos. E as receitas eu faço com a ajuda da minha mãe, e todo mundo gosta, principalmente dos sucos e sanduíches”.

A diretora do estabelecimento, Maria Nazaré Rodrigues explica que o Escola Verde veio para estimular a participação de toda comunidade escolar, que já trabalhava o projeto Horta Escolar anteriormente, e para chamar os moradores e pais de alunos para que aprendam sobre consumo saudável e aproveitamento de alimentos. “Os alunos e professores vão para a horta, participam das oficinas e se alimentam bem no recreio. Fizemos uma ação social aberta para a comunidade, e os pais e vizinhança também aprenderam técnicas de preparação e consumo consciente. Enfrentamos dificuldades financeiras para fazer mais oficinas, mas a produção na horta é garantida com o apoio do Ministério Público do Amapá (MP-AP)”.

O projeto Escola Verde recebe doação de material agrícola e didático do MP-AP através da Prodemac e CAOP/AMB, que transformam multas de Termos de Ajustamento de Conduta (TAC) e Ação Civil Pública (ACP) de infrações por danos ambientais em compensações para fomentar projetos de educação ambiental. O Escola Verde é um destes projetos, e atualmente agrega mais de 30 escolas estaduais, que mantém hortas orgânicas com amparo técnico e de material. De acordo com o balanço semestral da Prodemac, de janeiro à agosto foram transferidos para a Seed cerca de R$ 12 mil em material para fomentar o projeto, de carrinhos de mão à enxadas, mangueiras, sementes, adubo, madeira, enxadas, e outros utensílios.

Mariléia Maciel
Assessora Operacional – CAOP/AMB

Mais informações
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Luau na Samaúma, em edição Brega Retrô, terá Mauro Cotta

Sucesso de público, o Luau na Samaúma desta segunda temporada terá diversas atrações, entre elas o cantor Mauro Cotta. O evento, organizado pelo Ministério Público do Estado e Prefeitura de Macapá, ocorrerá dia 28 de setembro, na Praça da Samaúma, com o tema Brega Retrô.

O primeiro luau de 2018 ocorreu no dia 31 de agosto e foi prestigiado por centenas de pessoas. O público pôde assistir aos shows e ainda fazer compras de artesanato e gastronomia. Nesta segunda edição, as atrações tocarão e cantarão bregas antigos e o público poderá usar como estacionamento a sede campestre da Maçonaria, em frente à Praça Samaúma.

Também haverá comercialização de artesanato com a Feira Preta, do Instituto de Igualdade Racial, e o projeto Mulheres que Fazem, da Coordenadoria de Mulheres, além de livros, discos de vinil, comidas típicas e de food trucks; exposições de quadros, fotografias, objetos antigos e exposição de carros antigos; mostra de arte das galerias Arte Amazon; exposição de grafitagem ao vivo com Ashley Moura, Moara Negreiros e Kash Alves, e o projeto Geladeiroteca.

Programação:

17h30 – Contação de história com os educadores de trânsito da CTMac e contadores da Escola de Leitores e Proler, da Semed;
19h – Discotecagem Selecta Branks;
19h30 – Márcia Fonseca;
20h30 – Banda o Sósia;
21h30 – Mauro Cotta;

Cássia Lima
Assessora de comunicação/Fumcult
Contatos: 98104-9355 / 99200-8657
Fotos: Max Renê

MP-AP denuncia deputado estadual por utilização de documento falso e fraude processual

O Ministério Público do Amapá (MP-AP) ingressou, no último dia 12, com uma denúncia contra o deputado estadual Amiraldo da Silva Favacho Júnior, por uso de documento falso e fraude processual. A advogada do parlamentar Wiliane da Silva Favacho também está sendo processada. Trata-se de desdobramento da Ação por Improbidade Administrativa ajuizada pela Promotoria de Defesa do Patrimônio Cultural e Público (PRODEMAP), em 2015, que revelou a contratação ilegal de centenas de cargos comissionados para a Assembleia Legislativa do Estado (ALAP).

Ao ingressar com a ação por improbidade, o MP-AP revelou, em tabelas encaminhadas para a Justiça, que o número de cargos nomeados pelos ex-gestores da Casa de Leis, Júnior Favacho e Moisés Souza, variava mês a mês, chegando a 1,6 mil (um mil e seiscentos) nomeações. Ocorre que, conforme a Lei nº 1.569/2011 – que trata da estrutura organizacional da ALAP -, o limite não poderia exceder em 810 contratações.

Nessa ação, o MP-AP apresentou a relação nominal das nomeações do período, extraída do próprio Portal da ALAP. Para tentar justificar os atos ilegais, o deputado estadual Júnior Favacho apresentou defesa e juntou ao processo cópia do Diário Oficial do Estado (DOE), onde consta suposta alteração na legislação, o que permitiria a nomeação de todos aqueles cargos excedentes.

No entanto, a comparação entre a cópia apresentada pelo deputado e a edição original do DOE fez o Ministério Público concluir que o documento apresentado pelo parlamentar é falso, eis que visivelmente incompatível com o original. Trecho da ação demonstra ser evidente a divergência das letras utilizadas e diagramação das cópias, além da grosseira adulteração no quadro de quantitativo de cargos, chegando, por vezes, ao sêxtuplo da publicação oficial.

Além disso, no curso das investigações foram ouvidos servidores lotados na Imprensa Oficial do Estado, que atestaram serem enormes as diferenças na textura do papel e no tamanho da fonte utilizada, fugindo completamente do padrão gráfico adotado pelo Diário Oficial.

