Projeto de audiovisual em escolas do Amapá precisa de votos populares para conseguir financiamento de edital

O projeto Cine Perifa, desenvolvido no Estado do Amapá, está entre os 100 selecionados de um total de mais de 2 mil inscritos no Edital do “Movimento Bem Maior”. O certame visa apoiar projetos de ONGs e Coletivos de todo Brasil e, assim, possibilitar financeiramente as suas execuções. A seleção nessa primeira fase do projeto amapaense os habilitou a passar para a próxima etapa de votação popular.

Para votar só é necessário fazer o cadastro no site do Movimento Bem Maior (https://movimentobemmaior.org), confirmar a inscrição via e-mail e votar no projeto CINE PERIFA. As inscrições vão até o dia 14 de julho (domingo), qualquer pessoa pode participar.

O Cine Perifa é o único projeto do Amapá entre os 100 selecionados. Desse número, os 50 mais votados receberão o patrocínio para a sua realização. De acordo com a idealizadora da iniciativa, “essa é a oportunidade de investir em equipe, estrutura e logística para atender aos demais municípios do estado do Amapá”, explicou Jhenni Quaresma.

O projeto amapaense

O projeto iniciou no ano de 2015, a partir do trabalho desenvolvido pela jornalista e fotógrafa Jhenni Quaresma, quando a mesma ministrava oficinas de fotografia e cinema em escolas públicas de Macapá. Em 2016, foi montada uma pequena equipe, onde foram definidos os caminhos da iniciativa que levou o nome de “Cine Perifa”.

O objetivo é ofertar aos professores e estudantes de escolas públicas das periferias de Macapá formação em audiovisual, permitindo assim que trabalhem o cinema dentro da sala de aula em conjunto com outras disciplinas. Além de permitir uma nova forma de contar suas histórias.

Ainda em 2016, o grupo obteve o apoio da Universidade Federal Fluminense (UFF) através da II Chamada Pública do Inventar com a Diferença, o que permitiu a aquisição de equipamentos e a manutenção do projeto até o início de 2018.

Daniel Alves
Assessor de Comunicação
(96) 98131-8844

Exibição de filmes marca Semana Mundial Sem Carne em Macapá

Campanha nacional é organizada pela Greenpeace, Sociedade Vegetariana Brasileira e Mercy for Animals.

Por Jorge Abreu

Como parte da campanha Semana Mundial Sem Carne, uma programação com exibições de curtas-metragens, debates e degustações de comidas veganas será realizada na sexta-feira (21), em Macapá.

O evento nacional é promovido pelas ONGs Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), Mercy for Animals e Greenpeace, com objetivo de discutir e divulgar os principais pontos abordados pelo veganismo.

Além disso, a programação busca levar reflexões voltadas para meio ambiente, como os impactos negativos provocados pela pecuária, desmatamento de florestas, poluição, aquecimento global, entre outros.

Na capital amapaense, o evento acontece entre 15h45 até 17h45, na escola de idiomas Yázigi, que fica localizado na Avenida Clodóvio Coelho, nº 222 – bairro Trem. A entrada é gratuita e qualquer pessoa pode participar.

Semana Mundial Sem Carne

Apesar do nome, a proposta da campanha não é focada somente na restrição alimentar e sim no veganismo, que um movimento social e político a respeito dos direitos animais, por questões éticas e também pela sustentabilidade.

É a primeira vez que a SVB, Mercy for Animals e Greenpeace se juntam para realizar um programação para abordar a causa. Eventos similares acontecem em vários estados do Brasil.

InterAmazônias: filme mostra ancestralidade das música tradicional do Amapá e da Guiana Francesa

Será lançado nesta quarta-feira (19), às 9h30,  o documentário “ interAMAZÔNIAS – uma fronteira musical”. O Filme é resultado de dissertação de mestrado que visa mostra como a criatividade e a vitalidade da música tradicional do Amapá e da Guiana Francesa ajudaram a manter uma herança ancestral africana que ainda está muito presente. O mesmo tem a duração de 1h30min e será apresentado em uma sessão aberta ao público no Cine Imperator do Vila Nova Shopping.

O filme inicia trazendo o conceito de fronteira não como fim ou inicio de um território, mas como lugar de junção, sendo abordado em uma perspectiva da interação, um ponto de contato entre culturas distintas que estabelecem trocas e se reconhecem pelas particularidades que essas culturas carregam.

