É todo dia agora e o que vamos fazer?

 
Assalto e assassinato, palavras do nosso cotidiano há tempos, mas nunca como agora. Todos estamos chocados com os crimes sistemáticos em Macapá. Se espremermos os jornais impressos, rádios e noticiários de TV, sai sangue. Tá foda!!
 
A gravidade da situação, inegável. Como diz na música “Os Anjos”, da Legião Urbana: “hoje não dá, hoje não dá. Está um dia tão bonito lá fora e eu quero brincar(…) Hoje não dá, hoje não dá. A maldade humana agora não tem nome (…) Gostaria de não saber desses crimes atrozes. É TODO DIA AGORA. E O QUE VAMOS FAZER?”.
Ontem foi um jovem publicitário e dançarino, amigo de amigos meus. Mas todo dia é isso. Só piora! 
 
Elton Tavares

Cansaço – Por @Cortezolli


Pois é cansada que digito devagar…

Minha fadiga mental se dá em virtude das tempestades de tutoriais de “como viver melhor”, das “dicas infalíveis” e dos incansáveis “métodos revolucionários de como fazer isso ou aquilo”, sem mencionar os livros que chovem com textos publicitários miseráveis, escritos por pessoas de índole execrável, que crêem incitar o consumo, com o que julgam ser irresistíveis interjeições: “Hein?!”, “só vem”, “me convida?”. Não, não são todos os profissionais que têm caráter duvidoso. Contudo a parcela que poluiu se diz “famosinha”.

O dilúvio de inópia lava os mais diversos meios. Fechemos os olhos ao sairmos de nossas casas, tampemos os ouvidos aos menores ruídos de soluções imediatas.

A vida apenas se arrasta. Quando a solução parecer fácil demais, desconfie.

O imediatismo está na avalanche de informação. Abandonar o bombardeio ao qual somos submetidos por metro quadrado, ou a cada segundo, é morrer de fome. Alimentemos-nos das mais diversas fontes, que quase não nos saciam. E queremos mais. E, nos intoxicamos.

Cansei dos textos escritos por gente como eu… Carregados do que trazemos conosco.

Decepciono-me facilmente, porque minhas expectativas são sempre altas. As baixezas… Deixo-as para os rasteiros, que citam até trechos do que houver de mais sagrado, para as mais pulhas afirmações. E, não se trata de ficção? Quem escreveu?

Enfadei.

E de agora em diante, meu silêncio.

Tchau.

Hellen Cortezolli

Quando eu gosto, gosto. Mas quando odeio, odeio valendo!

Sabem, mesmo ao conhecer a Doutrina Espírita e o lance do Karma, baseado na ação e reação que ecoa durante as existências, não consigo me libertar de certos sentimentos ruins. Vou explicar.

Tento fazer o bem para todos, tanto aos meus, quanto aos estranhos. Tento mais ainda não fazer mal a ninguém, pois como diz um velho ditado: “muito ajuda quem não atrapalha”. O problema é quando pego raiva, ódio ou nojo de alguém….sobretudo de pessoas que me sacanearam sem eu ter feito nada a elas. Sou um sujeito que assume erros e muitos desafetos tem razão em suas antipatias para comigo. Mas porra, quando tô inocente na parada e vem um(a) filha da puta tentar armar arapucas para este gordo, aí é foda.

Até quando não gosto, deixo quieto, pois prejudicar alguém é muita canalhice e não luto com essas armas. Quando precisam de mim, tento sempre resolver os problemas das pessoas. Se for um familiar ou amigo querido, resolvo de qualquer jeito. Mas quando nutro antipatia, forte ou fraca, por uma criatura, não a quero por perto, pois somente sua presença me incomoda. Ajudá-la em algo então, nem pensar. Meu espírito não alcançou tal grau de evolução. Somente tento ignorar a praga e sem dar chances de aproximação.

No caso de ex-amigos, faço como Jorge Amado e seu “cemitério particular: “possuo um cemitério meu, pessoal, eu o construí e inaugurei há alguns anos, quando a vida me amadureceu o sentimento. Nele enterro aqueles que matei, ou seja, aqueles que para mim deixaram de existir, morreram: os que um dia tiveram a minha estima e perderam”.