Para o promotor de Justiça Afonso Guimarães, responsável pela investigação, houve uma clara tentativa de induzir o juízo em erro. “Não pairam dúvidas de que Júnior Favacho tinha pleno conhecimento de que as nomeações, por ele perpetradas no âmbito da ALAP, davam-se em infringência da legislação vigente, sobretudo porque, a despeito da praxe daquele Parlamento e da certeza da impunidade, todos sabiam – ou pelo menos deviam saber, na qualidade de legisladores -, que as nomeações para cargos inexistentes feriam de morte a legislação e todos os princípios administrativas que regem o Estado Democrático Brasileiro”, reforçou.

Sobre a advogada Wiliane Favacho, de igual modo, são inquestionáveis as evidências de dolo e, portanto, de participação direta para a ocorrência dos crimes. “Primeiramente porque a adulteração salta aos olhos, inclusive para aqueles que não têm qualquer familiaridade com as publicações oficiais do Estado do Amapá. Desta feita, ao se deparar com a exordial da Ação Civil Pública 0024001-66.2015.8.03.0001, a denunciada deveria, no mínimo, por uma questão de cautela, cotejar os documentos apresentados pelo parquet e cogitar, em sede de defesa, a discrepância existente entre as publicações”, acrescenta o promotor.

Pelos fatos, o MP-AP requer a condenação de Júnior Favacho pelos crimes de uso de documento falso e fraude processual, previstos nos artigos 304 c/c o 297 e 347 do Código Penal Brasileiro. A advogada Wiliane Favacho também está sendo processada para que possa esclarecer a origem do documento.

SERVIÇO:

Ana Girlene
Assessoria de comunicação do MP-AP
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Setembro Amarelo: MP-AP promove debate sobre prevenção ao suicídio em escolas

O Ministério Público do Estado do Amapá (MP-AP) promoveu nesta segunda-feira (17), no auditório da Procuradoria-Geral de Justiça – Promotor Haroldo Franco, uma reunião com os representantes de escolas estaduais. Durante o encontro foi debatida e alinhada, entre os presentes e equipe técnica do MP-AP, uma estratégia para combater o suicídio entre os jovens. O evento integrou a programação da campanha Setembro Amarelo, mês de conscientização sobre saúde mental e prevenção deste sinistro social.

Na ocasião foi apresentado aos participantes o meio que será utilizado para ser trabalhado em sala de aula, com foco na prevenção a casos de suicídio. O MP-AP adotou o sistema de parceria com as instituições de ensino público, bem como os órgãos competentes. Ao todo, 13 escolas participaram do encontro.

Será realizado um curso de capacitação para os educadores. O treinamento terá 160 vagas e será divido em duas turmas, nos turnos da manhã e tarde. A qualificação visa preparar os professores para escutar e acolher os estudantes que estão apresentando indícios de possibilidade de suicídio.

Durante a reunião, o psicólogo da Escola Estadual Barão do Rio Branco, Rodrigo Trindade, falou dos procedimentos adotados para realizar o trabalho de valorização à vida na instituição em que atua. “A escola tem um núcleo de práticas restaurativas para dar suporte afetivo, tanto para os alunos como para os professores. Nós criamos uma grande rede de apoio, incentivando os alunos a ajudarem os seus colegas”, falou.

Devido o aumento do suicídio e automutilação entre os jovens, o procurador-geral de Justiça do MP-AP, Márcio Alves, falou do papel do Ministério Público no combate a este problema que vem crescendo.

“O suicídio, hoje, é uma guerra que o Ministério Público está lutando para evitar que alcance, principalmente, a vida dos mais jovens. O MP-AP, como tutor de projetos sociais que dizem respeito diretamente à vida das pessoas, tem o dever de provocar reuniões para tentar diminuir o índice alarmante de morte”, pontuou o procurador-geral Justiça.

Engajamento

No dia 10 de setembro, Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, o órgão ministerial realizou uma mesa redonda sobre prevenção e automutilação. O evento ocorreu no auditório da Procuradoria-Geral de Justiça – Promotor Haroldo Franco. O encontro contou com a participação de educadores, profissionais da saúde, técnicos das instituições que integram a rede de atenção à saúde mental, membros e servidores do Ministério Público.

No dia 12 de setembro, o PGJ e equipe técnica do MP-AP participaram na praça Floriano Peixoto de uma Escuta Pública Especializada. Durante o encontro, psicólogos ouviram relatos dos jovens de Macapá sobre assuntos ligados ao tema. O objetivo foi provocar a população quanto a ideia de que o suicídio é um problema de saúde pública, e reforçar o papel de cada um no combate ao suicídio.

Nos dias 21 e 22 de setembro serão realizadas palestras e roda de conversa em Cutias do Araguari; de 24 a 27 deste mês, ocorrerá uma capacitação dos profissionais da saúde, educação e assistência, no auditório da PGJ; e no dia 28, haverá intervenção no Macapá Shopping, com informação e exposições. Todos estes eventos são frutos do trabalho em conjunto do MP-AP com as organizações de combate ao suicídio.

Parceiros

A realização do curso vai contar com a Secretaria de Estado da Saúde (SESA); Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA); universidade Federal do Amapá (UNIFAP); Centro de Valorização da Vida (CVV); Projeto Joga na Roda; Movimento de Luta Antimanicomial e a Secretaria Municipal de Assistência Social e trabalho (SEMAST).

