Assisti Bohemian Rhapsody duas vezes para escrever essa resenha (sobre um filme sensacional)

Assisti Bohemian Rhapsody, filme que conta a trajetória de Freddie Mercury (se você não sabe quem é, pare agora de ler isso) e da banda Queen, duas vezes para escrever essa resenha. Na primeira oportunidade, na semana passada e em Belém (PA), fiquei tão impactado que sabia que precisaria ver novamente. O que ocorreu ontem, já aqui em Macapá.

O longa, dirigido por Bryan Singer, é fantástico. São 2h15 de narrativa, mas a gente nem sente o tempo passar. Dizem que cinebiografias musicais jamais estão à altura das obras dos ídolos, mas Bohemian Rhapsody é um negócio a parte.

O filme mostra como Freddie Mercury (atuação Phodona de Rami Malek) conhece Brian May (Gwilyn Lee), Roger Taylor (Ben Hardy) e John Deacon (Joseph Mazzello) e juntos formam uma das maiores bandas de todos os tempos.

A trama é uma mistura de excelentes canções (claro), boas atuações, semelhança dos shows, caracterização (figurino impressionante), produção, tomadas de cima, jogo de câmeras (com objetos se movendo ao invés dos personagens), Além do Queen ter uma história incrível, com seu líder e maior frontman que já existiu (com poderosa voz, performance rock perfeita e Mercury até regia multidões).

As curiosidades são outro atrativo, como a genial composição da música que nomeia o filme, Bohemian Rhapsody lançada em 1975 no álbum “A Night At The Opera”. (método, inspiração, gravação) e a ideia do início da música Will Rock You, de Brian, bem como a “dance” de Deacon e seu contrabaixo. Elementos que enriquecem a película.

Claro que a cronologia está errada (ano de discos e shows, é só ver aí no Google), mas isso é uma vírgula em um texto quase perfeito. Qualquer fã da banda chora (chorei na primeira vez que assisti). Bohemian Rhapsody emociona e empolga tanto que dá vontade de levantar e cantar junto com a banda (a amiga que assistiu comigo na segunda vez que fui ao cinema disse: parece que estamos no show).

Claro que pegaram leve quanto a sexualidade, drogas e demais cagadas de Fred, mas mesmo assim os caretas e héteros inseguros acharam ruim (disseram lá no “Feicebuque” que vaiaram algumas cenas). Um filme não só para fãs, mas para qualquer pessoa que gosta de música e cultura. Só é ruim para homofóbicos, mas estes não gostam de cultura (risos).

Assista ao trailer de Bohemian Rhapsody:

Ficha técnica:

Bohemian Rhapsody (Bohemian Rhapsody, 2018)
Direção: Bryan Singer
Roteiro: Anthony McCarten (com base na história escrita por ele mesmo e por Peter Morgan)
Elenco: Rami Malek, Lucy Boynton, Gwilym Lee, Ben Hardy, Joseph Mazzello, Tom Hollander, Mike Myers.

Realmente “A sorte favorece os audazes“, frase de Alexandre O Grande, usada pelo agente da banda, apelidado de “Miami”. A energia do Queen e o talento do grupo foram o combustível para esse filme sensacional. Como disse a poeta e escritora Lara Utzig (no Twitter), “faça um favor a si mesmo: vá assistir Bohemian Rhapsody”. É isso mesmo. Recomendo!

Elton Tavares, jornalista, fã de Rock e da obra do Queen.

Dia Internacional da Animação tem sessão gratuita com 18 curtas em Macapá

Por Carlos Alberto Jr

Hoje (28), em paralelo aos resultados do 2º turno das Eleições 2018, acontece mais uma edição do Dia Internacional da Animação (DIA) em Macapá. Ao todo são 18 curtas-metragens, que serão exibidos em duas sessões gratuitas, uma seguida da outra, na Biblioteca Pública Elcy Lacerda a partir das 19h.

A mostra com animações nacionais e internacionais tem classificação indicativa a partir de 12 anos. O DIA será comemorado em mais de 200 cidades de todos os estados do país mais o Distrito Federal.

O DIA tem como proposta sensibilizar o público, além de dar apoio à produção cinematográfica de animação. Essa também é uma forma de estimular o interesse do público pelas animações que estão fora do circuito comercial.

Desde 2004, a Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA) realiza o DIA, que é o maior evento de exibição simultânea do país. No Amapá, o evento é promovido pelo Festival Imagem-Movimento (FIM) e serve como uma “prévia” para a 15º edição do evento, que acontece de 2 a 8 de dezembro.

Para celebrar a data, em 2002, a Associação Internacional do Filme de Animação (Asifa) lançou o “Dia Internacional da Animação” contando com diferentes grupos internacionais filiados em mais de 30 países.

A comemoração também é realizada em dezenas de países, tais como, EUA, França, Portugal, Coreia do Sul, Egito, Austrália, Japão. O DIA, que aconteceu desde 2002, acontece sempre no dia 28 de outubro, data que marca a primeira exibição de imagens animadas no mundo, criada pelo francês Émile Reynaud em 1892.