“A criatividade e a vitalidade da música tradicional do Amapá e da Guiana Francesa ajudaram a manter uma herança ancestral em que o passado africano ainda está muito presente. A origem de algumas danças e ritmos de “tambor”, que remontam à escravidão, alimentou a base para novos ritmos que marcam a música tradicional e contemporânea que se toca nessa parte da Amazônia.Norteou essa pesquisa o conceito de Geograficidade cunhado por Eric Dardel, o qual expressa a natureza geográfica da consciência do indivíduo de ser e estar no mundo, e seus diálogos com o lugar e a paisagem. É com essa perspectiva que usamos a música como aporte para compreender as representações da geograficidade amazônida expressa nas músicas tradicional e contemporânea do Amapá e da Guiana Francesa. Desta forma, abordamos essa parte da Amazônia pelo viés cultural, ou seja, a maneira como ela é vista através de atores que a constroem, em especial os grupos musicais tradicionais, compositores e cantores“, explicou Clícia de Miceli.

O mesmo trata a fronteira como lugar fecundo, área privilegiada onde se estabelecem empréstimos. Em seguida, é apresentado os ritmos tradicionais Batuque e o marabaixo do Amapá e o KANMOUGWÉ e GRAJÉ da Guiana Francesa.

Na sequência, a abordagem é sobre a música contemporânea encenada pelos compositores e cantores que trazem em sua obra a leitura dessa amazonidade. No filme, tradição e contemporaneidade não aparecem como pares opostos, mas como elementares e complementares.

“O filme inicia trazendo o conceito de fronteira não como fim ou inicio de um território, mas como lugar de junção, sendo abordado em uma perspectiva da interação, um ponto de contato entre culturas distintas que estabelecem trocas e se reconhecem pelas particularidades que essas culturas carregam. Tratamos a fronteira como lugar fecundo, área privilegiada onde se estabelecem empréstimos. Em seguida, apresentamos os ritmos tradicionais BATUQUE e o MARABAIXO do Amapá e o KANMOUGWÉ e GRAJÉ da Guiana Francesa; e na sequência, a abordagem é sobre a música contemporânea encenada pelos compositores e cantores que trazem em sua obra a leitura dessa amazonidade. Aqui, tradição e contemporaneidade não aparecem como pares opostos, mas como elementares e complementares. Nesse caso, a tradição, o substrato de base que a música contemporânea absorve e reinventa, representa uma música que está sendo feita no momento histórico em que vivemos: é a música do agora e marca da identidade musical transfronteiriça do Amapá e da Guiana Francesa”, finalizou Clícia.

Serviço:

Exibição do documentário InterAmazônias: filme mostra ancestralidade das música tradicional do Amapá e da Guiana Francesa

Dia: 19/06 (Quarta-feira)
Hora: 9h30
Local: Cine Imperator do Vila Nova Shopping
Endereço: Avenida Presidente. Vargas, 271 – Central

Entrada: FRANCA.

Assessoria de comunicação

Sesc AP realiza a 2ª edição da Mostra Sesc de Cinema com a apresentação de curtas e longas-metragens de todas as regiões do Brasil.

O evento será nos dias 17 a 19 de junho, a entrada será gratuita.

O Sistema Fecomércio AP, por meio do Sesc Amapá promove a 2ª edição da Mostra Sesc de Cinema, que ocorrerá nos 17 a 19 de junho, em duas sessões, às 09h e 15h, com entrada gratuita. A abertura da Mostra será no Cine Imperator e a programação segue no Sesc Araxá na Sala de Audiovisual. O evento tem como objetivo promover a difusão de obras cinematográficas que estão fora do mercado exibidor brasileiro.

Com representantes das cinco regiões do país, o evento procura democratizar o acesso da população a uma filmografia que expresse a diversidade da produção nacional contemporânea. O Sesc selecionou 34 filmes para compor a Mostra Sesc de Cinema 2018, que será exibida este ano. Os 27 curtas e 07 longas, escolhidos entre 1.061 filmes inscritos, serão exibidos em todo o Brasil.

Representando a região norte estão os curtas: Dom Kimura–Manaus (AM), 2015; A História De Zahy-Belém (PA), 2017; Romana – Palmas (TO), 2017; Metempsicose Rio Branco (AC), 2017. As obras que compõem essa Mostra foram definidas por uma comissão formada por profissionais do Sesc e especialistas das áreas de cultura e cinema.

Serviço:

Sesc Amapá
Coordenadoria de Comunicação e Marketing
E-mail: [email protected]
Fone: (96)3241-4440 (ramal 235)
Site: www.sescamapa.com.br

Com entrada gratuita, Mostra Sesc de Cinema será nos dias 17 a 19 de junho

O Sistema Fecomércio AP, por meio do Sesc Amapá promove a 2ª edição da Mostra Sesc de Cinema, que ocorrerá nos 17 a 19 de junho, em duas sessões, às 09h e 15h, com entrada gratuita. A abertura da Mostra será no Cine Imperator e a programação segue no Sesc Araxá na Sala de Audiovisual. O evento tem como objetivo promover a difusão de obras cinematográficas que estão fora do mercado exibidor brasileiro.