SERVIÇO:

Elton Tavares – diretor de comunicação
Texto: Sávio leite
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

MP-AP aderiu à campanha do Dia Mundial da Limpeza que retirou do rio Amazonas 50 toneladas de resíduos

Há dez anos, na Estônia, foi iniciado um grande movimento de conscientização sobre preservação do meio ambiente em todo o planeta, e o dia 15 de setembro ficou conhecido como o Dia Mundial da Limpeza, que em Macapá levou centenas de voluntários para a orla em adesão ao #Let’s do It, ou #VamosFazerIsso. O Ministério Público do Amapá (MP-AP), através da Promotoria de Justiça do Meio Ambiente, Conflitos Agrários, Habitação e Urbanismo (Prodemac) e Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente (CAOP/AMB) participou junto com a Prefeitura de Macapá (PMM) na ação que retirou 50 toneladas de resíduos sólidos.

A Secretaria de Manutenção Urbanística (Semur) esteve à frente do movimento em Macapá, cujo embaixador é o prefeito Clécio Luis, e mobilizou entidades públicas e privadas, cidadãos e servidores públicos para a ação. Usando luvas e sacolas, os voluntários fizeram a retirada do lixo que é jogado no rio Amazonas, de plástico à objetos de todos os portes. Do MP-AP participaram membro, servidores, prestadores de serviços e estagiários, que se uniram para fazer o recolhimento e contribuir com a conscientização de moradores que continuam a jogar resíduos em local inadequado.

“É um trabalho constante da Prodemac e Caop Ambiental o de conscientização ambiental, para que no futuro este cenário de lixo no rio e ruas não seja mais rotineiro. As multas e Ações Civis Públicas (ACP) são convertidas em fomento para atividades de educação ambiental, fazemos campanhas, apoiamos movimentos como este, promovemos palestras e outras atividades educacionais, para que sejam formados verdadeiros cidadãos responsáveis com o planeta que habitamos”, disse a promotora titular de meio ambiente e coordenadora do CAOP/AMB, Ivana Cei.

Para o promotor substituto do Meio Ambiente, Jorge Willian Fredi, a atitude da PMM de aderir à campanha mundial encabeçada pelo Instituto Limpa Brasil motiva a adesão de parceiros e voluntários. “Ações como esta têm relevância na medida em que chama a sociedade para contribuir na preservação do meio ambiente, que é um dever de todos e inclui uma cidade limpa. A educação ambiental é imprescindível para a conscientização da coletividade sobre a importância de se adotar práticas ambientalmente adequadas, sobretudo no descarte do lixo urbano, que é um dos temas prioritários na agenda internacional do Direito Ambiental”.

O secretário da Semur, Augusto Almeida, explicou que as 50 toneladas de lixo recolhidos do leito do rio Amazonas serão despejados no aterro, e os troncos e galhos de árvores, encaminhados para artesãos parceiros que possam transformá-los em móveis, como bancos e objetos de decoração.

SERVIÇO:

Mariléia Maciel
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Membros e servidores do MP-AP participam do Fórum e Congresso Nacional de Gestão do Ministério Público

Integrantes da Comissão de Planejamento Estratégico do Ministério Público do Amapá (MP-AP) participaram nos dias 11 e 12, da 2ª Reunião do Fórum Nacional de Gestão do Ministério Público (FNG/MP) realizada pela Comissão de Planejamento Estratégico do Conselho Nacional do Ministério Público (CPE/CNMP), nas dependências do Ministério Público do Trabalho (MPT), em Brasília-DF. Membros e servidores das unidades ministeriais do país reuniram para dar continuidade à construção do Planejamento Estratégico do MP para o período 2020-2029.

O 2º encontro do FNG/MP marcou o começo do funcionamento do Comitê de Políticas de Gestão Estratégica (CPGE). “A ideia é avançar na elaboração do planejamento estratégico, inclusive na atividade estruturante. Acreditamos que esse trabalho melhora a prestação de serviços do Ministério Público à população brasileira”, afirmou o conselheiro e presidente da CPE/CNMP, Sebastião Caixeta, na cerimônia de abertura.

O procurador do Trabalho e coordenador-geral do FNG, Carlos Eduardo Almeida Martins de Andrade, deu início às atividades fazendo o nivelamento dos comitês: Política de Comunicação (CPCom), Políticas de Gestão Administrativa (CPGA), Políticas de Gestão Estratégica (CPGE), Politicas de Gestão orçamentária (CPGO), Políticas de Gestão de Pessoas (CPGP) e Políticas de Tecnologia da Informação (CPTI). “Antes, os temas ligados à gestão estratégica eram tratados no Comitê de Políticas de Gestão Administrativa (CPGA), que a partir desta reunião passam a ser tratados pelo CPGE, e o CPGA fica apenas com as tratativas dos assuntos tipicamente administrativos, como licitações, contratos e obras.

A presidente e o coordenador da CPE/MP-AP, promotores de Justiça Ivana Cei e Laércio Mendes, respectivamente, que fazem parte do FNG/CNMP integrando o grupo de Representantes da Administração Superior dos MPs (RAS), participaram das discussões e deliberações para nivelamento dos comitês nessa etapa do planejamento estratégico nacional.

“As reuniões proporcionam troca experiência e conhecimento dos projetos e iniciativas inovadoras de outros Ministérios Públicos imprescindíveis para melhoria da nossa atividade fim que é atender aos anseios da sociedade”, manifestou Laércio Mendes.