Mostra vai exibir curtas animados brasileiros e internacionais em Macapá — Foto: Reprodução/Millie

Programação:

Mostra nacional
Piconzé
Direção: Ype Nakashima
Duração: 1 minuto (trecho do longa metragem de 1972)
Formato: 2D

O Homem na Caixa
Direção: Ale Borges, Alvaro Furloni e Guilherme Gehr
Duração: 19 minutos

Millie
Direção: Israel Dilean
Duração: 5 minutos e onze segundos
Formato: 3D Digital

Insone
Direção: Débora Pinto e Breno Guerreiro
Duração: 2 minutos e 19 segundos
Formato: 2D

Trip
Direção: Péricles Ianuch
Duração: 2 minutos e 44 segundos

La Loba
Direção: Julia de Macedo Nicolescu
Duração: 3 minutos e nove segundos
Formato: 2D

8 Patas
Direção: Fabrício Eduardo Rabachim, Gabriel Barbosa, Pietro Leonardo Nichelatti Nicolodi
Duração: 2 minutos e 25 segundos
Formato: computação gráfica em 3D

Um Conselho Animador
Direção: Thiago Calçado
Duração: 37 segundos
Formato: 2D

Torre
Direção: Nádia Mangolini
Duração: 18 minutos
Formato: lápis sobre papel, tinta sobre papel em 2D

Mostra internacional
Los Aeronautas (MEX)
Direção: León Fernández
Duração: 11 minutos
Formato: stop motion

Luminaris (ARG)
Direção: Juan Pablo Zaramella
Duração: 6 minutos
Formato: stop motion/pixilation

High Wool (ALE)
Direção: Nikolai Maderthoner e Moritz Mugler
Duração: 3 minutos
Formato: stop motion

Mostra acontece em Macapá e em mais de 200 cidades brasileiras simultaneamente — Foto: Reprodução/60 Segundos de Oscuridad

El Empleo (ARG)
Direção: Santiago ‘Bou’ Grasso
Duração: 6 minutos
Formato: 2D

Serio (CAN/BRA)
Direção: Ana Gusson
Duração: 3 minutos e 22 segundos
Formato: 2D

60 Segundos de Oscuridad (ARG)
Direção: Pablo Conde
Duração: 4 minutos
Formato: 2D

The Short Story of a Fox and a Mouse (FRA)
Direção: Camille Chaix, Hugo Jean, Juliette Jourdan, Marie Pillier, Kevin Roger
Duração: 6 minutos e 14 segundos
Formato: 3D

Inercia (ARG)
Direção: Becho Lo Bianco e Mariano Bergara
Duração: 4 minutos
Formato: stop motion

Last Call (ING/POR)
Direção: Sara Barbas
Duração: 12 minutos
Formato: 2D

Serviço:

Dia Internacional da Animação (DIA) em Macapá
Data: 28 de outubro (domingo)
Hora: 19h
Local: Biblioteca Pública Elcy Lacerda (Centro)
Entrada: Gratuita
Classificação: 12 anos

Fonte: G1 Amapá

Macapá recebe 15ª edição do Dia Internacional da Animação

O Dia Internacional da Animação (DIA) é uma Mostra de curtas-metragens de desenhos animados nacionais e internacionais com entrada franca que acontece no dia 28 de outubro em centenas de cidades do Brasil.

COMO SURGIU O EVENTO NO MUNDO

Em 28 de outubro de 1892, Emile Reynaud realizou a primeira projeção pública de imagens animadas do mundo do seu teatro óptico no Museu Grevin, em Paris, exibindo o filme Pauvre Pierrot. Para celebrar a data, em 2002, a ASIFA (Associação Internacional do Filme de Animação) lançou o “Dia Internacional da Animação” contando com diferentes grupos internacionais filiados em mais de 30 países.

NO BRASIL

No Brasil o evento é realizado pela Associação Brasileira de Cinema de Animação – ABCA. Em 2018 o DIA vai para a sua 15ª edição, conquistando, a cada ano, maior visibilidade e parceiros em diversos municípios brasileiros. A Mostra Oficial acontece no dia 28 de outubro às 19h00 simultaneamente em todas os locais participantes, contando com a adesão de centenas de cidades em todos os 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, sendo o maior evento simultâneo de animação realizado no Brasil.

Nesse ano o DIA é viabilizado pelo Ministério da Cultura, Secretaria do Audiovisual via Fundo Nacional da Cultura.

COMO É:

A Mostra Oficial é composta por uma hora de curtas metragens brasileiros (Mostra Nacional) selecionados por um júri especializado de diretores escolhidos pela ABCA e uma hora de filmes estrangeiros (Mostra Internacional). Ambas possuem classificação indicativa de 12 anos.

Em Macapá, o Festival Imagem-Movimento (FIM) integra a rede de exibição do DIA como realizador local voluntário desde 2007, e ao longo desses doze anos de parceria o evento passou por diversos municípios, praças, aparelhos culturais e escolas. Este ano a Biblioteca Pública Elcy Lacerda recebe o evento, com entrada franca. Após a sessão acontece um bate-papo com o convidado Marcus Oliveira sobre Animação na Amazônia e perspectivas para o Amapá.