A História De Zahy’ é uma das produções na competição — Foto: Divulgação

Com representantes das cinco regiões do país, o evento procura democratizar o acesso da população a uma filmografia que expresse a diversidade da produção nacional contemporânea. O Sesc selecionou 34 filmes para compor a Mostra Sesc de Cinema 2019, que será exibida este ano. Os 27 curtas e 07 longas, escolhidos entre 1.061 filmes inscritos, serão exibidos em todo o Brasil.

Filme ‘Desvios’ é um dos selecionados na Região Sul — Foto: Divulgação

Representando a região norte estão os curtas: Dom Kimura–Manaus (AM), 2015; A História De Zahy-Belém (PA), 2017; Romana – Palmas (TO), 2017; Metempsicose Rio Branco (AC), 2017. As obras que compõem essa Mostra foram definidas por uma comissão formada por profissionais do Sesc e especialistas das áreas de cultura e cinema.

Clique aqui e veja quais são os filmes da Região Norte

Clique aqui e veja quais são os filmes da Região Nordeste

Clique aqui e veja quais são os filmes da Região Sudeste

Clique aqui e veja quais são os filmes da Região Sudeste

Serviço:

Sesc Amapá
Coordenadoria de Comunicação e Marketing
E-mail: [email protected]
Fone: (96)3241-4440 (ramal 235)
Site: www.sescamapa.com.br

Um grande passo para o mercado audiovisual amapaense

O diretor do telefilme, Marcus Oliveira, afirma que a obra é a oportunidade do amapaense se reconhecer nas telas. Foto: Arquivo Super Panc Me

Por Jamily Canuto e Mônica Peixoto

Em 2016, a Agência Nacional de Cinema (Ancine) realizou uma chamada pública para que produções audiovisuais de todo país pudessem concorrer ao Fundo Setorial Audiovisual (FSA), um dos recursos mais importantes do país nesta área. A partir desta chamada, o Governo do Estado do Amapá teve iniciativa de realizar uma parceria com a Ancine, buscando incentivar o cinema amapaense e fomentar a economia local gerando empregos por meio de produções audiovisuais. Assim, foi lançado em 2017 o Primeiro Edital de Audiovisual do Amapá. Doze projetos foram selecionados para serem patrocinados. O valor destinado ao edital foi três milhões de reais. Do total, um milhão foi investido pela Secretaria de Estado e Cultura (Secult) e dois milhões, pela Ancine.

Duas das exigências que constavam no edital era que 90% da produção fosse locada no Amapá e que 80% da equipe contratada fosse amapaense, residente no estado por no mínimo, um ano. Desta maneira, o projeto cumpriria o objetivo de gerar emprego no Amapá.

Ana Vidigal, gerente do Núcleo de Produção Digital (NPD)

Para Ana Vidigal, gerente do Núcleo de Produção Digital (NPD), regente do edital, esta iniciativa “dobra uma esquina transformadora, que possibilitou o realizador olhar o audiovisual como um mercado, como um setor da economia”. Ela explica que esta é a primeira vez em que o desenvolvedor de audiovisual, no Amapá, tem um recurso no banco que garanta a produção de sua obra, incluindo o Microempreendedor Individual (MEI).

“Nós temos o fundo setorial, temos uma agência, um mercado. Além disso, somos uma área da cultura que mais agrega. Você não faz um filme sem pensar na costureira, no cozinheiro, no músico, entre outros profissionais”, ressalta Vidigal.

Um dos projetos selecionados foi o Super Panc Me, um telefilme (filme para televisão) de ficção, com direção e roteiro do cineasta Marcus Oliveira, proposto pela Castanha Filmes. Para o diretor, “a experiência de realizar uma ficção na cidade com possibilidade de estrutura é uma bênção: é a possibilidade de colaborar para a construção cultural do nosso povo”.

Ele salienta que seu filme faz parte da primeira geração de obras ficcionais de uma indústria cultural que gera emprego e distribuição de renda, além de representatividade da cultura amapaense. “É o momento do amapaense se reenxergar nas telas, se reconhecer e se ressignificar. De vislumbrar outras possibilidades de realidade a partir do que se vive aqui no Estado. E esse momento só é possível graças ao histórico de produção voluntária, amadora, apaixonada e de resistência dos últimos anos”, declara Marcus Oliveira. Ana Vidigal lembra que desde quando se mudou para Macapá, há dezoito anos, os profissionais do audiovisual buscam o desenvolvimento do setor.

A gerente do NPD esclarece que dos doze projetos selecionados no edital, nove foram financiados com o valor de um milhão de reais disponibilizado pelo Estado e que tiveram o recurso depositado em conta bancária. Todos estes filmes enquadram-se em telefilmes e/ou curtas-metragens. A partir do pagamento, as produções teriam doze meses para serem concluídas. O telefilme de ficção Super Panc Me, teve as últimas gravações finalizadas em abril deste ano. Os outros três filmes, que são longa-metragens, dividiram os dois milhões de reais disponibilizados pela Ancine.