Na ocasião, os representantes do MP-AP receberam das mãos do coordenador-geral do Fórum, Carlos Eduardo Andrade, e do assessor da CPE/CNMP, Rogério Carneiro Paes, um exemplar do livro “SPRINT” com o método utilizado na elaboração do Plano de Projeto do Planejamento Estratégico Nacional que foi objeto de uma oficina, em Macapá, com integrantes da CPE/MP-AP.

Participaram da Reunião do FNG pelo MP-AP, além dos integrantes do RAS, os servidores: Elionai Paixão, diretor Financeiro (CPGO); a diretora de Planejamento, Eliana Pinho (CPGE); a assessora de Controle Interno, Anilde Virino (CPGA); o diretor do Departamento de Tecnologia da Informação, Rodinei Paixão (CPTI); a servidora do Departamento de Gestão de Pessoas, Tânia Araújo (CPGP); e a assessora de Imprensa, jornalista Gilvana Santos (CPCom).

Congresso Nacional de Gestão

Após o encerramento da 2ª reunião do FNG/MP, foi realizada a abertura do 9º Congresso Brasileiro de Gestão do Ministério Público, na quinta-feira (13), no Instituto Serzedello Corrêa do Tribunal de Contas da União (TCU), com a premiação dos vencedores do Prêmio CNMP 2018.

A Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, fez a palestra magna do primeiro dia do evento que nesta edição aborda o tema: Ministério Público e integridade: governança ética, persecução penal e direitos humanos. “Exerçamos poderes, respeitemos diretos e observemos deveres, sempre à luz da Constituição”, ressaltou a PGR.

Raquel Dodge destacou ainda que o evento permitirá um longo debate a respeito dos temas propostos que considera como “cruciais para esses momentos difíceis que estamos vivendo na sociedade brasileira (…)”.

A programação será realizada em dois dias com palestras, minicursos e oficinas relacionadas aos tema proposto. Participam do Congresso o Ouvidor do MP-AP, Jayme Ferreira; a subprocuradora-geral de Justiça para Assuntos Jurídicos, Maria do Socorro Milhomem Moro; os promotores de Justiça Marco Antônio Vicente e Horácio Coutinho; além da secretária-geral do MP-AP, Ivana Cei, e a equipe da CPE/MP-AP.

SERVIÇO:

Gilvana Santos
Assessoria de Comunicação do MP-AP
Contato: (96) 3198-1616/(96) Email:[email protected]

Setembro Amarelo: MP-AP participa de escuta pública com jovens para prevenção ao suicídio

O procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Amapá (MP-AP), Márcio Augusto Alves, participou nesta quarta-feira (12), na Praça Floriano Peixoto, de uma Escuta Pública Especializada. O evento integrou a programação da campanha Setembro Amarelo, mês de conscientização sobre saúde mental e prevenção ao suicídio. Durante o encontro, psicólogos ouviram relatos dos jovens de Macapá sobre assuntos ligados ao tema. O objetivo foi provocar a população quanto à ideia de que o suicídio é um problema de saúde pública e reforçar o papel de cada um no combate deste sinistro social.

A iniciativa do evento foi fruto de uma parceria entre MP-AP, Prefeitura de Macapá, Governo do Amapá, Faculdade Estácio, Centro de Valorização da Vida (CVV), Movimento da Luta Internacional e o projeto Joga na Roda. Também presentes no encontro a titular da Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde, promotora de Justiça Fábia Nilci e equipe técnica do órgão ministerial.

“O setembro amarelo é o mês em que a gente fala a respeito da prevenção ao suicídio. O Ministério Público e outras organizações, neste ano, se reuniu para tratar desse tema. A ideia de utilizar a praça é para disponibilizar às pessoas, profissionais para oferecer a escuta amiga”, destacou a promotora de Justiça Fábia Nilci.

Engajamento

Na última segunda-feira (10), Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, o órgão ministerial realizou uma mesa redonda sobre prevenção e automutilação. O evento foi realizado no auditório da Procuradoria-Geral de Justiça – Promotor Haroldo Franco. O encontro contou com a participação de educadores, profissionais da saúde, técnicos das instituições que integram a rede de atenção à saúde mental, membros e servidores do Ministério Público.

Nos dias 21 e 22 de setembro serão realizadas palestras e roda de conversa em Cutias do Araguari; Já em 24 a 27 deste mês, ocorrerá uma capacitação dos profissionais da saúde, educação e assistência, no auditório da PGJ e no dia 28, haverá intervenção no Macapá Shopping, com informação e exposições. Todos estes eventos são fruto do trabalho em conjunto do MP-AP com as organizações de combate ao suicídio.

“Essa escuta pública possibilitou o diálogo sobre o tema sem tabus e com esclarecimentos pertinentes aos presentes. Estamos trabalhando junto às instituições na prevenção e combate ao suícidio. Este mal mata 30 pessoas por dia em nosso país e afeta especialmente os jovens, o que nos sensibiliza e preocupa. Qualquer cidadão pode contar com o MP-AP, pois como já diz o tema da nossa campanha, viver é sempre a melhor opção!”, frisou o PGJ.

Campanha

A cor amarela é usada para representar o mês da prevenção do suicídio por causa de Dale Emme e Darlene Emme. O casal foi o início do programa de prevenção de suicídio “fita amarela”, ou “Yellow Ribbon” em inglês.