Marcus é graduado em Comunicação Audiovisual pela UNB. Pós-graduando em Gestão Cultural – cultura, desenvolvimento e mercado, pelo Senac. Editor e assistente de direção da série de animação “Icamiabas na Cidade Amazônia”, em exibição pela TV Cultura do Pará. Roteirista e editor da série “Brinquedonautas”, que estreia em 2019, na TV Brasil. Ambas do estúdio Iluminuras, de Belém/PA.

Confira a programação:

MOSTRA NACIONAL – Classificação indicativa 12 anos

Piconzé
Dir. Ype Nakashima
01’ (trecho do longa metragem) – 2D – 1972
Desde 2013, exibimos no início da Mostra Nacional um filme que faz parte da história da animação brasileira.
Nos 15 anos do DIA, a curadoria escolheu um trecho de Piconzé – primeiro longa-metragem colorido de animação produzido no Brasil, lançado em 1972.
SINOPSE: No pequeno vilarejo conhecido como Vila do Vale Verde vivem três grandes amigos: o jovem Piconzé, o papagaio Papo e o porco Chicão. Os três levam uma vida pacata e sossegada na pequena comunidade onde moram, mas, certo dia, tudo muda: Bigodão, um famoso bandido da região, ataca a cidadezinha e sequestra Maria, namorada de Piconzé, forçando os três amigos a partir em uma aventura cheia de perigos e emoções para resgatar a moça e derrotar Bigodão.

O Homem na Caixa
Dir. Ale Borges, Alvaro Furloni e Guilherme Gehr
19’ – Animação 2D no Computador
SINOPSE: Preso há décadas em uma prisão de segurança máxima, um velho mágico-escapista tenta reviver os seus dias de glória, colocando em prática um plano de fuga perfeito, mas também muito arriscado.

Millie
Dir. Israel Dilean
05’ 11” – 2D Digital e 3D Digital
SINOPSE: Um monstro nascido da briga de um casal entra no quarto da filha deles para atacá-la mas seu urso de pelúcia faz o que pode para protegê-la.

Insone
Dir. Débora Pinto e Breno Guerreiro
2’19” – Animação 2D digital full
SINOPSE: Dois irmãos estão brincando em seu quarto usando diferentes roupas e itens imaginários numa luta interminável que transcende tempo e passa de mundo em mundo.

Trip
Dir. Péricles Ianuch
2’44” – 2D
SINOPSE: Um rapaz entediado tem uma viagem que vai mudar sua vida.

La Loba
Dir. Julia de Macedo Nicolescu
03’09” – 2D Tradicional (digital) e cut-out
SINOPSE: Em meio a um deserto escaldante, uma velha xamã se prepara para um misterioso ritual recolhendo ossadas. Baseado no conto de Clarissa Pinkola Estés.

8 Patas
Dir. Fabrício Eduardo Rabachim, Gabriel Barbosa, Pietro Leonardo Nichelatti Nicolodi
02’ 25” – Computação Gráfica
SINOPSE: Ao receber uma visita inesperada, Beatriz se vê dentro de seu pior pesadelo. A aparição de uma pequena aranha transforma o conforto de seu lar em uma sucessão de desventuras, que provará que o maior perigo a enfrentar é o seu próprio medo.

Um Conselho Animador
Dir. Thiago Calçado
37”– 2D
SINOPSE: Um conselho para meu filhos.

Torre
Dir. Nádia Mangolini
18’ – 2D, Lápis sobre papel, Tinta sobre papel
SINOPSE: Quatro irmãos, filhos de Virgílio Gomes da Silva, o primeiro desaparecido político da ditadura militar brasileira, relatam suas infâncias durante o regime.

MOSTRA INTERNACIONAL – Classificação indicativa 12 anos

Los Aeronautas
Dir. León Fernández
11’ – Stop Motion – México
SINOPSE: Em meio ao deserto, uma tribo sobrevive com o pouco que dá na terra. Soo’goh, o mais débil do clã, tentará vencer os obstáculos para chegar aos pomares do paraíso que todos desejam.

Luminaris
Dir. Juan Pablo Zaramella
06’ – Stop Motion / Pixilation – 2011 – Argentina
SINOPSE: Num mundo onde a luz reina e marca o ritmo da vida, um homem comum tem um plano que pode mudar o rumo das coisas.

High Wool
Dir. Nikolai Maderthoner e Moritz Mugler
03’ – Stop Motion – 2013 – Alemanha
SINOPSE: Um duelo em uma cidade feita de cordas.

El Empleo
Dir. Santiago ‘Bou’ Grasso
06’ – 2D – 2008– Argentina
SINOPSE: Um homem faz seu trajeto habitual até trabalho, imerso em um mundo onde o uso de personas é algo cotidiado.

Serio
Dir. Ana Gusson
03’22” – 2D – 2016 – Canadá/Brasil
SINOPSE: Em uma pequena cidade, Felicio cria sua família e trabalha como um sapateiro tradicional, sempre muito sério. Um dia, Guri, seu filho mais novo, quebra sua rotina de trabalho e juntos descobrem uma paixão em comum e um jeito mais leve de ver a vida.