Sobre a produção Super Panc Me e a importância do tema abordado

O telefilme é uma releitura do documentário Super Size Me, dirigido por Morgan Spurlock (2004). Na trama original, o personagem principal é o próprio diretor, que registra em vídeo trinta dias da sua vida comendo apenas comidas de fast food da rede McDonald’s. Ele mostra todas as transformações pelas quais seu corpo passa consequentes da rotina alimentar, desde as mudanças no peso, até a constante sensação de exaustão.

Em Super Panc Me, uma garota decide fazer um documentário sobre sua rotina alimentar assim como Spurlock. Mas invés de McDonald’s, ela passa a se alimentar de Plantas Alimentícias Não-Convencionais (Panc). A expressão Panc foi assinalada pelo botânico, professor e pesquisador Valdely Ferreira Kinupp em sua tese de doutorado em fitotecnia (técnica de estudo das plantas) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Panc é o acrograma para Plantas Alimentícias Não-Convencionais, que são plantas de potencial alimentício, mas pouco conhecidas pela maioria das pessoas. Algumas já estão prontas para consumo, outras necessitam de um processo de cozimento. De acordo com Kinupp, muitas plantas/ervas espontâneas, as chamadas “daninhas” ou “inços”, são alimentícias, porém estão em desuso por grande parte da população, consumidas geralmente em pequenas regiões e cultivadas em escalas domésticas por produtores que conhecem sua funcionalidade.

Em 2014, o pesquisador Valdely Ferreira lançou o livro “Plantas alimentícias não-convencionais (PANC) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas”. Na obra são listadas mais de 300 espécies de plantas comestíveis. Em Macapá já foram cadastradas mais de 30 espécies, entre elas a “Maria Pretinha”, uma planta com uma frutinha roxa, que é a parte comestível. Outros exemplos são a papoula vermelha e a própria Vitória-régia que contém fruto alimentício.

Enquanto Morgan Spurlock quis fazer uma crítica aos hábitos alimentares de sua geração, que ingeria excessivamente comida de fast food, reflexo da falta de tempo para aguardar o preparo de pratos mais balanceados, Marcus Oliveira quis trazer à tona a discussão sobre outras maneiras de se alimentar.

“O projeto partiu de pesquisas que faço sobre formas alternativas de alimentação e identificação botânica. Juntei a prática audiovisual e a necessidade de se discutir soberania alimentar nos territórios urbanos da Amazônia para elaborar o filme. A ideia surgiu num período em que estava assistindo muitos documentários sobre consciência alimentar, como Cowspiracy, What the Health, O veneno está sobre a Mesa, Food Mais”, explica Marcus.

A soberania alimentar conceitua-se no direito das sociedades de escolher o que produzir, como produzir e para quem produzir. É o direito dos povos de produzir seu próprio alimento, de definir políticas próprias de produção sustentável, distribuição e consumo de alimentos, garantindo alimentação à toda população, tendo em vista suas prosódias culturas e diversidades.

Em contraponto ao conceito de soberania alimentar, temos a segurança alimentar que consiste no direito da população ao acesso habitual e perdurável a alimentos de boa qualidade e em quantidades suficientes, sem comprometer qualquer outra necessidade básica. Além disso, deve-se basear em práticas alimentares saudáveis, respeitar as diversidades culturais e manter ambientes ambientais, sociais, culturais e econômicos sustentáveis.

A soberania alimentar é uma proposta alternativa de produção e consumo, visando estabelecer que se esses meios estão sob “domínio” do povo, não devem subordinar-se a vontades governamentais ou de empresas privadas. Já a segurança alimentar defende o modelo de produção e consumo, e o define como fundamental para garantir a segurança alimentar e nutricional a quem ingere, produz e distribui o alimento, além de garantir segurança e respeitar o meio ambiente, de onde são retirados os alimentos.

O diretor da obra ressalta que embora o centro irradiador do filme sejam as Panc, tema que diariamente ganha a devida importância, por se tratar de soberania alimentar em um país que vem perdendo acesso a alimentação de qualidade, “o filme também trata de realização audiovisual, conexão com a natureza, relações pessoais, ocupação e violência urbana, comportamentos abusivos, assuntos que podem contribuir para discussões sobre os contextos sociais que vivenciamos em Macapá e na Amazônia brasileira”.

Produzindo em Macapá…

Todas as cenas do telefilme foram gravadas no Estado. Na capital Macapá, os bairros Renascer, Trem, Marabaixo 2, Baixada Pará, Centro, Perpétuo Socorro e Santa Rita viraram cenário da história. Além da Área de Preservação Ambiental (APA) da Fazendinha e o Raízes do Bolão, no bairro Curiaú. Uma loja de confecções e o centro de Santana também foram parte das filmagens.