Em 1994, Mike Emme, filho do casal, com apenas 17 anos, atentou contra a própria vida, infelizmente. Mike era conhecido por sua personalidade caridosa e por sua habilidade mecânica. Restaurou um Mustang 68 e o pintou de amarelo. Mike amava aquele carro e por causa dele começou a ser conhecido como “Mustang Mike”.

Entretanto, aqueles próximos de Mike não viram os sinais e o fim da vida do garoto chegou. No dia do funeral dele, uma cesta de cartões com fitas amarelas presas a eles estava disponível para quem quisesse pegá-los. Os 500 cartões e fitas foram feitos pelos amigos de Mike e possuíam uma mensagem: Se você precisar, peça ajuda.

CVV

O Centro de Valorização da Vida é reconhecido como Utilidade Pública Federal desde a década de 1970. É uma organização sem fins lucrativos e filantrópica que busca dar apoio emocional e prevenção do suicídio para quem precisa. Desde 2015, é possível entrar em contato com eles através do telefone, de maneira gratuita. Basta ligar para o número 188. O atendimento é anônimo e realizado por voluntários que guardam sigilo.

SERVIÇO:

Elton Tavares
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Em Oiapoque o MP-AP atua para que a lixeira seja remediada e o aterro instalado

Há vinte anos o lixo produzido em casas e empresas no município de Oiapoque é jogado em uma lixeira próxima da cidade, sem qualquer cuidado, o que vem causando inúmeros problemas na cidade, sendo o mais recente um incêndio, que ainda prejudica a população. Para buscar soluções, nesta terça-feira, 11, foi realizada uma audiência pública pela Prefeitura do município com a presença de promotores que atuam na Promotoria da Comarca de Oiapoque, técnicos do Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente (CAOP/AMB), e representantes do Governo do Estado (GEA), Ibama, Parque Nacional do Cabo Orange, Câmara Municipal, associações e sociedade civil.

A área em que a lixeira está localizada foi licenciada pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) em 2003, e alugada para a Prefeitura pelo então proprietário. Sem tratamento e fora dos padrões permitidos, são depositados diariamente cerca de 36 toneladas de lixo doméstico, e 10 toneladas de lixo industrial, como do matadouro e empresas de filetagem de peixe. O mal cheiro, falta de remediação, presença de animais e de vetores como moscas e urubus, queimadas e outras inadequações, se tornaram grandes problemas para os moradores.

Durante a audiência pública, os técnicos do CAOP/AMB, Alcione Cavalcante e Michael Ribeiro fizeram uma apresentação da situação da lixeira dez anos atrás, quando foram realizadas inspeções técnicas e constatado que o local era impróprio e que o município deveria instalar um aterro sanitário em outro local, além de remediar a lixeira. Mostraram também o local atualmente, comprovando que nada mudou nos últimos anos. Os promotores de justiça Davi Zerbini e Thaysa Assum, fizeram explanação sobre a atuação do Ministério Público do Amapá (MP-AP) para que a situação seja resolvida.

O promotor Davi Zerbini relatou para a plateia que em 2009, uma Ação Civil Pública (ACP) de 2004, da Promotoria de Oiapoque, condenou o Estado e Município a multa diária por descumprimento da obrigação de implantação de aterro. Esclareceu ainda que a multa, que era de R$ 10 mil/dia foi reduzida para R$ 2 mil/dia, e a ACP foi arquivada. E que em 2017 ocorreu audiência pública para levantamento de informações sobre o processo de remediação da área, e solicitado ao Estado e Município que apresentassem plano de trabalho com cronograma de execução, e mesmo com os pedidos de prorrogação atendidos, nunca foram entregues. A ACP foi desarquivada e está marcado para dia 18 de setembro uma audiência judicial sobre o caso.

“Queremos encontrar uma solução e a população tem que ter informações honestas a respeito da atuação do MP-AP. As irregularidades são absurdas e até agora não foi feito nada para resolver. O Estado descumpriu deliberadamente todas as determinações, expedimos Recomendação para que apresentassem estudo técnico do aterro, mas não tivemos respostas, e os moradores continuam a sofrer, assim como o meio ambiente. O município não consegue resolver sozinho, mas não há entendimento com o Estado, e precisamos de decisão judicial para a ACP ser executada”, enfatizou o promotor.

A prefeita Maria Orlanda e o secretário de Meio Ambiente do Município, Oscar Silva, explicaram que a Prefeitura, mesmo com todas as dificuldades está trabalhando para que a lixeira seja remediada, e após a instalação do aterro controlado, desativada, mas que precisa do apoio do GEA. O secretário relatou que o município não tem muitas opções de terreno para o aterro, e que várias áreas foram pesquisadas, porém estão fora dos padrões ambientais exigidos, e que o único espaço em vista pertence à União, fica no km 23 da BR 156, entre terras indígenas e a Floresta Estadual do Amapá (Flota). “O único problema até agora observado é uma aldeia que está próxima, mas será feito um estudo técnico para avaliar todas as possibilidades”, disse o gestor.

Localização, atuação política, das gestões, fiscalização, licenciamento, responsabilidades, risco de contaminação de nascentes, saúde da população, impactos, atuação do MP-AP, questão indígena, foram questionadas pelo público e respondidas pelos integrantes da mesa. As sugestões também foram feitas, como o decreto de estado de calamidade pública, terceirização da coleta de lixo e educação ambiental. O representante da Fundação Nacional do Índio (Funai) Coaracy Macial, afirmou que irão atuar junto à aldeias próximas.