60 Segundos de Oscuridad
Dir. Pablo Conde
04’ – 2D– 2018 – Argentina
SINOPSE: Uma nevada misteriosa, uma cidade visitada pela Morte. A loucura e os limites do suportável trazem suas consequências de mãos dadas com o desespero.
60 Segundos de Oscuridad é uma homenagem à história em quadrinhos argentino “El Eternauta”, de Héctor Germán Oesterheld e Francisco Solano López. É uma adaptação de um fragmento do trabalho, interpretado a partir da linguagem da animação.

The short story of a fox and a mouse
Dir. Camille Chaix, Hugo Jean, Juliette Jourdan, Marie Pillier, Kevin Roger
06’14”– 3D– 2015 – França
SINOPSE: Uma raposa solitária caça um rato e o seu relacionamento muda quando duas corujas interferem na caçada.

Inercia
Dir. Becho Lo Bianco e Mariano Bergara
04” – Stop Motion – 2012 – Argentina
SINOPSE: A inércia é a força que faz com que todas as coisas se mantenham no estado em que se encontram. É a resistência a mudança. A inércia afeta todas as coisas, incluindo as pessoas.

Last Call
Dir. Sara Barbas
12”– 2D – Inglaterra/Portugal
SINOPSE: Catarina (uma gata) encontra sua velha paixão, Diogo (um cão) na fila para a inspeção das bagagens no aeroporto. A conversa entre os dois acaba se tornando constrangedora. Eles são interrompidos por pequenos acidentes resultantes das medidas de segurança do embarque, enquanto percebem um enorme erro do passado.

SERVIÇO:

15º Dia Internacional da Animação
Data: 28 de outubro
Hora: 19h
Local: Biblioteca Pública Elcy Lacerda
Classificação indicativa: 12 anos
Entrada franca

Fonte: FIM.

COBERTURA COLABORATIVA do 15º FIM

Arte: Rogério Araújo

Se ligaê! Tá afim de somar com a gente participando da cobertura do nosso lindo festival nas seguintes áreas: Fotografia, design gráfico, Edição de imagem, Repórter, Cinegrafista, edição de vídeo, Produção, som direto, Social media, texto….

Nos dias 28/10 (Dia da Animação), 24/11 (Mostra Esquenta), 2 a 8/12 (15º FIM) essa é a hora!

LINK PARA INSCRIÇÃO: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSefJ3zkxsO5OM12NjzG2KT-i302rVUV-1BN9CgTyA71X9WkqA/viewform?usp=sf_link

Fonte: Fanpage do FIM

MP-AP e Tjap lançam projeto “Cinema Legal” para as crianças de Laranjal do Jari

A Promotoria de Justiça de Laranjal do Jari e a Vara da Infância da Comarca do sul do Estado lançaram na terça-feira (9), o Projeto Cinema Legal, com a realização da primeira sessão de cinema para difundir a cultura e propiciar lazer às crianças das escolas públicas e envolvidas em projetos sociais do município. Participaram da abertura a coordenadora das Promotorias de Justiça de Laranjal do Jari, promotora de Justiça Samile de Brito, a promotora de Justiça substituta Amanda Uchôa, os juízes Zeeber Lopes Ferreira e Marina Lorena Lustosa Vidal, a secretária Municipal de Educação, Tanira Barbosa, e representantes da sociedade civil.

Nesta quinta-feira (11), no plenário do Tribunal do Júri do Fórum da Comarca de Laranjal do Jari, foi realizada a segunda sessão de cinema, das seis que estão programadas para o mês de outubro, quando é celebrado o Dia da Criança (12). As exibições serão realizadas duas vezes por semana, às terças e quintas-feiras, e a partir de novembro serão uma vez por semana, oportunizado a participação do maior número possível de estudantes do ensino fundamental.

“Laranjal do Jari não possui cinema. Por essa razão, nós do Ministério Público do Amapá (MP-AP) e os magistrados que atuam aqui na Comarca resolvemos desenvolver este projeto para oportunizar uma experiência cultural diferenciada para essas meninas e meninos, de maneira que possam adquirir conhecimentos e valores que poderão servir para a vida toda, de uma forma lúdica e prazerosa”, justificou Samile de Brito.

São exibidos filmes infantis escolhidos de acordo com a faixa etária das crianças convidadas, para 80 (oitenta) crianças, capacidade do Plenário do Fórum de Laranjal do Jari, local das exibições. Durante a sessão, é feita distribuição de pipoca e refrigerante. Ao final, as crianças recebem uma sacolinha com doces e uma atividade para casa, no sentido de expor suas impressões sobre o filme.