A seleção dos integrantes do filme também priorizou a escolha de profissionais locais. Para a seleção dos atores, foi realizada uma chamada pública por meio das redes sociais, além de convites diretos a atores e aspirantes. De acordo com informações da produção, mais de 70 pessoas se inscreveram, 32 pessoas realizaram o teste e o elenco foi fechado com 16 atores e atrizes, com 4 pessoas compondo o elenco principal.

Depois de selecionados, os artistas participaram de uma dinâmica em grupo, que aconteceu no espaço externo do Museu Sacaca. Após a dinâmica, cada um passou por um teste gravado individual. Ao final desse período, o diretor Marcus Oliveira juntamente com a equipe de produção, escolheram cada personagem baseado nos currículos, nos testes e nas entrevistas.

Ariane da Silva Pereira, ou apenas Hary Silva (nome artístico), interpreta a protagonista do telefilme. A atriz de 18 anos, revela que ficou sabendo do teste de elenco pelas redes sociais, mas não se encaixava no perfil procurado, já que pediam uma jovem entre 20 e 22 anos e ela só tinha 17 na época. Porém, depois recebeu um convite do próprio diretor e acabou conquistando a vaga, e interpreta a personagem Gabriela Iana, carinhosamente apelidada de “Gaia”.

Hary Silva é atriz há sete anos e em 2018 se formou em Técnica em Produção Audiovisual. Ela já participou de outras produções, mas que não foram concluídas. Esse foi o seu primeiro trabalho como protagonista, e ela garante ter sido um sonho realizado, especialmente por se tratar de uma produção regional. “O interesse de participar de qualquer produção aqui no Estado enche os olhos de qualquer ator local. Comigo não foi diferente. Além de tudo, eu amo minha profissão, tenho maior prazer em ser atriz, oportunidade de trabalhos assim, não podem ser desperdiçadas”.

A atriz ainda ressalta a importante mensagem que o filme traz em seu enredo, sobre uma alimentação mais saudável. “A importância do filme é ímpar, é visível. Ele vem realmente para conscientizar a gente sobre novas formas de alimentação. As PANCs são plantas alimentícias não convencionais, e ele quer mostrar para a gente que há alimento no nosso quintal, na rua… O filme passa uma realidade que nos traz mais saúde”.

A estreia de Super Panc Me está prevista para julho deste ano, na Tv Cultura do Pará. O edital exigia que ao apresentar a documentação para concorrer ao FSA, os grupos de audiovisual deveriam entregar também o comprovante de licenciamento para exibição em canal de televisão. Porém, o Estado foi quem articulou a licença junto da Tv Cultura. “Por ser o primeiro edital, nós percebemos que os nossos realizadores ainda não têm essa expertise, nunca vivenciaram esse processo de licenciamento de uma obra. É importante pontuar que a Tv Cultura licenciou cem por cento das obras. É muito difícil um estado conseguir isso”, explica Vidigal.

A Secult, junto do NPD e do Museu da Imagem e do Som (MIS) está organizando uma grande festa de lançamento das nove obras financiadas com o recurso do Governo do Estado, prevista para 29 de junho.

Fonte: Revista Digital Tajá

Rocketman: um filme PHODA!

Amo Rock e Cinema. Quando essas duas coisas estão juntas então, é muito porreta! Rocketman, lançado no final de maio de 2019, conta a história do icônico cantor e compositor Elton John. A cinebiografia é linda, emocionante e prende quem a assiste do início ao fim, de uma forma muito paid’égua!

Nunca fui um fã declarado de Elton John, mas sempre soube que ele é um artista ímpar e também curto muito algumas de suas canções a vida toda (assim como Phil Collins e Bruce Springsteen, outros dois caras fodas que não escuto sempre, mas dou valor).

Dirigido por Dexter Fletcher, a película teve produção direta de Elton John, interpretado de forma brilhante pelo ator Taron Egerton. Com trilha que que reúne os sucessos do astro britânico, o longa é fantástico! A forma que as canções do astro são cantadas é um espetáculo a parte.

A extravagância, solidão, vício, luxúria, tristeza, raiva, depressão, alegrias, sucesso astronômico, absurdo talento, enfim, todos os problemas e glórias na vida de Elton John são contados de forma sensacional. O filme fala de parte da vida com a falta de amor, do excesso de genialidade, problemas familiares, homossexualidade e do ser humano que o protagonista é. A história também fala de superação e amizade sincera (com Bernie Taupin, compositor e parceiro interpretado pelo ator Jamie Bell).

Rocketman revisita a história de Elton desde que ele o pianista mirim autodidata, Reginald Dwight (nome original de Elton John), um geniosinho da música e todos os seus traumas crescem junto com seu talento. Em contra ponto, o filme também mostra o artista com um baita cara, é performático, divertido e gente boa, apesar de várias situações escrotas de sua vida, boa parte delas culpa do ex-empresário (Richard Madden). A direção de arte e o figuro são outros pontos fortes do filme, elementos que enriquecem a película.