A promotora de justiça Thaysa Assum falou que o incêndio está sob investigação e que o Corpo de Bombeiros (CB/AP) explicou que o local corre oaudiencia oiapoque lixeira risco de explosão, caso não haja atuação com base em avaliação técnica. “Após o incêndio ficou definido que o Estado irá disponibilizar uma retroescavadeira hidráulica para que o problema da lixeira seja amenizado, e o município colocará o trator. O CAOP/AMB fez a vistoria e irá encaminhar o parecer técnico, que vai fundamentar as decisões. O matadouro tem 30 dias para apresentar o Plano de Resíduos e pedimos empenho da Vigilância Sanitária, mas precisamos do apoio de todos, que façam denúncias”.

A inspeção na lixeira de Oiapoque faz parte dos procedimentos do CAOP/AMB, que está se deslocando para todos os municípios. Os técnicos atuam com base no relatório de 2008, realizam a vistoria e emitem parecer técnico para que as promotorias tomem providências para os municípios se adequem ao Plano Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que estipula prazos para que as cidades de todo o Brasil eliminem as lixeiras e utilizam o aterro sanitário. Oiapoque é o quarto município a ser vistoriado.

SERVIÇO:

Mariléia Maciel
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Mão na Massa: Projeto de capacitação articulado pelo MP-AP qualifica jovens de Santana em panificação

Nesta terça-feira (11), membros do Ministério Público do Amapá (MP-AP), empresários e representantes de organizações não governamentais puderam acompanhar a evolução do projeto “Mão na Massa”, iniciativa articulada pela Promotoria da Infância e Juventude de Santana, que está qualificando jovens em situação de vulnerabilidade social para o mercado de trabalho.

O projeto nasceu da parceria entre o MP-AP e o Lar Bethânia, por meio do Instituto Marcelo Cândia, localizado no município de Santana. O curso é realizado nas instalações do instituto e a empresa de trigo O Moinho, que acreditou na ideia, assumiu a responsabilidade pela execução do primeiro curso de panificação para 60 jovens.

A empresa disponibilizou toda a estrutura, que compreende equipamentos de panificação, materiais e insumos necessários ao aprendizado dos alunos. O curso tem duração de 80h/aulas e a formatura da primeira turma ocorrerá em um mês.

Existem mais de 600 padarias no Estado, o que aumenta a expectativa de todos sobre as chances de um emprego formal ou o surgimento de novos empreendimentos. Nessa certeza, o grupo Soreidom Brasil LTDA renovou o apoio ao projeto, o que permitirá a abertura de novas turmas, com início previsto para o próximo mês de outubro.

“Venho aqui acompanhar o curso e vejo a alegria nos olhos dos alunos. Queria compartilhar isso com meus colegas e parceiros, para que pudéssemos ver in loco esses avanços. Estamos criando oportunidades para um grupo de jovens que sempre conviveu com muitas carências. Fico feliz que estejamos aqui e mais ainda, com a sinalização de outras empresas em apoiar o projeto”, comemorou o coordenador do Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude (CAOP/IJE), promotor de Justiça Miguel Angel.

Apoio e fortalecimento

O procurador-geral de Justiça, Márcio Alves, destacou que a capacitação abre um leque de oportunidades. “Acabamos de ouvir que já existem empresas interessadas em abrir as portas para recebê-los. Isso é muito bom. O dinheiro é importante, não resta dúvida, mas, o mais importante mesmo é a dignidade de vocês, é ter uma qualificação e um emprego digno, com salário honrado, fruto do seu trabalho. Isso não tem valor. Aproveitem essa oportunidade”, acrescentou.

Para o instrutor do curso, Ronaldo Costa Lima, funcionário da empresa O Moinho, desde o primeiro contato com os alunos foi possível perceber o que eles mais desejavam. “Via neles uma vontade enorme de entrar no mercado de trabalho, mas sem saber ao certo como as coisas funcionam. Também procurei passar valores fundamentais para o sucesso profissional, como boa vontade, disposição e responsabilidade. Todos estão indo muito bem”, assegurou.

A procuradora de Justiça Judith Teles, coordenadora-geral do CAOP da Infância, Juventude e Educação, também ressaltou a relevância da colaboração entre as instituições públicas e privadas para que mais ações – como o projeto Mão na Massa – possam ser realizadas. “Parabéns a todos os parceiros. Amar não é dizer ‘eu te amo’, amar é fazer o que vocês estão fazendo aqui. Que o alimento de todos seja esse amor. Que vocês possam pegar nessa massa com todo o carinho na certeza de que estamos tomados de alegria em vê-los evoluindo”, disse a procuradora para os alunos.

Coordenadora do Lar Bethânia, irmã Rosani Fiuza, destacou a disciplina dos participantes. “Vocês estão realmente de parabéns. Vejo todos os dias o comportamento e a limpeza de ambiente, ótimos sinais de que teremos grandes profissionais. Quando capacitamos um jovem, mantemos vivo o sonho da maioria deles, que é o de cursar uma universidade. Muito obrigada a todos”.

Ao final, irmã Fiuza aproveitou para cobrar novas linhas de ônibus para facilitar o acesso da comunidade ao local do instituto, situada na Vila Amazonas.

Participaram da atividade ainda, o procurador de Justiça Jair Quintas; a chefe de gabinete da PGJ, promotora de Justiça Gisa Veiga; o prefeito de Santana, Offirney Sadala; a juíza titular de Vara da Infância e Juventude de Santana, Larissa Noronha; o diretor de marketing da empresa O Moinho, Saulo Pantoja; a presidente do Instituto INOVA, Fabíola Ribeiro; colaboradores do Lar Bethânia e servidores do MP-AP.