PROGRAMAÇÃO – Mês de outubro:

Dia 09/10, às 09h – Escola Municipal Aturiá e Casa de Apoio de Laranjal do Jari
Dia 11/10, às 09h – Escola Municipal Tereza Teles
Dia 16/10, às 09h – Escola Estadual Prosperidade
Dia 18/10, às 09h – Escola Estadual Santo Antônio
Dia 23/10, às 09h – Escola Municipal Marilza Nascimento
Dia 25/10, às 09h – Escola Municipal Terezinha Queiroga

SERVIÇO:

Gilvana Santos
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá
Contato: (96) 3198-1616
E-mail: [email protected]

Diretor de cinema amapaense estreia série Brasileiros S/A, no canal CINEBRASiLTV (SKY 157)

O amapaense Célio Cavalcante Filho estreia hoje (04/10) na direção da Serie Brasileiros S/A, no canal CINEBRASiLTV (SKY 157). A série será exibida hoje, a partir das 21h, no Scorpion Snooker Bar, localizado na Avenida Cora de Carvalho, Nº 1812.

Descrição: Retrata o Brasil através de profissões marginalizadas, que fazem refletir sobre as diferentes realidades, percepções e modos de vida dos brasileiros. Ao longo dos treze episódios, a série viaja por diversos estados brasileiros onde o contraste estende-se à diversidade das paisagens, do garimpo no interior do Pará ao sertão cearense, passando pela floresta amazônica no Amapá, a capital mineira Belo Horizonte até os cânions do rio grande do sul, e a urbana São Paulo. A cada episódio, um personagem apresentará seu dia a dia, suas dificuldades e alegrias.

Classificação Etária Indicativa: Livre
Ano de Produção: 2018
País de Origem: Brasil

Ficha técnica:

Direção: Célio Cavalcante Filho, Leo Rapini e Rafinha Bastos
Uma produção associada: Crazy Monkey e Amora Filmes
Produção executiva: Rosana Oda e Tânia Oda
Roteiro: Célio Cavalcante Filho e Leo Rapini
Narração: Rafinha Bastos
Argumento: Juliana Kuleza
Direção de produção: Carol Collyer
Edição: Célio Cavalcante Filho e Ícaro Reis
Trilha sonora: Leo Chermont
Direção de fotografia: Lucas Escócio e Regis Robles
Eletricista: Marivaldo Rocha
Pesquisa: Ana Chinelli, Ana Vidigal, Carol Collyer, Leonardo dos Anjos e Tânia Oda
Abertura: Fábio Sciedlarkzyc
Edição e mixagem de som: Rodrigo Ferrante, ABC (Mix estúdios)

Próximas apresentações:

Quinta-feira, 04/10/2018, 21h00: Motoboy
Sexta-feira, 05/10/2018, 21h00: Agente funerário
Segunda-feira, 08/10/2018, 21h00: Agricultor
Terça-feira, 09/10/2018, 21h00: Condutor-socorrista de ambulância

* Informação (texto) do cineasta amapaense Thomé Azevedo.

Clube de Cinema: 2º Circuito Cineclubista Fincar #EleNão

No conturbado momento histórico e político pelo qual a sociedade brasileira passa, a 2ª edição do circuito cineclubista do Fincar em Macapá acontece aderindo ao movimento #Elenão, que se posiciona contra “aquele” candidato à presidência e a ameaça que este representa a nossos direitos, nossa liberdade e a nossas vidas.

A seleção que será exibida no Clube de Cinema é composta por 06 curtas-metragens brasileiros de ficção e documental, todos dirigidos por mulheres. A mostra é uma iniciativa de resistência a todo tipo de intolerância e violência, um espaço de diálogo e de encontro de diferenças.

A sessão do Clube de Cinema compõe a programação do Ato Político Cultural que acontecerá na Pç. Floriano Peixoto a partir das 16h30 também no dia 29/09.

Serviço:

Clube de Cinema realiza 2º Circuito Cineclubista Fincar #EleNão
Data: 29/09/2018 (sábado)
Hora: 19h
Local: Biblioteca Pública Elcy Lacerda, localizada na Rua São José, Nº 1.800, centro de Macapá.
Entrada franca

O Escafandro e a Borboleta (resenha bacana do Lúcio sobre um filmaço)

 

Por Lúcio Costa Leite

Alguns filmes são experiências tão pessoais quanto desconcertantes, são diálogos e cenas que parecem, diametralmente, feitos e escritos como se propositalmente quisessem nos atingir. Esse é o caso do filme “O Escafandro e a Borboleta”, produção francesa dirigida por Julian Schnabel, que na época de seu lançamento, recebeu várias premiações.

O filme narra a história real de um editor da revista Elle, Jean-Dominique Bauby, após um derrame cerebral cuja conseqüência principal foi a perda de todos os movimentos do corpo, exceto o do olho esquerdo. O excepcional é que mesmo dentro das limitações físicas imprimidas pelo incidente, o protagonista da história conseguiu ditar um livro usando apenas o movimento do olho.

O filme tinha tudo para ser um drama-doença sobre alguém acometido por um AVC (Acidente Vascular Cerebral), mas a centra-se nas dificuldades de comunicação do protagonista, fazendo do filme um legítimo ensaio sobre a linguagem, o expressar-se.