O mais firme na trama é o fato de Elton John não ter minimizado ou maquiado seus excessos. A narrativa escolhida para discorrer sobre o homossexualismo, abuso de álcool e outras drogas do músico é elegante e diferente de qualquer outra coisa do cinema.

Mesmo de forma lúdica, o filme conta como Elton vai de encontro ao seu passado, encontra e exorciza seus fantasmas e se reinventa, tão ou mais brilhante quanto antes. O artista se descortina e mostra os detalhes de cagadas em série e momentos de pura magia musical.

O filmaço é realmente do homem foguete, pois Elton é um fenômeno musical, visual e, agora, cinematográfico. Tomadas, roteiro, jogo de câmeras, contextualização das músicas com a história são um espetáculo que somente poderiam ser fruto da história de um cara como Elton.

 

Como disse lá no início desta resenha, nunca fui um fã declarado de Elton John. Quer dizer, não era. Conhecia umas 15 músicas, mas não paro de escutar as canções do inglês desde a última sexta-feira (31), quando assisti e me emocionei com Rocketman, um filme realmente PHODA!

Elton Tavares

Ficha técnica:

Data de lançamento 30 de maio de 2019 (2h 01min)
Direção: Dexter Fletcher
Elenco: Taron Egerton, Jamie Bell, Richard Madden mais
Gêneros Biografia, Comédia Musical
Nacionalidade Reino Unido

Trailer do filme:

“About Time” (“Questão de Tempo”) – Resenha desse filme sensacional!

tumblr_inline_n2mzj4KAgV1qdklna

Nessa madrugada, assisti novamente ao filme “About Time” (“Questão de Tempo”). Um misto de romance, comédia e drama que me fez rir e me emocionar (deu aquele suor nos olhos). Com história fantástica, roteiro sensacional, viagens temporais e trilha agradável, o filme me lembrou experiências tão pessoais e ao mesmo tempo. O longa possui 2h03, mas você nem vê a hora passar, de tão leve e legal que é a película. Ah, a primeira vez que vi esse filmação foi em 2016.

A trama começa com Tim Lake (Domhnall Gleeson), que, ao completar 21 anos, seu pai (Bill Nighy) revela que os homens de sua família possuem o poder de viajar no tempo. Basta ir para um local escuro e pensar na época e no lugar aonde deseja regressar.

Desajeitado, Tim leva toco de uma amiga de sua irmã (Lydia Wilson), a engraçada e louca varrida Kit Kat e decide mudar pra Londres (ele morava numa cidadezinha da Inglaterra). Na capital inglesa, começa a advogar e conhece Mary (Rachel McAdams). O cara se apaixona perdidamente pela linda e espirituosa, que é fã de literatura e literatura.

about.time.cb2O enredo não foca na viagem do tempo, muito menos é uma comédia romântica água-com-açúcar. E longe de um dramão lacrimejante (mas confesso que os ninjas cortadores de cebola ficaram perto de mim em alguns momentos).

Assim como nos também ótimos filmes “Donnie Darko” e “Efeito Borboleta”, Tim descobre que viajar no tempo e alterar o que já aconteceu pode provocar consequências inesperadas.

Com roteiro e direção de Richard Curtis (tenho mania de ir atrás dos responsáveis por filmes legais), “Questão de Tempo”, de 2013, é sensacional. O diretor é o mesmo de “Um lugar chamado Notting Hill”, “Simplesmente amor” e “O Diário de Bridget Jones”. Belo currículo, não?

O enredo muito beimg-rachel-mcadams-questao-de-tempo-03bm construído é surpreendente e nos faz refletir sobre relação paternal, atenção com as pessoas que nos cercam e amor aos que nos são caros. É uma história lindona, tocante e repleta de lições de vida.

“Nenhuma viagem no tempo faz alguém amar você”. É com essa frase que Tim, o protagonista, sintetiza o filme. “Questão de Tempo” te desperta para o óbvio: viver sem se preocupar com coisas supérfluas e sim com aqueles que amamos. Decididamente, um filme poético, inspirador e que, apesar do suor nos olhos, te deixa feliz.

Assista ao trailer de Questão de Tempo: 

Elton Tavares

O Escafandro e a Borboleta (resenha bacana do Lúcio sobre um filmaço)

 

Por Lúcio Costa Leite

Alguns filmes são experiências tão pessoais quanto desconcertantes, são diálogos e cenas que parecem, diametralmente, feitos e escritos como se propositalmente quisessem nos atingir. Esse é o caso do filme “O Escafandro e a Borboleta”, produção francesa dirigida por Julian Schnabel, que na época de seu lançamento, recebeu várias premiações.

O filme narra a história real de um editor da revista Elle, Jean-Dominique Bauby, após um derrame cerebral cuja conseqüência principal foi a perda de todos os movimentos do corpo, exceto o do olho esquerdo. O excepcional é que mesmo dentro das limitações físicas imprimidas pelo incidente, o protagonista da história conseguiu ditar um livro usando apenas o movimento do olho.