Assim mesmo! Volto a dizer, não faço nada contra ninguém, a não ser que estes filhos da puta insistam em me sacanear. Aí, sim. Terão o inferno, pois sou um bom e terno amigo, mas um inimigo focado em devastar quem ameaça minha paz. Portanto, se gostam de mim, não me peçam para ser falso ou dissimulado para com os desafetos. Não consigo, pois sou verdadeiro demais. Os que amo sabem que os amo. Igualmente os que odeio ou desprezo. É isso.

Elton Tavares

Mendigos emocionais – Por @Cortezolli

14720400_1167229310020620_4869010888379443218_n
Há tempos não escrevia nada, sequer uma linha. Cogitei a possibilidade de fazê-lo à moda antiga, papel e caneta, mas a memória remota das pontas dos meus dedos tocando o teclado nevrálgicamente, me foi mais sedutora.

tumblr_mh12mikpk41qkrs02o1_500

Submergi num daqueles mergulhos em mim mesma, quase suicida, não esperava por salvação, mas também não acreditava num retorno, apenas me afundava no que considerei ser uma síndrome de autoconhecimento inadiável.

tumblr_n49lpxmbs41r7bwaro1_500

Perdi aquela certeza na hora de concatenar as ideias, porque por mais que minhas opiniões se transformem de acordo com minhas experiências mais recentes, é necessária aquela cegueira provisória na construção dos argumentos, mesmo que frágeis. Mas, isso mudou…

por-que-as-mulheres-criam-expectativas-30-881

Lembrei do quanto me cobro e por isso não espero menos das outras pessoas, contudo, em algum instante me veio à mente, que as pessoas não são responsáveis por nossas expectativas, mesmo que eu me recuse a baixar as minhas. Se você não abandonou o meu raciocínio até aqui, é porque se identifica com essas questões.

1bfd44967fca95af7a66329af0447d34

Então, se torna uma sensação lancinante, análises sobre todos os tipos de relacionamentos interpessoais, e vai desde a amizade longa, amores efêmeros, paixões doentias, até o atendimento ao cliente numa farmácia ou padaria. Você ou eu, nem sempre sabemos o que queremos, mas criamos ilusões em torno do que não sabemos, criamos muralhas de medo ou, por vezes, preferimos chamar de cautela. Entretanto, surge uma vivacidade, não se sabe de onde e meio que sai pelos poros, onde cremos que somos capazes de nos jogarmos cegamente em queda livre, pelo simples prazer de sentir o vento, a velocidade, sem nos preocuparmos com a queda.

226378_401171089932864_1425976635_n

Porém, se formos pensar friamente sobre as expectativas, devemos nos ater ao fato dessa onda comportamental, de sei lá, uns vinte anos que antecedem o agora. Essa geração da qual, fazemos parte, independentemente da idade fisiológica, onde todos estão carentes, de chapéu nas mãos.

espantalhos-para-centro-de-mesa

Façamos um exercício de fechar os olhos e nos imaginarmos como espantalhos, preenchidos com espuma ou palha, no aguardo de um coração bater no peito, pode ser remendado, não tem problema, parece patético não é? Mas, não é muito diferente de como nos comportamos.

tumblr_n48ywmxluz1sdn26po1_1280

Talvez porque as paixões sejam elas pelo que fazemos ou por pessoas nas quais depositamos nossas esperanças ou sonhos. A verdade rasa, curta e grossa é que queremos a sensação de quando estamos apaixonados, não necessariamente por alguém real ou pelo que fazemos. Construímos isso em nossas mentes… Deveríamos pensar em nos apaixonarmos por nós mesmos, sem esperarmos por migalhas de aplausos, curtidas e comentários, todavia, esperamos. Lembre-se de que fazemos parte desse contexto imediatista, a era do mimimi e que estamos carentes de crenças, de amores, de qualquer coisa.

inteligencia-emocional

Queremos sempre mais… Só não sabemos exatamente, do quê. Acredite até a dor é desejada, apenas para sabermos como é não senti-la mais.

cortezolli1
Com Hellen Cortezolli – 2010 – Saudades

Hellen Cortezolli – Jornalista, fotógrafa, cronista e minha amiga querida que mora no Sul, após nossa conversa sobre amores e dores. 

E os sujões seguem sujando – (Égua-moleque-tu-é-doido) – Via @alcileneblog

lixo-colchoes
Prefeitura recolhendo colchão jogado nas vias.

Por Alcilene Cavalcante

Temos que reconhecer que a gestão do prefeito Clécio Luiz, em Macapá, deixou a cidade muito mais limpa e com coleta regular do lixo em toda a cidade. Fato.