O drama é angustiante, mas assinala um aprendizado para a reflexão das paralisias que nos assombram mediante as dificuldades O trecho abaixo é a transcrição de um dos monólogos do filme:

Hoje, sinto que minha vida é uma série de frustrações. Mulheres que não fui capaz de amar. Oportunidades que não soube avaliar. Momentos de felicidade que deixei escapar. Uma corrida cujo resultado eu conhecia de antemão, mas falhei em escolher o vencedor.Tenho sido cego e surdo ou os duros golpes me fizeram descobrir minha verdadeira natureza”.

Meu comentário: Este filme, muito bem descrito pelo meu amigo Lúcio, é uma lição de vida. Com um roteiro firme e sacadas incríveis do protagonista. O longa me fez pensar em quem nos ama de verdade, pois quando Jean-Dominique Bauby estava enfermo, quem se importou com ele foi sua ex esposa e não sua namorada (pivô de sua separação). O filme é lindo, eu recomendo.

Elton Tavares

Assista ao trailer do filme: 

Longa-metragem com Fernanda Vasconcelos e Zezé Motta será gravado no Amapá

Belezas turísticas no Amapá serão exploradas no filme ‘Amanda’ — Foto: Divulgação

Por Jorge Abreu

A partir de 2019, o longa-metragem “Amanda” será gravado no Amapá e vai explorar as belezas turísticas e áreas preservadas, por questões indígenas ou quilombolas. O enredo conta a trajetória de uma paulista envolvida em lutas sociais e o forte engajamento político.

“Amanda” tem a direção do amapaense Célio Cavalcante Filho, com roteiro original escrito por Diogo Mattos e Rodolfo Valente, que também atual nos papéis de Miguel e Eduardo, respectivamente.

A protagonista será a atriz Fernanda Vasconcelos, que já protagonizou as novelas Paginas da Vida, Malhação e Sangue Bom, na TV Globo. Também compõem o elenco Zezé Motta e Fábio Lago.

Segundo o diretor, a proposta é contrastar a realidade dos municípios amapaenses com uma grande metrópole, questionando o que é ser de fato evoluído e o real progresso, trazendo de volta alguns valores que se perderam na época onde se tem tão pouco tempo.

“O filme será rodado na cidade de São Paulo e em, pelo menos, seis municípios do Amapá, sendo 90% do filme se passa no estado. É a oportunidade de mostrar para o mundo um pouco da nossa gente e dos nossos valores, principalmente por estarmos no meio da Floresta Amazônica”, prevê.

Fernanda Vasconcelos, Rodolfo Valente, Fábio Lago e Zezé Motta — Foto: Divulgação

Sinopse

Em meio à crise política, a história quer mostrar um lado dos brasileiros no qual usam como armas as redes sociais e saem para as ruas em protestos na defesa de opiniões e lados, sem ouvir o outro, mas focados em pessoas preocupadas com o bem comum e que respeitam as diferenças.

Com anos de vivência na capital amapaense, Amanda retorna a São Paulo, cidade de origem, para fazer doutorado. Ao reencontrar velhos amigos, ela decide dar uma nova chance ao antigo namorado, Miguel. Ela retoma as lutas sociais e ao forte engajamento político.

Após um trágico acidente, Miguel e Eduardo, irmão da Amanda, partem para o norte do Brasil em busca de saber sobre as experiências da protagonista. No entanto, a viagem se torna o encontro com eles mesmos e antigos ideais, além do contato com o universo desconhecido da Floresta Amazônica, resgatando valores perdidos de um país que ainda pode dar certo.

Produção do filme na Fortaleza de São José, um dos cenários do filme — Foto: Divulgação

Produção

Um pré-levantamento da região para as gravações já chegou a ser feito, mas a pesquisa oficial só inicia a partir de janeiro de 2019. O processo será acompanhado por Célio Cavalcante Filho e o preparador de elenco Christian Duurvoort, responsável pelos filmes “Cidade de Deus”, “Trash” e “Ensaio sobre a cegueira”, com auxílio do produtor Thomé Azevedo.

Mais de 20 atores locais para papéis de linha de frente na história e cerca de 200 figurantes devem participar da obra. A escolha do elenco será através de chamadas públicas de testes. As filmagens estão previstas para acontecer entre junho e agosto do ano que vem. O orçamento do longa é no valor de R$ 4,3 milhões.

O lançamento ainda não tem data oficial definida. Segundo Cavalcante Filho, de imediato no filme e partir para todas as etapas de pós-produção aproveitando a janela dos festivais internacionais que iniciam as inscrições entre outubro do ano que vem e março de 2020. A primeira janela é composta de festivais internacionais, depois os festivais nacionais, e, então, o circuito comercial de cinema.

Fonte: G1 Amapá

Espetáculo no AP terá filme de Charles Chaplin com trilha sonora tocada ao vivo

Por Victor Vidigal

Assistir um filme de Charles Chaplin no teatro, com direito a trilha sonora ao vivo. Essa é a experiência que os macapaneses poderão ter nesta sexta-feira (14), no Teatro das Bacabeiras, no espetáculo audiovisual Cinepiano. A apresentação acontece pela primeira vez em Macapá, às 20h.