O filme tinha tudo para ser um drama-doença sobre alguém acometido por um AVC (Acidente Vascular Cerebral), mas a centra-se nas dificuldades de comunicação do protagonista, fazendo do filme um legítimo ensaio sobre a linguagem, o expressar-se.

O drama é angustiante, mas assinala um aprendizado para a reflexão das paralisias que nos assombram mediante as dificuldades O trecho abaixo é a transcrição de um dos monólogos do filme:

Hoje, sinto que minha vida é uma série de frustrações. Mulheres que não fui capaz de amar. Oportunidades que não soube avaliar. Momentos de felicidade que deixei escapar. Uma corrida cujo resultado eu conhecia de antemão, mas falhei em escolher o vencedor.Tenho sido cego e surdo ou os duros golpes me fizeram descobrir minha verdadeira natureza”.

Meu comentário: Este filme, muito bem descrito pelo meu amigo Lúcio, é uma lição de vida. Com um roteiro firme e sacadas incríveis do protagonista. O longa me fez pensar em quem nos ama de verdade, pois quando Jean-Dominique Bauby estava enfermo, quem se importou com ele foi sua ex esposa e não sua namorada (pivô de sua separação). O filme é lindo, eu recomendo.

Elton Tavares

Assista ao trailer do filme: 

Sesc realiza capacitação audiovisual

O Sistema Fecomércio AP, por meio do Serviço Social do Comércio (Sesc), realiza capacitação audiovisual com a proposta “EXPERIÊNCIA AUDIOVISUAL CULTURA E MERCADO NA PRÁTICA”, ministrado por Cezar Augusto Azevedo Moraes. A oficina ocorrerá na unidade do Sesc Araxá, no período de 03 a 07 de junho. Serão ofertadas duas turmas, sendo 20 vagas pela manhã, 08h às 14h e 20 vagas à tarde, 14h às 18h.

Durante a oficina, Cezar Augusto, conduzirá os alunos a etapas do fluxo de produção audiovisual, utilizando técnicas existentes e aplicando na prática os conhecimentos adquiridos; e assim produzir peças audiovisuais, criando conteúdos para diferentes plataformas disponíveis no mercado.

O projeto capacitação audiovisual garante capacitações contextualizadas que subsidiem conhecimentos sobre como desenvolver competências de modo a permitir que no cumprimento das suas funções estejam contempladas as dimensões técnicas, para a ampliação de conhecimentos dos produtores independentes e assim, estimular a produção de filmes, que são igualmente importantes e imprescindíveis ao desenvolvimento e fortalecimento da linguagem audiovisual.

Serviço:

Capacitação audiovisual Inscrições: Setor de Cultura
Local: Sala de audiovisual, na unidade do Sesc Araxá, Rua Jovino Dinoá, Nº 4311, Beirol
Data: 03 a 07/06 Hora: 08h às 12h – 1º turma (Vagas) 14h às 18h – 2º turma (Vagas)
Investimento: 1 kg de alimento não perecível

Coordenadoria de Comunicação e Marketing do Sesc Amapá
E-mail: [email protected]
Fone: (96)3241-4440 (ramal 235)

Clube de Cinema comemora nove anos de atividades

Em 2019, o Clube de Cinema, cineclube do Festival Imagem-Movimento, completa nove anos de atividade, reafirmando-se como a experiência cineclubista mais duradoura do Estado do Amapá. Para celebrar a ocasião, no próximo sábado dia 01 de junho, a partir das 19h acontece uma sessão comemorativa com exibição do documentário “Slam: voz de levante”, das diretoras Tatiana Lohman e Roberta Estrela D‘Alva

“Slam: voz de levante” vai para Chicago, NY, Paris e São Paulo e encontra a mesma cena com diferentes faces: os poetry slams, batalhas poéticas performáticas, se firmam como encontros que instigam a criatividade e o convívio entre diferentes e surgem diante da onda política conservadora mundial como ágoras do livre pensamento e expressão. No Brasil, a poeta Luz Ribeiro vence o campeonato nacional e vai para a Copa do Mundo de Poetry Slam, em Paris, representando a nova vertente negra e feminista que tem se firmado pela virulência de seu verbo politizado.

CLUBE DE CINEMA

Considerando que cineclubes são iniciativas voltadas para a democratização do acesso ao cinema como bem cultural, o Festival Imagem-Movimento realizou sua primeira sessão cineclubista em maio de 2010 como uma extensão das atividades já promovidas pelo FIM desde sua primeira edição em 2004.

Desde então, o Clube de Cinema já ocupou os auditórios do Museu da Imagem e do Som (MIS), da Biblioteca Pública Elcy Lacerda e Espaço Caos – arte e cultura, iniciativa independente que agregou diversos segmentos culturais entre 2014 e 2018.