Parceiros

Além do colaboradores e diretores da empresa O Moinho, estavam presentes representantes dos supermercados Santa Lúcia e Fortaleza, além do grupo Domestilar, que firmou parceria com o projeto para ofertar o curso de montador de móveis. Os supermercados também se comprometeram em contatar os jovens alunos na condição de aprendiz e/ou estágio remunerado, com possibilidade de contemplar todos os participantes do projeto.

Degustação

Os alunos tiveram a oportunidade de demonstrar na prática os conhecimentos e habilidades adquiridas. Preparam uma bela degustação de panificação e confeitaria, com pães, tortas salgadas, doces, pizzas, massas e uma variedade de outros itens feitos a partir do trigo.

SERVIÇO:

Ana Girlene Oliveira
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail:[email protected]

Com o tema “Brega Retrô”, II Luau na Samaúma de 2018 começa a ser organizado


Começaram as tratativas para o II Luau na Samaúma da temporada 2018. Nesta segunda-feira (10), durante reunião entre o Ministério Público do Estado do Amapá (MP-AP) e a prefeitura de Macapá, na Procuradoria-geral de Justiça – Promotor Haroldo Franco, foram alinhadas ações das duas instituições que realizarão o evento.

Com o tema “Brega Retrô”, a segunda edição do projeto multicultural promete agradar a sociedade amapaense. A iniciativa aproxima a população do MP-AP e promove a ocupação do espaço público com lazer, cultura e segurança para as famílias da capital.

O encontro contou com a participação da secretária-geral do órgão MP-AP, promotora de Justiça Ivana Cei; da diretora-presidente da Fundação Municipal de Cultura (Funcult), Marina Beckman, e equipe técnica do órgão ministerial.

O primeiro evento deste ano ocorreu no dia 31 de agosto, e contou com a presença de centenas de pessoas, que aprovaram a iniciativa voltada para a família amapaense. A programação multicultural marcou o início de um projeto que contará com outros luais, que ocorrerão uma vez ao mês, em noites de lua cheia, no mesmo local.

Durante o luau, os cidadãos poderão assistir a apresentações musicais e intervenções artísticas, além de terem acesso a produtos diversificados de artesanato e gastronomia variada. A primeira edição da temporada 2018 do Luau na Samaúma, ocorrida no dia 31 de agosto, contou com à presença de centenas de pessoas. O segundo ocorrerá no mesmo local, na Praça da Samaúma, em frente a sede do MP-AP. O evento multicultural iniciará às 18h do dia 28 de setembro.

A novidade deste segundo luau de 2018 serão atrações musicais que tocarão e cantarão bregas antigos. Os artistas que farão as apresentações serão definidos pela coordenação do evento.

O público que virá ao evento poderá usar o estacionamento da sede campestre da Maçonaria, em frente à Praça Samaúma, além do entorno do local, para estacionar seus automóveis.

SERVIÇO:

Elton Tavares
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Setembro Amarelo: MP-AP realiza mesa redonda sobre prevenção ao suicídio e automutilação

Nesta segunda-feira (10), integrando a programação em apoio à campanha mundial “Setembro Amarelo”, o Ministério Público do Amapá (MP-AP) realizou uma mesa redonda sobre prevenção ao suicídio e automutilação. O evento ocorreu no auditório da Procuradoria-Geral de Justiça e faz parte de uma série de atividades construídas em parceria com as instituições que integram a rede de atenção à saúde mental; em âmbito estadual e municipal, para fortalecer o lema “Juntos pela vida”.

A data escolhida para o debate não foi aleatória. 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio e toda a campanha abraçada pelo MP-AP visa conscientizar a sociedade sobre a importância do diálogo e de tratar o tema sem tabu. A data foi estipulada em 2014, através de uma iniciativa do Centro de Valorização à Vida (CVV), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

Segundo o relatório de prevenção ao suicídio da Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 800 mil pessoas cometem suicídio por ano no mundo. Atualmente é a segunda principal causa de morte de jovens entre 15 e 29 anos, e a falta de cuidados com a saúde mental está associada a praticamente 100% dos casos.

Na abertura do evento, o procurador-geral de Justiça, Márcio Alves, além de dar boas-vindas aos participantes e debatedores, relembrou a trajetória do CVV no Amapá e o apoio da instituição para que o órgão tivesse condições de atuar no Estado.

“Ficamos muito felizes por acolhê-los em nossa casa e recordo quando iniciamos as tratativas para termos o CVV em Macapá. Essa preocupação já é antiga e, infelizmente, quando olhamos esses números, que afetam especialmente os jovens, ficamos ainda mais sensíveis à causa. Estamos falando de uma epidemia que mata 30 pessoas por dia em nosso país. É mais que uma guerra, e para enfrentarmos esse quadro, precisamos estar unidos em rede, travando essa luta de setembro a setembro. Contem sempre conosco”, manifestou o PGJ.

A mesa redonda foi mediada pelo promotor de Justiça Manuel Felipe Menezes, que tem larga experiência com projetos voltados à temática. “Fiquei muito honrado de recebê-los essa manhã para debatermos essas questões. Nossa instituição tem um papel muito importante, não só em defesa das leis, mas, como promotores de justiça, é nosso dever também lutarmos pela vida dos nossos jurisdicionados”.