Mas os sujões continuam sujando. Jogam lixo nos canais e ruas e criam lixeiras viciadas.

Parece que não há como dar vencimento nas atitudes de pessoas sujas e egoístas, que desse modo provocam alagamentos, aumentam o custo da limpeza pública e contribuem para a proliferação de doenças, aumentando também o custo da saúde pública.

E olha que a prefeitura de Macapá também investiu em campanhas educativas pedindo que a população faça sua parte pra manter a cidade limpa.

Fonte: Blog da Alcilene Cavalcante

NEM LÍNGUA DE CACHORRO AJUNTA – Crônica de Fernando Canto ( e recado pros manés de plantão)

fofoca1.jpg22

Crônica de Fernando Canto

As más línguas, quando querem, destroem qualquer situação, pessoa ou relação aparentemente estável. Já vi coisas se transformarem da noite para o dia em verdade absoluta, bastando para isso uma pequena interrogação irônica ou uma afirmação leviana, por um balançar de cabeça de pessoas consideradas sérias.

Em muitas dessas situações inventadas está escondida a verdadeira intenção do difamador, que lança seus “diabinhos” e deixa que eles corram como rastilho aceso em direção à banana de dinamite. Daí, os pedaços voam e se esmiúçam cada vez mais na cabeça dos ingênuos que se convencem dos fafofoca1tos e espalham a falsa notícia, para a satisfação do interessado. A estratégia do caluniador conta sempre com o apoio das “rádios cipós” que se ancoram pelos corredores das repartições públicas, pelas esquinas e bares. Elas são fontes secundárias de informações pelo princípio empírico e popular de que “onde há fumaça há fogo”, e, aliás, aproveitada com muita competência por apressados comunicadores locais, nem um pouco interessados em checarem a “notícia” plantada.

Muitas vezes, e sem querer, somos atores nesse processo, que é da natureza humana, uma vez que vivemos em grupo, nos comunicamos por diversos meios e temos interesses comuns e particulares. levianoTemos desejos e conflitos políticos e portamos uma conduta psicológica calcada em personalidades próprias e bem diferentes uma das outras. Talvez por isso nem nos damos conta que ao recebermos uma mensagem, seja de onde e de quem vier, nos tornamos personagens que vão beneficiar ou maltratar alguém ou alguma coisa.

Os políticos, de modo geral, se valem desses expedientes quando querem salvaguardar seus interesses, mormente na hora que os argumentos se esgotam. 1355812829Já descrevi aqui neste espaço invenções articuladas com o propósito de inverter o jogo das eleições. Lembro que ouvi pessoas sérias afirmarem ter visto o marido de certa candidata a prefeita sangrando no Pronto Socorro, por causa de um tiro dado pelo irmão do candidato que venceria as eleições. Lembro ainda que em outra eleição deu no rádio que o candidato mais velho a prefeito da capital havia falecido. O boato crescera tão rápido logo pela manhã que um batalhão de repórteres saíra à cata do suposto morto. Quando ele se manifestou nas rádios já era tarde. Seus eleitores não queriam “perder o voto” e já haviam votado em outros candidatos. Esses são apenas pequenos episódios que envolvem boatos e fofocas no meio político, onde um criativo mundo se articula diariamente em permanente conflito na busca da estabilidade e poderes.facefofoca

A calúnia, a difamação e a injúria são crimes previstos em lei. São palavras diferentes para ações legais muito semelhantes que tiram o sono dos “bocudos” quando têm de pagar indenizações na justiça a alguém a quem ofenderam moralmente de forma leviana e irresponsável. São elementos do controle social necessários à estabilidade da sociedade, dada à variabilidade e às diferenças das influências ambientes.

Nosso comportamento é motivado pelas necessidades psicológicas herdadas e pelos anseios sociais adquiridos. cachorro_calor[6]Somos induzidos a agir por isso e conforme nossas necessidades, ambições e interesses de ordem pessoal. Daí, também, advém os desvios de conduta, os excessos temperamentais e a ausência de educação e controle que fazem as pessoas disseminarem suas opiniões ofensivas à dignidade de alguém. A Lei serve para controlar e punir esses crimes. Mas, uma vez feito o estrago, difícil é a reparação. Segundo o seu Jurandir, do Bailique: “Depois que o caldo cai no chão nem língua de cachorro ajunta”.

* Crônica de novembro de 2007 e publicada no livro Adoradores do Sol, de 2010.