Ao longo desses nove anos, exibimos mais de 265 filmes, entre curtas, médias e longas-metragens, sempre com sessões gratuitas. Firmamos parcerias importantes com iniciativas que promovem a criação e fortalecimento de redes de exibição por todo o Brasil, priorizando a circulação do cinema alternativo e independente produzido aqui e em outros países.

Após a exibição de “Slam: voz de levante”, as coordenadoras do coletivo Slam Tucujú, Leandra Brito e Ramona Gemaque, participam de um bate papo com o público. Em seguida, o grupo Maniva Venenosa apresenta seu som autoral, misto de reggaeton, reggae, dub e funk com toques regionais. Durante todo o evento o público poderá conferir e comprar trabalhos de artistas visuais locais.

SERVIÇO:

Aniversário do Clube de Cinema: 9 anos
Data: 01 de junho de 2019
Horário: 19h
Local: Casa Viva
Endereço: Avenida Almirante Barroso, nº 851. Centro
Entrada franca.

Fonte: FIM

Sesc AP promove espetáculos e oficinas na 13ª edição do Projeto Aldeia de Artes

 

A programação será nos dias 27/05 a 01/06, no Sesc Araxá, com diversas atrações artísticas.

A Fecomércio AP, por meio do Sesc AP realiza a 13ª edição do Projeto Aldeia de Artes com uma programação que contemplará espetáculos de Teatro, Dança, Circo e oficinas com artistas do Amapá, Rio de Janeiro e São Paulo.

O projeto Aldeia de Artes tem como objetivo incentivar a produção local através de suas produções em Artes Cênicas, na medida em que oportuniza através de outras produções da grade de programação, as trocas em conhecimentos para com as Artes Cênicas. Nessa edição, o evento contará com a presença de dois analistas em Artes Cênicas e Curadoria em projetos de ressonância nacional para emitir seus pareceres no tocante as Reflexões Cênicas sobre as produções locais, como forma de contribuição para as produções encenadas.

Confira a programação completa AQUI

Assessoria de comunicação do Sesc/AP

Hoje é o Dia Mundial de Star Wars – Que a Força esteja conosco!

220640-May-The-Force-Be-With-You

Hoje, 4 de maio, é o Dia mundial de Star Wars! A data foi escolhida devido a um trocadilho com a célebre expressão “May the Force be with you”. May (maio) the Fourth (dia 4) be with you.

A primeira alusão ao termo “May the 4th” aconteceu em maio de 1979 quando o Partido Conservador parabenizou a eleição de Margaret Thatcher como a primeira mulher Primeira Ministra da Inglaterra, com um anúncio no jornal The London Evening News que dizia: “May the Fourth Be with You, Maggie. Congratulations.”

my1111111-660x350Durante uma entrevista em 2005, para o canal N24 de notícias da TV alemã, pediram ao criador de Star Wars, George Lucas, que ele falasse a famosa frase “Que a Força esteja com você.” O intérprete simultâneamente interpretou a frase em alemão como Am 4. Mai sind wir bei Ihnen (“We shall be with you on May 4”, em português, “Vamos estar com você em 4 de maio”). Isso foi captado pela TV Total e foi ao ar em 18 de maio de 2005.[Wikipédia]

Em 2011, a primeira celebração organizada do Dia de Star Wars aconteceu em Toronto, Ontário, Canadá no Cinema Subterrâneo de Toronto. As festividades incluíram um Game Show de Trivia sobre a Trilogia Original; um concurso de fantasias com os juri composto por celebridades; e a exibição em tela grande dos melhores filmes, mash-ups, paródias, e remixes da web. A segunda edição anual aconteceu na sexta-feira, 4 maio de 2012.

De fato, é uma data em que a Força está presente nos fãs de Star Wars. Neste dia costuma-se rever os filmes, falar as frases mais famosas dos personagens, ou cantarolar Imperial March. Coisas simples, mas que fazem o 4 de maio uma data memorável para todos os fãs, pois são mais de 40 anos de fascínio pela série de filmes fantásticos. Portanto, que a Força esteja conosco!

Elton Tavares

Parceria entre PMM e Cinépolis proporcionará sessão de cinema a alunos

Foto: G1 Amapá

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) proporcionará nesta sexta-feira, 26, sessão de cinema aos alunos da Escola Eficaz. A atividade é proveniente de uma parceria entre Prefeitura de Macapá e Cinépolis. Estão sendo ofertados para este ano 7.500 ingressos para as crianças da rede municipal de ensino. A atividade tem como finalidade proporcionar a interação dos estudantes com o cinema, fundamental no processo de ensino-aprendizagem.

Serviço:

Data: 26/04 (sexta-feira)
Hora: 9h
Local: Cinépolis
Endereço: Rodovia Juscelino Kubitschek, nº 2141, Universidade

Karla Marques
Assessora de comunicação/Semed
Contato: 91192467