A ideia é que o público possa assistir ao clássico “O Garoto”, de 1921, interpretado por Charles Chaplin, acompanhado pela trilha sonora do pianista Tony Berchmans. A partir de músicas de própria autoria, ele busca criar um sincronismo com a narrativa emocional da história.

Pianista Tony Berchmans ficará responsável por tocar a trilha sonora do clássico “O Garoto” — Foto: Paulo Heise/Divulgação

O espetáculo, único do gênero no Brasil, existe desde 2010 e já realizou mais de 120 edições em países como Portugal, Inglaterra, Noruega, Itália e Romênia.

Berchmans, que é o próprio criador do espetáculo, é autor do livro “A Música do Filme – Tudo que você gostaria de saber sobre a música de cinema” e professor de pós-graduação em trilha sonora para cinema e tv.

O Garoto (The Kid, 1921)

O filme conta a história de uma mãe que está deixando um hospital de caridade com o filho recém-nascido. Sem condições de criar, a mãe coloca um bilhete na roupa da criança, pedindo para quem o achar cuide com amor e carinho do bebê. Com isso feito, a mãe deixa a criança no banco de trás de um carro luxuoso.

Serviço:

Cinepiano de Tony Berchmans no Teatro das Bacabeiras
Data: 14 de setembro (sexta-feira)
Local: Teatro das Bacabeiras – Rua Cândido Mendes, 1087 – Macapá
Hora: 20h
Entrada: R$ 40 (inteira) – R$ 20 (meia)
Ingressos: no link

Fonte: G1 Amapá

Circuito Sesc Amazônia das Artes 2018: hoje (15) rola Mostra de Cinema no Sesc Araxá

Nesta quarta-feira (15), a partir das 19h, rolará uma Mostra de Cinema no Sesc Araxá. Serão exibidos os filmes Meninx (PA) – Classificação 16 anos; Pandorga (MA) – Classificação 12 anos; Metempsicose (AC) – Classificação 10 anos; Romana (TO) – Classificação Livre; Carta Sobre o Nosso Lugar (AP) e o Documentário Açaí – O Petróleo do Amapá (AP) – Classificação livre. O evento integra o cronograma do Sesc Amazônia das Artes edição 2018, iniciado no último dia 3 e que irá até o dia 17 de agosto. A entrada será gratuita.

A vasta programação cultural, realizada pelo Sistema Fecomércio, por meio do Sesc Amapá, acolhe o circuito que integra 17 produções culturais de teatro, música, dança, circo, cinema, exposição, oficinas, artes audiovisuais, intercâmbio cultural, com o objetivo de promover e divulgar as produções culturais da região amazônica.

Amazônia das Artes

Pensada como uma estratégia, baseada nas políticas culturais do Sesc, para fomentar a produção artística amazônica e ser mecanismo para a desconstrução de fronteiras geográficas e culturais que dificultam a circulação de obras de arte por esta região, o projeto difunde trabalhos nas linguagens artes visuais, intervenção urbana/performance, artes cênicas, audiovisual, literatura, audiovisual e música. Além das apresentações, os artistas se encontram para compartilhar experiências e técnicas ou para participar das inúmeras oficinas ministradas pelos artistas em circulação para ampliar o contato com o público de onde estiverem. Em 10 anos foram realizadas mais de 1.500 apresentações com 700 artistas dos estados Acre, Amazonas, Pará, Roraima, Rondônia, Mato Grosso, Maranhão, Amapá, Tocantins e Piauí.

Serviço:

15/08 – Quarta-feira
Mostra de Cinema
19h – Salão de Eventos Sesc Araxá
Entrada Franca

Assessoria de comunicação do Sesc/AP

Meia-Noite em Paris – (Midnight in Paris)

Hoje assisti novamente o filme “Meia-Noite em Paris”, que foi reprisado pela Rede Globo nesta madrugada. A primeira vez que vi essa obra prima do cinema foi em 2012. Entre todas as coisas muito legais do longa, contextualizei o saudosismo e a insatisfação que Gil Pander (Owen Wilson), o protagonista roteirista conceituado em Hollywood, que almeja se tornar um grande escritor, sente. Além de ser uma viagem literária, as imposições da família da sua noiva, Inez (Rachel McAdams) e a vontade do cara de ser feliz do jeito que ele são coisas muito familiares.

Que o Woody Allen é gênio, todos sabemos. Mas o neste filme, que é uma declaração de amor à Cidade Luz, como é conhecida a capital francesa, ele arrebentou. Apesar de inteligente, o longa não enche o saco com intelectualismo chato. Aliás, possui diálogos simples para uma obra que possui muita cultura em suas conversações.

Como todo ser inquieto que precisa escrever, Gil é da madrugada. Após boas doses de vinho, Ele viaja pelo tempo através de um carro antigo sempre em um ponto de Paris todas as noites. Lá encontra seus ídolos da Literatura e personagens marcantes da Cultura mundial, como Salvador Dali, Pablo Picasso, Cole Porter, F. Scott Fiztgerald e Ernest Hemingway. No filme, Gil anda pelas velhas ruas de Paris, seus locais badalados e frequentados pelas ilustres personalidades dos anos 20.