Causa, consequências e prevenção

Para abordar a complexidade da temática e apresentar perspectivas para o atendimento correto das ocorrências, bem como a forma adequada de tratar o assunto, foram convidados especialistas de diferentes áreas.

Nesse sentido, participaram da mesa redonda, o professor Doutor Washington Brandão, do Ambulatório de Atenção à Crise Suicida – NAPE/ Universidade Federal do Amapá – Unifap; o professor Mestre Rodrigo Trindade, do Núcleo de Práticas Restaurativas da Escola Estadual Barão do Rio Branco; a psicóloga Aimara Freitas, coordenadora de Saúde Mental do Município de Macapá, e a representante do CVV, Enedina Modesto.

Dentre as contribuições, foi esclarecido que o suicídio é um fenômeno complexo que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades, orientações sexuais e identidades de gênero. “90% dos casos pode ser prevenido. Incentive a pessoa a procurar ajuda de um profissional ou serviço de saúde”, orientou o professor Washington.

Todos os debatedores deram ênfase para a prevenção, sendo comprovado o papel protetor e acolhedor das relações interpessoais para lidar com os mais diversos problemas. Existem estudos evidenciando que pessoas, cujos relacionamentos são fortes e diversos, podem lidar melhor com várias tensões como luto, estupro e doenças físicas, além de desfrutarem de uma saúde melhor.

Participaram também do evento, educadores, profissionais da saúde, técnicos das instituições que integram a rede de atenção à saúde mental e as promotoras de Justiça Gisa Veiga, chefe de Gabinete da PGJ, e Glaucia Porpino, coordenadora do Núcleo de Apoio Técnico-Administrativo (NATA).

“Juntos pela vida”

Para dar continuidade à campanha do “Setembro Amarelo” e fortalecer essa causa serão realizadas intervenções em diversos locais do Estado, com a seguinte programação: em Macapá, dia 12/09 – Escuta Pública, na Praça Floriano Peixoto, com jovens; 21 e 22 de setembro – palestra e roda de conversa em Cutias do Araguari; 24 a 27 de setembro – capacitação dos profissionais da saúde, educação e assistência, no auditório da PGJ, e 28 de setembro haverá no intervenção no Macapá Shopping, com informação e exposições.

Participaram também do evento desta segunda-feira, educadores, profissionais da saúde, técnicos das instituições que integram a rede de atenção à saúde mental e as promotoras de Justiça Gisa Veiga, chefe de Gabinete da PGJ, e Glaucia Porpino, coordenadora do Núcleo de Apoio Técnico-Administrativo (NATA).

Centro de Valorização da Vida

Durante o evento, os coordenadores do CVV informaram que a instituição vai promover mais um curso de capacitação para voluntários. Interessados podem fazer a inscrição pelo email: [email protected] O curso será realizado nos dias 29 e 30 deste mês, em local a ser confirmado.

Serviço:

Ana Girlene Oliveira
Assessoria de comunicação do MP-AP
Contato: (96) 3198-1616

Hoje é o Dia Nacional do Assessor de Imprensa – Parabéns pra gente!

14238367_1776608685954778_4855509775232517540_n

Hoje é o Dia Nacional do Assessor de Imprensa. Não encontrei a origem da data, mas tá valendo. Planejar, pensar em pautas originais, ter bons contatos na imprensa e texto bom não é pra qualquer um não. Sou jornalista. Amo essa profissão, apesar de atuar há nove anos em uma vertente do jornalismo, a assessoria de comunicação ou de imprensa, como nomeiam alguns.

Já trabalhei ou sou amigo de ótimos profissionais desta área. Assessorei secretarias de Estado, dois governadores, um prefeito, dois desembargadores, um Tribunal, um senador e estou há um ano e dois meses no MP-AP. No post original, o autor listou outras coisas, mas o que concordo são essas:

“Ter uma cara de pau elevada à enésima potência.

Festejar a notinha do colunista famosão como se fosse um furo de reportagem.

Viver explicando pro povo de redação que assessor também é jornalista.

Viver explicando pro povo de relações públicas que jornalista também é assessor.

Saber vender seu peixe. Quer levar, não, freguesia? Pauta fresquinha.

Ouvir do assessorado desinteressante o pedido de uma entrevista pro Jô, e pensar “tô fodido”.

Ralar como qualquer jornalista, mas levar fama de vida boa.

Buscar o difícil equilíbrio entre o interesse do assessorado e o do repórter.

Buscar o difícil equilíbrio entre o ego do assessorado e o do repórter.

Responder 20 perguntas por e-mail pra ontem, por favor, e não esquece uma foto em alta resolução, tipo 300 dpi, pode ser?

Lidar com assessorado que não tem a menor noção de como funciona a imprensa.

Organizar coletiva e rezar pra tudo que é santo pra não chover.

Ir a almoços chatérrimos de “fortalecimento de relações”.

Acreditem, não é tão fácil quanto parece, mas adoro essa profissão. Além se empenho, é preciso sorte e carisma.

Ah, alguns dizem que assessor de comunicação não faz jornalismo. Concordo, é mais um lance de publicidade, no formato jornalístico. Sabe como é, não ouvimos os dois lados (alguns da “imprensa aberta” também não).

Outro problema é a confusão entre prestar assessoria com ‘puxasaquismo’. Já sofri na pele tal crítica, mas a carapuça nunca me coube. Enfim, parabéns pra nós, que matamos um leão por dia, seja por conta do assessorado ou colegas da imprensa.

Elton Tavares

Fonte: Desilusões Perdidas