O escritor encontrar-se com seus ídolos literários e artísticos que já estão mortos, com que debater literatura e arte, além de ter seu livro lido e criticado por Gertrude Stein (Kathy Bates).

Entre os papos legais que rolam no filme, Ernest Hemingway diz a Gil Pander: “Não gosto de textos ruins e quando leio escritos melhores que os meus, sinto inveja e não gosto também”. Paid’égua!

Meia-Noite em Paris nem de longe lembra um enlatado hollywoodiano, nem um romance água com açúcar. Acho que quem gosta de filmes europeus e não assistiu ao longa metragem, vai curtir o filme.

O mais legal na história é que Pander enche o saco de Inez (cheia de vontades e chatices) e de seus pais, John (Kurt Fuller) e Helen (Mimi Kennedy), que não escondem a antipatia pelo cara. Ele resolve pagar o preço, arrisca e no final dá tudo certo. Tudo por uma vida menos ordinária.

Pander se aventura em uma autorreflexão e consegue resolver suas crises existenciais, além de descolar um novo amor, (afinal, “fazer por merecer” é mais que um ditado, é uma lei da vida). Tudo isso com uma trilha sonora espetacular.Um filme agradável, que faz você pensar que é sempre certo fazer o que lhe aprazia. Não sei qual seria a minha viagem no tempo, mas certamente eu saberia aproveitá-la, afinal, ser escritor é um daqueles sonhos que não envelhecem. Para quem não assistiu, recomendo!

Elton Tavares

Trailer do filme: 

Como Mestre Yoda falar devemos, mas falar assim fácil não será!

Yoda, o grande mestre Jedi, é uma das figuras mais marcantes da cultura pop. Mestre Yoda foi um guerreiro extraordinário da Ordem Jedi mas, acima de tudo, um professor que marcou gerações de fãs da saga. Seus pensamentos filosóficos foram ensinamentos emblemáticos do cinema, e ensinaram muito a Luke e ao público sobre disciplina, dedicação máxima e a Força.

Yoda falava uma versão incomum do Básico. Ele usualmente colocava os verbos (principalmente verbos auxiliares) após o objeto e do sujeito (um formato objeto-sujeito-verbo).

Cheguei à conclusão que seria muito mais prático se falássemos todos como o Yoda, colocando a ideia central – o que interessa – no início da frase, e o sujeito no final. Muito mais simples seria, se todos os Humanos assim falassem. Prática esta ideia irão achar. Resistentes a esta sugestão não devem ser, uma maior compreensão dos assuntos as pessoas iriam atingir.

Exemplos de fala de Yoda:

“Quando 900 anos você tem, ter aparência boa difícil é”.

“Aliada minha é a Força. E poderosa aliada ela é.”

“Por 800 anos treinei eu jedi. A mim decidir cabe quem treinado deve ser. Um Jedi precisa um profundo compromisso ter. A mente mais séria.”

“Iniciada, a Guerra dos Clones está.”

“A tempestade está piorando, temo eu.”

“Em um estado sombrio nós nos encontramos… um pouco mais de conhecimento iluminar nosso caminho pode.”

“O medo é o caminho para o Lado Escuro. O medo leva à raiva, raiva leva ao ódio; ódio leva ao sofrimento. Eu sinto muito medo em você.”

“Gelada, esta cerveja está!”

“Comigo cabreiros eles ficaram.”

Se expressar assim legal é e como Mestre Yoda falar devemos, mas fácil não será!

Estranheza, sentem vocês? Fácil é a adaptação, achar isto vocês irão em breve. Mais divertidas as conversas se tornariam, mais cedo o assunto perceberíamos e reduzida a especulação seria, muitas discussões desnecessárias evitar-se-iam assim. Pensar nisto devem vocês, mais prático, direto e interessante seria, não concordam vocês comigo?

Que a Força esteja conosco!

Clube de Cinema exibe o filme “Fernando”, neste sábado (28), na Biblioteca Pública Elcy Lacerda

Neste sábado (28), às 19h, na Biblioteca Pública Elcy Lacerda, o Clube de Cinema exibirá o filme “Fernando”. A sessão terá entrada franca.

Sinopse

FERNANDO: Misturando realidade e ficção, o professor e artista Fernando, um brasileiro de 74 anos, é provocado a interpretar sua própria vida e rotina. E, mesmo passando por um momento em que sua saúde está gravemente abalada, toca o seu cotidiano e projetos artísticos sem interrupção.

FERNANDO é um dos longas selecionados pela curadoria da Mostra do Filme Livre, inéditos ou com circulação bastante restrita, para melhor aprofundar a discussão sobre as possibilidades do “filme livre” no cinema brasileiro de hoje, destacados pelo seu caráter de exceção e pelo debate que podem gerar. Imperdível!

Assista ao trailer do filme: 

Serviço:

Clube de Cinema exibe o filme Fernando
Data: 28/07/2018 (sábado)
Hora: 19h
Local: Biblioteca Pública Elcy Lacerda, localizada na Rua São José, Nº 1.800, centro de Macapá.
Classificação indicativa: 16 anos
Entrada franca